quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Hitler era um esquerdista. Irmão siamês dos comunistas. O ódio dele era o mesmo ódio dos comunistas. Veja como a extrema esquerda atual está voltando com o maior ídolo deles: Hitler

Escrito e publicado no Blog do Aluizio Amorim 
Mais um vídeo traduzido pela sempre sensacional Embaixada da Resistência. Afinal, resistir é preciso. No desenho animado com duração de pouco mais de 5 minutos que está aí acima é possível matar a charada, como se diz na gíria.

Hitler retorna ao século XXI e jura de pés juntos que não é mais nazista, mas que se transformou num arauto da "diversidade", conceito estranho e ao mesmo tempo aplicável a qualquer área do conhecimento, indo da "diversidade bundalelê" que nega a distinção entre os gêneros masculino e feminino (diversidade sexual) até o denominado "multiculturalismo" ou "diversidade cultural".

Desta feita, Hitler retorna não para pregar o nazismo mas a "diversidade", ou seja, o "nazismo bundalelê" que detona os Estados-Nação, eliminando as fronteiras e, com isto, decretando a morte da "cultura ocidental" por meio da miscigenação forçada para dar lugar a um governo mundial. Essa agenda tem o apoio de todos os partidos esquerdistas do mundo inteiro.

Vejam o vídeo e entendam o que está em jogo. É um bom começo para compreender o que de fato está acontecendo e o nível de avanço dessa "engenharia social" manipulada pelo movimento "globalista" do qual a ONU e a União Européia são no momento pontas de lança.

Como já afirmei aqui no blog, estou selecionando alguns vídeos para postagem de forma a levar até os leitores a abordagem de temas como o 'globalismo', assunto que a grande mídia escamoteia. Afinal, a dita mainstream media e seus jornalistas de aluguel fazem parte fazem parte do esquema. A morte da cultura ocidental é a tábua de salvação para esses velhacos. Afinal as grandes corporações são grandes interessadas no esquema e potenciais anunciantes que sustentam a grande mídia no mundo inteiro.

Hitler está de fato revivido na "diversidade", um das dezenas de conceitos criados nos laboratórios da ONU e da União Europeia baseados no deletério "pensamento politicamente correto."

Conceitos não são apenas palavreados. Afinal, é por meio dos conceitos que damos nomes às coisas e as identificamos, como nos ensina a epistemologia no que concerne ao processo cognitivo.

Na atual etapa as pessoas passam por uma verdadeira lavagem cerebral. Isso pode-se constatar por aquilo que é propalado pelos meios de comunicação não apenas no tocante ao noticiário, mas também aos ditos produtos "culturais", como novelas, programas de auditório, cinema, teatro e o show business com destaque para as "artes" em geral.

Na escala de prioridades do movimento "globalista" em primeiro lugar estão a grande mídia e o sistema educacional. Nestes os globalistas reinam praticamente absolutos. A contraposição aparece apenas na internet no âmbito das redes sociais, blogs e sites independentes e conservadores.

A luta pela defesa da nossa liberdade passa em primeiro lugar pelo entendimento do que esses novos "conceitos" têm em mira.

Postado por Aluizio Amorim às11/16/2017 01:46:00 AM

Um comentário: