sábado, 22 de julho de 2017

A morte do petista Marco Aurélio Garcia e a fenda na xícara que leva à terra dos mortos

Escrito por Reinaldo Azevedo no Blog do Reinaldo/RedeTV, 22/07/2017 - 8:34
Viu-se um espetáculo de grosserias e baixarias nas redes sociais, invectivadas, de resto, por algumas páginas que fazem do ódio a sua profissão de fé.

Silenciei sobre a morte do petista Marco Aurélio Garcia, ocorrida na quinta, por uma razão simples: dado o que penso, segundo os meus valores, eu não tinha nada de bom a dizer a respeito dele. Ao contrário: quem acompanha o meu blog conhece as, sei lá, muitas dezenas de posts que lhe dediquei desde que se tornou assessor especial de Lula. E não me lembro de nenhum elogioso.

Para mim, tudo estava dito. Notem: ele não era uma personagem central da história. Sim, já enfrentei a tarefa desagradável de falar mal de mortos, mas só o faço se considerar inevitável. E, no caso, pareceu-me, sim, evitável. Não há como; quem me conhece sabe que sou assim: penso na dor dos familiares e dos amigos e sinto um desconforto enorme. Não considerando, pois, essencial a apreciação negativa da obra daquele que se vai, abstenho-me. É o que me diz o decoro. E não abro mão dele.

O registro que faço aqui é outro. Sei que sou duro no debate. Ainda na segunda, no programa “Roda Viva”, da TV Cultura, recorri à energia e à clareza que julguei necessárias para expor meu ponto de vista. Em regra, não sou exatamente suave no confronto de ideias. Mas evito e repudio a brutalidade. E é de brutalidade que vou falar.

Chegaram-me ecos do que se disse nas redes sobre a morte do petista. Mais: uma nota respeitosa, decorosa, própria de quem exerce um cargo de Estado, emitida por Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores, deu início a um tsunami de baixarias como raramente se viu: contra Marco Aurélio, o morto, e contra o ministro. E, claro, os conteúdos mais furibundos estão atrás de pseudônimos, de gente que não tem cara, que parece sentir especial prazer em propagar o ódio, o fel, a maledicência gratuita.

Mais: constata-se de imediato que os mais enfáticos, os mais carregados de certeza, os mais virulentos são, também, os mais ignorantes. Eis aí um dos grandes riscos que corremos nestes dias: nunca a opinião destituída de lastro, nunca a sentença judiciosa descolada das leis, nunca a narrativa belicosa divorciada da história foram tão presentes e tão influentes. E as pessoas vão dizendo o que lhes dá na telha, fazendo tábula rasa de biografias, esmagando qualquer chance de um confronto civilizado de ideias.

Sim, o PT de Marco Aurélio Garcia é um dos responsáveis por esse estado miserável a que chegamos. Quando Lula, no seu primeiro mandato, separou o Brasil entre “nós”, que eram “eles”, e “eles”, que, bem, éramos nós, os não-petistas, estava dada, como escreveu Auden, “the crack in the tea-cup” que “opens a lane to the land of the dead”. Lá estava “a fenda na xícara de chá” a “abrir uma vereda para a terra dos mortos”.

Sim, a geleira habita o armário. O deserto suspira na cama.

O fato de a esquerda ter declarado guerra à divergência — já nos primeiros movimentos do governo FHC, em 1995 — pode absolver setores à direita de terem iniciado a pancadaria, mas não os absolve da decisão estúpida de mimetizar os métodos dos adversários, respondendo com intolerância à intolerância, com ignorância à ignorância, com cretinice à cretinice.

Outro dia, uma dessas reputações que só existem nas redes sociais sustentava que eu era um dos responsáveis por essa radicalização. É mesmo? Digam quando e em que circunstância. Ao contrário. Eu atacava justamente o fascismo de esquerda, que tornava inviável o diálogo.

Não! Eu não me arrependo de ter criado termos como “petralha” e “esquerdopata”. Enquanto houver esquerdistas justificando o roubo de dinheiro público como instrumento para beneficiar os pobres, petralhas terão de ser combatidos. Enquanto houver pessoas que acham normal jogar no lixo os fundamentos da democracia em nome da justiça e da igualdade, “esquerdopatas” terão de ser combatidos.

Mas isso não autoriza os ataques grotescos que setores identificados com a direita — alguns deles com sotaque indisfarçavelmente fascistoide — dirigiram contra Maro Aurélio, o morto, e contra Aloysio Nunes, o ministro, que não deixou de lembrar, na nota, que ambos percorreram caminhos distintos.

O que dizer? Eu rompi com a esquerda quando percebi que aquele seu, como vou chamar?, “horizonte finalista” (a exemplo de todo horizonte), onde as contradições se anulam, onde “os infinitos se estreitam num abraço insano” — experimentando-se, então, o fim da história —, era uma estupidez.

Abracei o que considero a saudável perspectiva conservadora do reformismo permanente, que não promete nem vislumbra amanhãs sorridentes. O que se tem é só luta renhida, a cada dia. Não anseio a vitória final. Não quero ter medo da derrota final. Essa coisa de viver e de ir mudando; de viver e ir se transformando; de viver e ir se emendando, bem, a graça está em isso não ter fim. É nossa condenação e nossa ascese.

E, por isso tudo, eu não poderia ser um discípulo de Marco Aurélio Garcia ou de fascistas de esquerda ou de direita.

Não contem comigo para o espetáculo dantesco.

Que Marco Aurélio descanse em paz. Porque, na morte, os infinitos se estreitam num abraço insano.

sábado, 8 de julho de 2017

A NAÇÃO SOB GOVERNO DAS MINORIAS

A NAÇÃO SOB GOVERNO DAS MINORIAS
Escrito por Percival Puggina* e publicado em 07.07.2017 no Puggina.org
A crise que jogou o Brasil na mais prolongada e perigosa depressão econômica e social de sua história não pode ser entendida sem que se conheça o peso do patrimonialismo, do corporativismo e do clientelismo na vida nacional. É pelo peso do patrimonialismo que o exercício do poder político se confunde com usufruto (quando não com a posse mesma) dos recursos nacionais. É pelo peso do corporativismo, cada vez mais entranhado e influente nas estruturas do Estado, que os bens e orçamentos públicos vêm sendo canibalizados desde dentro pelo estamento burocrático. É pelo peso do clientelismo que elites corruptas são legitimadas numa paródia de representação política, comprando votos da plebe com recursos tomados à nação.

Na perspectiva do cidadão comum, o que resulta mais visível, lá no alto das manchetes e no pregão dos noticiários de rádio e TV, é o que vem sendo chamado de mecanismo, ou seja, o modo como, nos contratos de obras e serviços, o recurso público é desviado para alimentar fortunas pessoais, partidos políticos e campanhas eleitorais que, por sua vez, garantem, a todos, a continuidade dos respectivos negócios. Com efeito, esse é o topo da cadeia. É o que se poderia chamar de operação contábil que viabiliza e formaliza o patrimonialismo.

O corporativismo, de longa data, se configura como forma de poder exercido com muito sucesso e responde, ano após ano, pela crescente apropriação dos orçamentos públicos e dos recursos de empresas estatais pelas corporações funcionais. É uma versão intestina do velho patrimonialismo. Raymundo Faoro, a laudas tantas de "Os Donos do Poder", escreve sobre a centralização política ocorrida no Segundo Reinado e a singela constatação de que existem duas possibilidades: ou a nação será governada por um poder majoritário do povo ou por um poder minoritário. Era como exercício de poder minoritário que Faoro via o reinado de D. Pedro II. E o entendia à luz da teoria de Maurice Hariou, que fala de um poder formado "ao largo das idades aristocráticas, pelo exercício mesmo do direito de superioridade das minorias diretoras".

Maurice Hariou (1856-1929) reparte com Kelsen o apelido de Montesquieu do século XX. Na sua perspectiva, são as instituições que fundamentam o Direito, e não o contrário. Correspondem ao conceito, as organizações sociais subsistentes e autônomas nas quais se preservariam ideias, poder e consentimento. A isso, dava ele o nome de corporativismo. Após 127 anos de república, é comum vê-lo em pleno exercício quando representantes de outros poderes, de carreiras de Estado, e de seus servidores ocupam ruidosamente galerias dos plenários ou palmilham corredores onde operam os gabinetes parlamentares. Raramente saem frustrados em suas reivindicações. E assim, bocado a bocado, ampliam, além de toda possibilidade, a respectiva participação no bolo dos recursos públicos. Em muitos casos, a soma das fatias já ultrapassa os 360 graus.

Os ônus do corporativismo representam um prejuízo vitalício, que se perpetua através das gerações. Como tal, muito certamente, excede o conjunto das falcatruas operadas pelo mecanismo. O Estado brasileiro poderia ser menor, onerar menos a sociedade e enfrentar adequadamente o drama das camadas sociais miseráveis, carentes de consciência política. Por que iriam os operadores do mecanismo, os manipuladores da miséria e o estamento burocrático interessar-se em acabar com a ascendência que exercem sobre essas vulneráveis bases eleitorais? Os três juntos - patrimonialismo, corporativismo e clientelismo - põem a nação em xeque. Não sairemos dele se não identificarmos, acima e além dos partidos e seus personagens, estes outros adversários, intangíveis mas reais, que precisam ser vencidos.
_______________________________
* Percival Puggina (72), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.