terça-feira, 30 de maio de 2017

A FACE SINISTRA DA CHINA: Para o Partido Comunista Chinês, o corpo de uma pessoa é propriedade do governo e seus órgãos um ‘bem comum’, assim como os bebês

A face sinistra da Cina,
Escrito por Plinio Maria Solimeo na ABIM, 30 de maio de 2017.
china-vermelha-2
O aspecto não sorridente da China comunista é o aspecto real do país 

A China é apresentada por muitos como um país onde o socialismo de mercado de tal maneira deu certo, que a converteu na economia de mais rápido crescimento no mundo, na maior exportadora e importadora de bens, e na primeira potência industrial. Isso evidentemente não teria sido possível sem a cumplicidade do Ocidente.

Assim, de repente, um país que ainda em vias de desenvolvimento se torna o primeiro mercado para bens de consumo de luxo, com o número assombroso de 1.363 milionários, que gastam e esbanjam no Ocidente empobrecido.

Entretanto, observadores imparciais alertam que esse gigante asiático tem pés de barro, e que, mais cedo ou mais tarde, mostrará sua verdadeira face. Pois, apesar de tudo isso, sua população vive em estado de semi-escravidão, dependendo em quase tudo de seu inexorável Estado-Patrão.

Vejamos alguns exemplos.
China vermelha
No Tigre Asiático vigora há mais de 50 anos o controle implacável do Partido Comunista, como na era do facínora Mao Tsé-Tung [foto à esquerda]. Por exemplo, é o Estado que decide isto de exclusivo do foro familiar: o número de filhos que cada família pode ter, e praticava inexoravelmente a política de filho único até há pouco.

Mas essa medida trouxe tantos problemas ao país — como os vem causando para praticamente o mundo inteiro —, que o governo teve que revisá-la.

Assim, em outubro de 2015, o Partido Comunista e as autoridades governamentais chinesas fizeram uma nova emenda na Lei de Planejamento Familiar, permitindo a todos os casais devidamente registrados que tivessem dois filhos.

Essa mudança, que pode parecer auspiciosa a muitos desavisados, não demonstra senão até que ponto o Partido Comunista controla a vida dos cidadãos chineses.

Ele o faz exercendo um controle coercitivo sobre as mulheres e suas famílias. De modo que as recalcitrantes que tiverem três ou mais filhos serão pesadamente multadas, poderão perder o emprego, ser sujeitas a detenção arbitrária e forçadas a abortar. Pior ainda: serão ameaçadas com esterilização, além de sofrerem outras políticas discriminatórias contra seus filhos.

China vermelhaMas essa tardia mudança não tem produzido efeito. Porque, apesar da permissão para o segundo filho ter sido sancionada em outubro de 2015, menos de 1.85 milhão em 11 milhões de casais aptos em todo o país (16.8%) se candidataram para tê-los. Pelo contrário, dados do Escritório Nacional de Estatística da China mostram que o número total de nascimentos em 2015 caiu 16.55 milhões, ou seja, 320 mil a menos que em 2014. Ainda não temos dados para 2016, quando as autoridades chinesas esperam um boom, por ser o Ano do Macaco, considerado pela mitologia chinesa como o mais auspicioso para gerar filhos.
Acontece também que muitos casais, especialmente os das áreas urbanas, estão relutantes em ter um segundo filho, devido a diversos fatores. Entre eles, o do elevado custo, pela falta de opções em assistência e educação infantil, de disponibilidade para o cuidado deles, devendo, ademais, interromper a carreira profissional. Mas principalmente pela mentalidade forjada durante décadas pelo governo comunista, de permitir apenas um filho por casal.

Além disso, essa nova e tardia medida do governo é inepta para reparar o profundo desequilíbrio demográfico causado por décadas de controle da população pelo Estado. É o que crê a Comissão do Congresso dos Estados Unidos sobre a China, em um informe publicado em abril[i].

O que pesa ainda nesse quadro é que, por uma preferência cultural, tradicionalmente os chineses preferem ter filhos homens, uma vez que ao chegarem à idade de trabalhar poderão mais facilmente garantir o futuro da família, ajudando no orçamento familiar. Por isso, de acordo com dados do governo, em 2015 nasceram 34 milhões de homens a mais que de mulheres.

O órgão do governo americano estima que, devido também a essa mentalidade, no ano passado foram abortadas cerca de 64 milhões de meninas, o que provoca a existência de um mercado negro para adoção de meninos, dirigido por verdadeiras quadrilhas.

Esse desequilíbrio entre os sexos está contribuindo também para o aumento do tráfico de mulheres (principalmente de países da região como Laos, Coréia do Norte, Cambodge e Vietnã), para os matrimônios forçados e exploração sexual.

Por outro lado, o governo tem que enfrentar um problema colateral: de acordo com um relatório de janeiro de 2016 do Escritório de Estatística chinês, a população hábil (pessoas entre 16 e 59 anos) teve uma queda de 4.87 milhões com relação ao ano anterior, continuando em declínio. Ao mesmo tempo, a população senil (60 anos para cima) aumentou em aproximadamente 9.58 milhões em 2015, levando os idosos a constituírem agora quase um quarto da população total.

* * *

Igreja Católica destruída, pois não alinhada  ao governo comunista, mas fiel a Roma
Igreja Católica destruída, pois não alinhada ao governo comunista, mas fiel a Roma
O relatório do órgão do governo americano trata também da questão religiosa no país, dizendo que o regime chinês está revendo suas leis sobre assuntos religiosos para introduzir novos controles à educação, aumentar a fiscalização dos sites web de conteúdo religioso, e reafirmar o princípio de que a religião é uma ameaça à segurança nacional. Nas restrições à liberdade religiosa, segundo o Comitê do Congresso americano, inclui-se a determinação de minar a influência do Vaticano sobre os católicos chineses.

Ora, essa perseguição religiosa é bastante antiga. Basta lembrar que durante a chamada Revolução Cultural, “numa circular de 15 de maio de 1966, Mao Tsé-Tung lançou a luta política contra seus inimigos, aos quais chamou de ‘monstros e demônios’; quer dizer, contra todos aqueles que se opuseram ao controle do partido e à ideologia comunista: os intelectuais, os ricos, os proprietários de terra, ‘contra-revolucionários’ e os seguidores das diversas religiões. Depois do editorial do Diário do Povo, de 1º. de julho, ‘Varrer todos os monstros e demônios’, os Guardas Vermelhos lançaram uma violenta campanha para deter e perseguir a todos os membros destas categorias”

Esse estado de coisas não mudou muito em sua essência, embora nos acidentes tenha havido certa liberalização. O que faz com que a parte mais sadia dos católicos chineses fiéis a Roma — para falar só deles — ainda tenha que pertencer a uma “Igreja Clandestina”, ou seja, viver como que nas catacumbas [foto ao lado].

Para enfraquecer o reduto católico, que segundo algumas estatísticas aumenta anualmente em 100 mil convertidos, o governo comunista resolveu criar uma “Associação Patriótica dos Católicos Chineses”, inteiramente controlada por ele, com bispos nomeados pelo Partido e ordenados sem aprovação de Roma. Essa associação foi definida por Bento XVI como “inconciliável” com a doutrina católica..

Essa perseguição foi terrível para os seguidores de religiões, sobretudo as cristãs, tachadas de “inimigas do povo”, tendo os católicos sido declarados suspeitos de atividade contra-revolucionária[ii].
China vermelha
Católicos foram humilhados, perseguidos e executados durante  a “Revolução Cultural” promovida pelo sanguinário Mao Tsé-Tung
Católicos foram humilhados, perseguidos e executados durante a “Revolução Cultural” promovida pelo sanguinário Mao Tsé-Tung


Existe atualmente uma centena de bispos ativos na China, 30 dos quais são da Igreja Clandestina, fiéis a Roma, e 70 “oficiais”, ordenados ilegitimamente, mas que depois se reconciliaram mais ou menos com Roma ou foram ordenados com o reconhecimento de Roma e de Pequim.

Enquanto a “igreja oficial” goza da tolerância do governo comunista, a “Igreja clandestina” paga um preço alto pela sua clandestinidade, com perseguições, depoimentos, detenções, sequestros, multas etc.[iii]

Segundo dissidentes que conseguiram escapar desse novo Gulag, “a realidade dos campos de trabalho chineses é aterradora. As minorias religiosas e os dissidentes políticos são encarcerados sem razão durante anos. Nesse tempo, eles são torturados e alguns são levados a instalações cirúrgicas, onde se lhes extirpam seus órgãos enquanto ainda estão vivos”. “Segundo se crê, há mais de 10 mil órgãos em circulação na China, a metade deles extirpados à força. Para o Partido Comunista, o corpo de uma pessoa é propriedade do governo e seus órgãos um ‘bem comum’, assim como os bebês. É a cara negra de uma China que continua sendo maoísta”[iv].
China vermelha
Enquanto isso, o sorridente presidente chinês, Xi Jinping [foto à esquerda cumprimentando Vladimir Putin], aparece abraçando com mandatários dos Estados Unidos, da União Europeia e investidores ocidentais, como se presidisse à nação mais feliz do planeta e sem que ninguém o interpele pelos abomináveis crimes que se cometem em seu país.
____________

[i] http://www.cecc.gov/publications/annual-reports/2016-annual-report?
[iii] Sandro Magister, www.chiesa, 26 de septiembre de 2016
[iv] http://www.actuall.com/familia/la-realidad-de-china-secuestros-granjas-humanas-y-una-extensa-red-de-trafico-de-organos/

domingo, 28 de maio de 2017

CAÓTICA SITUAÇÃO DO BRASIL

CAÓTICA SITUAÇÃO NACIONAL, Fonte ABIM, 28 de maio de 2017.
Se o leitor desejar desfrutar a sensação de uma surpresa surpreendente, sugerimos-lhe ler este artigo que segue, mas sem ver agora o nome do autor e a data. O que, de propósito, consta apenas no final deste post.(*)
Não é nossa intenção tratar, neste artigo, da sucessão presidencial, estabelecendo um cotejo, sob o ponto de vista católico, entre os candidatos que se apresentam para disputar a suprema magistratura da República.

Queremos tão somente, à margem dos acontecimentos e sem tomar posição neles, fazer um comentário que se relaciona com os mais altos interesses da vida política do Brasil.

Há duas espécies de atitudes perante a política: a de ator e a de espectador. Atores são todos os que, direta ou indiretamente, cooperam na preparação dos acontecimentos políticos de que o Brasil está sendo teatro. Uns desempenham o papel de figuras centrais da tragédia — ou da comédia, se quiserem — representando os papéis mais importantes.

Outros são meros comparsas que passam rapidamente pelo palco, para desempenhar uma missão pequena e obscura. Finalmente outros nem aparecem no palco. São os inúmeros empregados que, nos bastidores, levantam o pano, acendem as luzes e cooperam para a manutenção da ordem nas “coulisses” [bastidores].

Na vida política, esta categoria de gente é representada pelos políticos de 3ª importância, que querem furiosamente algum emprego ou alguma pequena suserania municipal e que, sem aparecer no cenário da política, não deixam de ter certa influência, nos bastidores, sobre o curso da representação.

Espectadores são os que não tem interesses pessoais relacionados com a política e que, portanto, não cooperam com a representação da tragicomédia. Assistem de longe e do alto. Não lhes preocupa, de maneira nenhuma, o formigar das rivalidades e o choque das vaidades nos bastidores. Só o que lhes desperta interesse é a representação correta da peça e a fiel interpretação dos papéis de cada ator.

Não nos interessam, neste artigo, os primeiros. Estão com as vistas deslumbradas pela claridade do palco, e com a atenção monopolizada pelos acontecimentos da cena. São incapazes de vislumbrar o que sente o público distante que, na meia obscuridade, os contempla… e os julga.

O que nos interessa sobremaneira são os espectadores. Porque eles, afinal de contas, são o Brasil. E os atores do palco não são em geral senão inofensivas marionetes que oscilam do centro para a direita ou para a esquerda, não ao sabor de convicções, que lhes faltam, mas do impulso, desenvolvendo gradualmente um jogo que pode parecer moderno, mas que na realidade é muito velho.

Que atitude vem tomando este público em matéria de sucessão presidencial? A dizer com franqueza, a primeira impressão que se nota, em todos os brasileiros imparciais, é de asco. Não asco pela pessoa dos candidatos, a quem não queremos negar qualidades. Mas de asco profundo pela instabilidade das atitudes políticas, pela incoerência flagrante e despudorada entre atitudes da maior parte de seus sequazes, hoje, ontem e anteontem. A bem dizer, serão pouquíssimas as correntes políticas que não se encontram, agora, em uma situação que condenariam formalmente há dois ou há três anos atrás. [...]

Absolutamente não pareceria possível a ninguém que os políticos brasileiros — sobre os quais já não havia, entretanto, grandes ilusões — dessem a seus ressentimentos e a suas simpatias a inconsistência, a mutabilidade, a futilidade de brigas de meninas de colégio; que fossem tão pequeninos na vaidade e tão imensos na ambição, tão corajosos na ganância e tão tímidos no cumprimento do dever.

Esta nota dolorosa não é privativa de uma das correntes políticas. Encontra-se, pelo contrário, em quase todas. A tal ponto que um vespertino desta capital já chegou a proclamar que, realmente, a corrente política que ele defende é incoerente, porque a política brasileira é feita de incoerências, mas que a incoerência de seus adversários não é menor. No que tem toda a razão.

* * *
Qual é o resultado de tudo isto? Não é difícil percebê-lo: agonizam nossas instituições, desprestigiam-se os princípios que até ontem eram convicção política unânime (boa ou má, não vem a pelo discuti-lo) dos brasileiros, e decaem irremediavelmente no conceito público quase todos os homens da geração passada, que o Brasil vinha, se não admirando, ao menos tolerando na administração do País.

Como consequência deste formidável desgaste de homens, de instituições e de ideias, uma grande transformação se prepara. O Brasil aí está, como matéria amorfa, para ser plasmada pela corrente de homens que tenha maior sucesso na tarefa de conquistar o poder em nome de ideias novas.

Significa isto, em outros termos, que o Brasil está no momento em que deverá tomar nova forma. Se esta forma obedecer à concepção da esquerda, o Brasil será não mais o Reino de Nossa Senhora Aparecida. Se a forma for plasmada por mãos direitinhas, erguer-se-á ante nós o receio do estado totalitário, com o qual a Igreja é incompatível.

Pobre Brasil! Navegando por um mar revolto, parece que está fadado a naufragar [...].
____________

(*) Plinio Corrêa de Oliveira, “Legionário, N.º 246, 30 de maio de 1937. A íntegra deste artigo (que parece ter sido escrito sobre o caos que atualmente atingiu a política no Brasil) encontra-se disponível no link:

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Se Joesley, o MP e a PF estiverem falando a verdade, a gravação é ilegal; se os três estiverem mentindo, a operação é ilegal. E obviamente criminosa

Temer foi vítima de atos ilegais; democracia rejeita “entrapment”
Se Joesley, o MP e a PF estiverem falando a verdade, a gravação é ilegal; se os três estiverem mentindo, a operação é ilegal. E obviamente criminosa
Escrito por Reinaldo Azevedo no Blog do Reinaldo na Veja, access_time19 maio 2017, 07h06more_horiz

Os absurdos cometidos contra o presidente Michel Temer podem colaborar para que a Lava Jato volte aos eixos à medida que será preciso reconhecer erros grotescos de procedimento, que não podem se repetir. Do contrário, a operação estará, ela mesma, correndo riscos. Está claro, a esta altura, que a turma não tem limites.

Nota: o braço da Lava Jato que atinge o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) recebeu o sugestivo nome de “Operação Patmos”. É a ilha grega onde São João recebeu as revelações do Apocalipse. Se alguém ainda duvidava do caráter messiânico da turma…

É um absurdo que tantos advogados silenciem a respeito da barbaridade que se urdiu contra Temer. Aquilo nada tem de “ação controlada”, prevista no Artigo 9º da Lei 12.850. Retardar um flagrante em benefício da prova é diferente de preparar, de forma deliberada, as circunstâncias para o cometimento de um crime.

Precisamos, isto sim, é saber se não estamos diante daquilo que, nos EUA, é chamado de “entrapment”, que é uma cilada legal. Usa-se o aparato de Estado para induzir um flagrante. Por lá, é um procedimento ilegal. Por aqui, também. Assim é em todo o mundo democrático. Só as ditaduras consagram tal meio.

Caso se investigasse a investigação, chegar-se-ia ao óbvio.

Segundo a versão da Carochinha, espalhada por Joesley Batista com a ajuda do MP e da PF — e na qual a maior parte da imprensa cai por uma série de motivos, que merecerão post exclusivo —, o empresário decidiu ele próprio fazer a gravação. Não teria acertado isso nem com Ministério Público nem com Polícia Federal, que só teriam entrado em cena depois.

É mesmo?

Bem, então, de saída, registre-se que tal gravação não pode ser usada nem em juízo nem pelo juiz. Com base nela, no entanto, Edson Fachin, relator do petrolão no Supremo, decidiu abrir investigação contra o presidente. Gravações clandestinas são aceitas como prova em tribunal apenas quando resguardam um direito ou quando evidenciam que uma pessoa está sendo vítima de uma pressão ilegal. Exemplifico: uma gravação pode ser a prova de que um acusado é inocente ou de que alguém está sofrendo uma extorsão. Mas para produzir provas contra terceiros??? Sem autorização judicial prévia, nem pensar.

Segundo a versão que me parece valer uma nota de R$ 3, de posse da gravação, Joesley resolveu procurar o Ministério Público Federal… Ah, não me digam! Qual teria sido o diálogo inicial? “Eu gravei clandestinamente o presidente da República, e fica claro que ele incentiva a compra de silêncio de um preso. Quero fazer delação premiada; quero colaborar”.

Tenham a santa paciência!

“Entrapment”
Atenção! Para gravar legalmente o presidente da República, se isso fosse possível, a ordem judicial teria de partir do Supremo. Que se saiba, não aconteceu. Logo, a ação foi clandestina e ilegal.

E é preciso ser de uma ingenuidade estúpida para acreditar na versão de Joesley. Ora, como já escrevi aqui, repetiu-se o procedimento adotado com Sérgio Machado. Também este criou a versão de que teria feito gravações clandestinas por conta própria e só depois procurado a força-tarefa…

Nos dois casos, o que se tem é uma armadilha. Trata-se de flagrantes armados.

Se surgir uma evidência de que os contatos de Joesley com o MPF e com PF antecederam a gravação, estaremos diante da nulidade da operação. É simples assim. Mais: autoridades teriam participado de uma conspiração — esse é o nome — para gravar o presidente de forma ilegal.

Edson Fachin, no entanto, não quis nem saber. Já homologou a delação de Joesley, que está curtindo a vida em Nova York, e autorizou a abertura de inquérito contra Michel Temer. Não é fabuloso.,

Diga-se de novo:

a: se Joesley, o MP e a PF estiverem falando a verdade, a gravação é ilegal; b: se os três estiverem mentindo, como acho que estão, a operação é ilegal. E obviamente criminosa.

domingo, 14 de maio de 2017

VÍDEO SOBRE A LEI DE MIGRAÇÃO

O vídeo acima foi publicado na sempre excelente página da Embaixada da Resistência no Facebook, legendado em português, sendo a produção do site canadense Rebel Media. Num lance muito rápido dá para ter uma ideia do que será o Brasil num futuro breve se o Michel Temer sancionar a Lei de Migração, proposta pelo motorista de Marighella, hoje investido no cargo de Senador do PSDB.

terça-feira, 9 de maio de 2017

CHINA: Entre 1959 e 1962, o governo da ditadura socialista chinesa (o socialismo é sempre ditadura) assassinou 45 (quarenta e cinco) milhões de chineses por intermédio da fome forçada.

Escrito por Luís Dufaur no Blog Pesadelo Chinês
Mulher famélica pede comida nuna imagem rotineira da China revolucionária
Mulher famélica pede comida nuna imagem rotineira da China revolucionária































Era preciso tirar a China comunista da miséria e estagnação. E em 1957 o líder comunista Mão Tsé Tung lançou o chamado Grande Salto Adiante um inumano esforço igualitário para tirar a economia socialista daquela situação.

Foi de um desastre para outro muito pior. Mao descobriu que o país andava sobe duas pernas: a industrial e a agrícola. E excogitou o impensável: todo o sangue da agrícola devia passar para a indústria.

O método é bem conhecido no Brasil: a coletivização da terra e a organização militarizada do campesinato em comunas, ou assentamentos. Acabou sendo o modelo inspirador da reforma agrária socialista confiscatória brasileira, das CEBs agrícolas e do MST.

A desgraça da coletivização forçada da terra, executada em aras de uma utopia igualitária, gerou a pior fome da historia da humanidade: 45 milhões de cadáveres, segundo as mais recentes estatísticas.

sábado, 6 de maio de 2017

VENEZUELA - Veja fotos da espantosa violência da ditadura chavista contra o povo desarmado e esfomeado da Venezuela

Uma revelação da História
Escrito por Gabriel J. Wilson, 5/5/2017, na ABIM
Apesar da tirânica repressão do governo Maduro contra as manifestações populares, multidões continuam saindo às ruas para protestar contra o governo
Em vídeo difundido pelas redes sociais [veja-o aqui], um sacerdote católico espanhol, Pe. Santiago Martin, [foto abaixo] relata e ilustra com trechos de filmagens e fotos a espantosa violência do regime chavista de Maduro contra a população esfomeada da Venezuela.

Apesar da tirânica repressão do governo Maduro contra as manifestações populares, multidões continuam saindo às ruas para protestar contra o governo
Essa violência contra a parte mais indefesa da população não é apenas passiva (as crianças e idosos que morrem por falta de assistência, falta de remédios, vítimas de doenças, fome ou inanição). É uma violência também ativa, como ilustra o mencionado vídeo, que transmite o espancamento de menores por soldados bolivarianos da ditadura de Maduro.

Esses fatos mais ou menos chegam ao conhecimento de todos os brasileiros que lhes deem um mínimo de atenção. Mas o sacerdote que difundiu esse vídeo-denúncia ressalta um fato irretorquível, satânico: a cumplicidade silenciosa de todos os poderes da Terra com a ditadura de Maduro, como ocorreu também em relação à ditadura de Fidel Castro em Cuba e à de Chavez também na Venezuela. O sanguinário Castro morreu celebrado pelas mídias como um herói. Foi visitado por três Papas, prestigiado pela maioria dos governos ocidentais, e jamais foi seriamente incomodado pelos Estados Unidos depois da crise dos mísseis, em 1962.

O sacerdote que comenta os fatos é muito cauteloso ao perguntar por que os episcopados (ao menos os latino-americanos…!) não se pronunciam, nem outras instâncias da Igreja.

Sejamos claros: o que fez a mais alta instância da Igreja? Esse silêncio clamoroso, injusto, aberrante é uma vergonha que ficará para todo o sempre na História como sinal da conivência dos mais altos representantes de Nosso Senhor Jesus Cristo em relação a um regime ateu, marxista, despótico, arrogante e assassino.

Apesar da tirânica repressão do governo Maduro contra as manifestações populares, multidões continuam saindo às ruas para protestar contra o governo
Apesar da tirânica repressão do governo Maduro contra

as manifestações populares, multidões continuam saindo às ruas para protestar contra o governo
A cumplicidade, entretanto, não é apenas dos governos nem da grande maioria dos bispos latino-americanos. É também de uma sociedade ocidental toda voltada para a busca desenfreada dos prazeres. O vício da televisão serve-lhe de anestésico para ver com olhos de otimismo e inalar como banquetes as mentiras e distorções da mídia conivente com as esquerdas de todos os matizes. Claro, em tudo isso sempre existem as honrosas exceções que desde já é preciso ressalvar…

Durante cerca de meio século, uma associação cívica constituída por leigos católicos percorreu o Brasil — “do Prata ao Amazonas, do mar às cordilheiras”, como proclamava o hino das Congregações Marianas. Trata-se da conhecida TFP — Tradição, Família e Propriedade. Por infiltrações dos poderes acima citados, essa sociedade foi silenciada no Brasil logo após o falecimento de seu ilustre fundador, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira.

Não é o momento de tratar desse tema triste e doloroso, mas é bem o caso de apontar as responsabilidades: quem golpeou a TFP silenciou o mais eficaz instrumento de denúncia do avanço comuno-progressista no Brasil e na América Latina. Os responsáveis haverão de prestar contas a Deus das consequências desses atos tanto na sociedade civil como na história da Igreja.

A podridão da classe política brasileira já está exposta como um cadáver. A operação Lava-jato é o palco onde desfilam os gigantes da corrupção. Dia virá em que a podridão do progressismo que tomou conta da Igreja também terá seu fim. E este será ainda muitíssimo mais exemplar e inglório.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

CONFERÊNCIA SOBRE O CENTENÁRIO DE FÁTIMA - Convite

CONVITE — Conferência sobre o Centenário de Fátima
Nossa Senhora de Fátima
Em Fátima Nossa Senhora prometeu o prêmio e o castigo:
“É o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. [...] Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas; por fim o meu Imaculado Coração triunfará”.

No próximo dia 13 de maio, completar-se-ão 100 anos da primeira aparição de Nossa Senhora aos 3 pastorzinhos de Fátima, Lúcia, Jacinta e Francisco. A primeira pergunta que salta aos olhos é saber em que medida as profecias se realizaram. Depois da última grande guerra, não houve um acordo de paz, mas apenas um armistício. As guerras continuaram e se espalharam como erisipela pelo mundo. A degradação da moral e dos costumes e, em consequência, a desagregação da família e das sadias instituições atingiu seu auge. O espectro de uma nova guerra mundial percorre o mundo inteiro e não há quem não tema sua eclosão a qualquer momento.
* * *

O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, convidou dois grandes estudiosos da mensagem de Fátima, Dr. Antonio Augusto Borelli Machado e o Pe. Renato da Silva Leite, para um painel de conferências no dia 11 de maio, às 19 horas no Club Homs – São Paulo, antevéspera do centenário de Fátima.
INSCREVA-SE GRATUITAMENTE NO SEGUINTE LINK:


Data: 11 de maio de 2017

Horário: 19h30m
Local: Clube Homs (Av. Paulista, 735)

______________

da Silva Leite FilhoDr. Antonio Augusto Borelli Machado, desde os 16 anos interessou-se por estudar o conteúdo e os desdobramentos das aparições de Nossa Senhora em Fátima. Tão logo foram publicadas as Memórias da Irmã Lúcia sobre as Aparições, em 1973, reviu e ampliou seus escritos anteriores sobre a matéria e publicou, em 1975, o opúsculo As aparições e a mensagem de Fátima conforme os manuscritos de Irmã Lúcia. Tal foi a repercussão de sua obra que em pouco tempo tornou-se em best-seller. Concomitantemente, o livro foi traduzido para 20 idiomas, em 30 países, ultrapassando 260 edições e cinco milhões de exemplares difundidos. O sucesso espetacular desta obra introduz Dr. Borelli no rol dos maiores fatimólogos do mundo. O autor fará abordagem do tema sob um ângulo muito interessante e inédito: o porquê a mensagem de Fátima não foi revelada em 1960, como fôra indicado por Nossa Senhora à Irmã Lúcia.


Pe. Renato da SilvLeite Filho, Pároco da Paróquia Rainha Santa Isabel de Portugal — Diocese de Santo Amaro. Em seus estudos sobre a Mensagem de Fátima, impressionou-se muito pelo fato de Nossa Senhora não apenas profetizar o futuro, mas indicar o que os homens deveriam fazer para impedir o castigo: oração, penitência e reparação. A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, a comunhão reparadora dos cinco primeiros sábados. Pedidos que não foram inteiramente atendidos pela humanidade.

da Silva Leite Filho

O que nos aguarda? Haverá ainda meios de impedir o castigo anunciado em 1917? É o que veremos na conferência.