sábado, 29 de abril de 2017

SANTA CATARINA DE SIENA

Santa Catarina de Siena
Escrito por Plinio Maria Solimeo na Agência Boa Imprensa
Doutora da Igreja, Padroeira da Itália, lutou pela paz na Cristandade e promoveu Cruzada contra os infiéis. Sua festividade é celebrada pela Igreja no dia 29 de abril.

No ano de 1347, Lapa Benincasa deu à luz duas gêmeas em seu vigésimo quarto parto. Uma delas não sobreviveu ao batismo. A outra, Catarina, tornar-se-ia a glória de sua família, de sua pátria, da Igreja e do gênero humano.

Giacomo di Benincasa, seu pai, era um tintureiro bem estabelecido, “homem simples, leal, temente a Deus e cuja alma não estava contaminada por vício algum”1; piedoso e trabalhador, criava sua enorme família (25 filhos de um só casamento) no amor e no temor de Deus. Catarina, a penúltima da família e caçula das filhas, teve a predileção de todos e cresceu num ambiente moral puro e religioso.

Obra de Pierre Subleyras (1699), Coleção privada, Roma.
Obra de Pierre Subleyras (1699), Coleção privada, Roma.
Como a Providência divina tinha desígnios especiais sobre ela, desde cedo Catarina foi cumulada de favores celestes, privando com anjos e santos. Aos sete anos fez voto de virgindade, aos 16 cortou sua longa cabeleira para evitar um casamento, e aos 18 recebeu o hábito das Irmãs da Penitência de São Domingos. Aos 20 anos vivia já só de pão e água. Foi agraciada com favores sobrenaturais como o “casamento místico” [quadro ao lado], recebeu estigmas semelhantes aos de Nosso Senhor, e teve uma “morte mística”, durante a qual foi levada em espírito ao Inferno, ao Purgatório e ao Paraíso; teve também uma “troca mística de coração” com Nosso Senhor.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

"DIREITOS DOS ANIMAIS"

“Direitos dos animais”?
Escrito por Plinio Maria Solimeo - ABIM, 26/4/2017.
Catolicismo
Dados do Censo de 2010 divulgados pelo IBGE confirmam que a taxa de fecundidade no País era naquele ano de 1,9 filhos por mulher. O que já estava abaixo da taxa de reposição da população, que é de 2,1, pois as duas crianças substituem os pais, e a fração de 0,1 é necessária para compensar os indivíduos que morrem antes de atingirem a idade reprodutiva.
Catolicismo

Já a projeção do mesmo Instituto para 2016 aponta que essa já baixa taxa de fecundidade caiu no Brasil para 1,69 filhos por mulher.

Os estudiosos apontam várias causas para isso, como o número de mulheres que trabalham fora, a insegurança, a crise na economia e, sobretudo, os métodos anticoncepcionais modernos mais ao alcance. Só não apontam a causa principal, que é a desastrosa queda da religiosidade da população. O esquecimento de que o principal fim da união matrimonial é, de acordo com a doutrina católica, a perpetuação da espécie, isto é, gerar e educar os filhos.

Catolicismo
Deixando isso de lado, devemos considerar que o ser humano para expandir sua afetividade, e não tendo filhos, quer preencher esse vazio no lar, substituindo-o por um animal doméstico. Daí sua proliferação vertiginosa nos lares modernos.

Mostra-o, por exemplo, esta manchete da “G1.Globo”: “Brasileiros têm 53 milhões de cães e 22 milhões de gatos, aponta IBGE: 44,3% dos lares têm pelo menos um cão, e 17,7% têm ao menos um gato”.

A mesma fonte noticia ainda: “O dado mostra que, no Brasil, existem mais cachorros de estimação do que crianças. De acordo com outra pesquisa do IBGE, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), em 2013 havia 44,9 milhões de crianças de até 14 anos”[i]. Quer dizer, o número de cães supera em quase nove milhões o de crianças!

Catolicismo
Não é de admirar que surjam em todo canto lojas de material para cães e gatos [foto ao lado], e que a profissão de veterinário tenha se tornado hoje uma das mais lucrativas.

Direitos dos animais?
Esses animais domésticos são, em geral, tratados com requintes desconhecidos de inúmeras crianças. Hoje em dia, em alguns países já se efetivou ou está para ser efetivada uma lei permitindo que os “pets” sejam enterrados junto a seus donos, ou em cemitérios próprios a eles, com túmulos, monumentos etc. como para seres humanos. E já dispõem de praias especiais, hotéis, e até salões de beleza!

Catolicismo
Tornou-se hoje “politicamente correto” falar desses “direitos” dos animais, havendo em quase todo mundo movimentos que defendem não só os “pets”, como também as baleias e praticamente todos os animais, até mesmo os mais repulsivos.

Em quase sua totalidade, esses movimentos são orientados por uma ideologia esquerdizante, que é a mesma dos que defendem o aborto e outras aberrações do mundo contemporâneo.

Nesse sentido, o jornalista J. Lozano, do site espanhol Religión en Libertad, publicou um sugestivo artigo intitulado “O animalismo, de origem marxista, outorga ‘direitos aos animais e os nega a certos humanos’”[ii], no qual comenta uma entrevista concedida pelo naturalista e conferencista espanhol Alexander Lachhein à La Contra TV sobre esta matéria.

Catolicismo
Segundo Lozano, Lachhein explicou em sua entrevista que “a mensagem de que os animais têm direitos, e que devem ser tratados a este respeito como se fossem seres humanos, vai calando na sociedade, fruto de um bombardeio ideológico. Uns por sentimentalismo, pois já não é infrequente que as mascotes estejam começando a substituir os filhos e sejam tratadas como tais, e outros por ideologia. Mas, o objetivo final é ‘socavar os fundamentos desta civilização’ através do marxismo cultural, que se esconde por detrás” (grifo do original).

Lozano explica que Alex Lachhein se dedica aos animais. “Mas seu amor pelos animais é tão firme quanto sua luta contra a politização desta causa [dos direitos dos animais], e por isso denuncia o que denomina de ‘politicamente correto’, que impede de dizer certas coisas”. Para Lachhein, todo este assunto vem com uma “profunda carga ideológica [...] para conseguir o ecologismo político e o animalismo”. Para ele, por exemplo, as feministas radicais, representantes deste marxismo cultural, são também parte do movimento “animalista”. [foto abaixo]

Catolicismo
Alex Lachhein explica que os ideólogos marxistas, ao virem que o comunismo econômico estava fracassando em muitos países, apostaram então em “derrubar os fundamentos” e ir, “a partir de baixo, impondo o marxismo cultural, que é sinônimo do politicamente correto”. E assim surge o ativista ecologista profissional, que organiza manifestações, e que, segundo Lachhein, “é um político que não tem nada a ver com o ecólogo”, que é um personagem que “aplica a ciência e está à margem de todo elemento político”.

Em sua entrevista, Lachhein explica que alguns defensores desse “animalismo” chegam a defender que “não parece muito sensato [...] permitir que aumente o número de crianças com deficiência”. Segundo essa doutrina, tais crianças “não teriam direitos”. Cita o caso de um vídeo que se tornou viral na Espanha, no qual uma simpatizante do partido animalista PACMA criticava o fato de que ninguém lhe deu os pêsames quando morreu seu “pet”, mas o deram à família de Victor Barrio, toureiro que morreu numa tourada. Pois esses radicais são também contra as touradas por terem pena dos touros…

Não têm direitos porque não têm obrigações
Lachhein afirma que “os animais não têm direitos, porque não podem ter obrigações”. Pois, para ele, “os direitos são algo da sociedade humana, e criado pelos humanos. Você não pode dizer a um leão que não pode comer uma zebra, nem que o diga aos leõezinhos”.

O naturalista comenta enfim a grande influência que os filmes de Walt Disney tiveram nesse âmbito. Segundo ele, “o mundo de Disney é a humanização total dos animais, e a natureza e as pessoas se formam crendo que é vida real. E quando crescem, pensam que os sentimentos da natureza são assim. E a realidade é que aqui [entre os animais] impera a lei do mais forte, o comer para não ser comido”. “As pessoas têm uma má formação do que é o meio ambiente, e continuam vivendo no universo de Disney”.
____________
[i] http://g1.globo.com/natureza/noticia/2015/06/brasileiros-tem-52-milhoes-de-caes-e-22-milhoes-de-gatos-aponta-ibge.html

segunda-feira, 24 de abril de 2017

FRANÇA: Marine Le Pen é a salvação. Macron globalista de extrema esquerda disfarçado de moederado

Escrito por Aluizio Amorim no Blog do Aluizio Amorim
A Frente Nacional da candidata presidencial Marine Le Pen teve o melhor resultado de sua história. Mas, ao que parece, os franceses querem mais do mesmo até que a França se transforme no primeiro Califado do Ocidente.
O assunto político deste início de semana é a eleição presidencial ocorrida neste domingo na França. O resultado não poderia ser outro. Com mais de uma dezena de candidatos presidenciais o vitorioso deste primeiro turno só poderia ser o candidato do establishment, o queridinho da grande mídia, da ONU, da União Europeia e de milhares de ONGs que pululam ao redor do planeta turbinadas pelo generoso aporte financeiro da Open Society Foundation, do mega investidor George Soros, da Ford Foundation e de outras menos votadas que zanzam como assombrações "empoderando" o movimento esquerdista internacional. A verdadeira "new left" é esta do século XXI, capaz de guindar ao pódio da política o desconhecido Emmanuel Macron, espécie de andróide gerado em laboratório.

Com mais de 90% de urnas apuradas Emmanuel Macron cravou 23,56% e Marine Le Pen da Frente Nacional, 21,94%. Os dois disputarão o segundo turno no dia 7 de maio próximo.

Todavia, já se antevê o que irá acontecer. Aquele montão de candidatos - na frança também existem os candidatos de partidos nanicos e independentes, coisa meio parecida com o Brasil e demais republiquetas bananeiras, correrão para o abraço com Macron. Os franceses continuam com aquela pose e aquela empáfia mas estão em decadência. Degolaram tantos na guilhotina que acabarão degolados pelos islâmicos que infestam a Nação francesa e dos quais Emmanuel Macron está enamorado.

O segundo turno, portanto, não deverá ter surpresas. Todos os demais candidatos correrão para abraço com Macron, ainda que seja o abraço de afogados.

domingo, 23 de abril de 2017

Empresários que financiaram o projeto de poder corrupto socialista ou petista forneceram corda para o próprio pescoço. Estão presos e os principais petistas estão soltos.

Fornecendo a corda para o enforcamento
Escrito por Péricles Capanema* e publicado na ABIM em 23/4/2017
Lenin
Atribui-se a Lênin a frase: “Os capitalistas nos venderão a corda com a qual os enforcaremos”. Não consta de seus discursos, artigos e livros. Parece que tem origem em anotações pessoais de conteúdo semelhante, como a citada pelo pintor comunista Annekov: “Os capitalistas trabalharão duro em seu próprio suicídio”. Ela teria sido escrita na década de 1920, quando de forma oportunista e inconsequente numerosas empresas capitalistas com lucros polpudos venderam serviços e know-how para fazer da Rússia uma potência industrial e, logo depois, militar.

É hoje fato sem interesse saber com certeza o que teria afirmado Lênin. Pelo contrário, tem enorme interesse a realidade psicológica e moral para a qual sua frase aponta, qual seja o suicídio de civilizações, de classes, de famílias, cujas manifestações se sucedem tantas vezes em ambiente folgazão, irrefletido e pretensioso.

Em 7 de dezembro de 1968, Paulo VI, falando ao Seminário Lombardo, advertiu: “A Igreja se acha numa hora inquieta de autocrítica, dir-se-ia melhor, de autodemolição. É como um revolvimento agudo e complexo que ninguém teria esperado do Concílio, A Igreja quase como se golpeia a si mesma”. Autodemolição é outra palavra para suicídio. O Pontífice denuncia eclesiásticos cuja ação provoca a destruição da Igreja. O fenômeno, universal e apocalíptico, não se detém nos muros eclesiais, mas desborda e devasta a sociedade temporal, a burguesia, o professorado, os empresários.

O suicídio (ou autodemolição) me veio, digamos, obsessivamente ao espírito ao ver grandes empreiteiros brasileiros relatando com espantosa normalidade o amazônico auxílio financeiro despejado no PT que tem, entre seus fins oficiais e proclamados, a destruição do capitalismo e a implantação de uma sociedade socialista. E como se prestavam a intervir (não vou fugir da palavra) criminosamente em assuntos de outros países, derramando dinheirama em campanhas de candidatos xodós de Fidel Castro. Por exemplo, torraram dinheiro nas campanhas de Chávez e Maduro. Também em El Salvador. E assim são coautores da miséria hoje generalizada na Venezuela. No fim, riqueza roubada de contribuintes brasileiros financiou o assalto ao poder de grupos ligados à tirania castrista e favorecedores de seus interesses na América Latina.

Forneceram oxigênio direto para ditadura cruel e implacável, asfixiada pela rejeição popular. Palavras de um deles, Emílio Odebrecht:
Lenin
“Chávez tinha uma relação muito intensa com Fidel, ao ponto de fazer preços camaradas na venda de barris de petróleo para Cuba. Ele me pediu que nós procurássemos viabilizar um programa de um porto lá em Cuba, porque era muito importante para os cubanos. Eu disse: ‘Olha, chefe, nós trabalhamos nos Estados Unidos, um assunto desse de dinheiro, com tudo que Cuba tem de restrição, não é fácil viabilizar o esquema financeiro. Um pedido do senhor é algo que vou encontrar uma forma de atender. Agora, eu precisaria que o governo brasileiro estivesse engajado nesse projeto, e também solicitasse [...]. Eu não gostaria de tomar essa iniciativa sozinho. O senhor, que tem uma boa relação com o presidente Lula, poderia ligar para ele e transmitir isso’. De fato, Chávez fez a ligação. Logo depois desse encontro, o Lula me convocou dizendo que tinha recebido um telefonema do Chávez transmitindo o encontro que teve comigo e que estava na linha de apoiar o programa de Cuba do Porto de Mariel”.

O porto ficou em mais de 1 bilhão de dólares, construção da Odebrecht, pago em grandíssima medida com capitais do BNDES. E a maior parte da pecúnia do BNDES vinha do Tesouro. De você, contribuinte.

Perguntas cuja resposta é o óbvio ululante: — Você acha que Cuba vai pagar o empréstimo? — Você acha que PT, CNBB, MST, MTST, Pastoral da Terra, PC do B estão se importando com o fato de que foi roubado dinheiro dos pobres daqui para financiar o comunismo? — Eles estão doídos porque os miseráveis brasileiros se viram privados de postos de saúde, escolas, transporte melhor, para ajudar ditaduras opressoras dos pobres de lá e ainda encher o bolso de políticos corruptos?

Tem mais e na mesma direção. O PT, quando esteve no poder, promoveu deslavadamente o estatismo, e não apenas na sua vertente intervencionista. Convém recordar, já que estamos tratamos de empresários supostamente defensores da livre iniciativa. Pesquisa do Instituto Teotônio Vilela, divulgada pelo diário “Valor”, mostrou que entre 2003, ano do primeiro governo Lula, e 2015, saída da presidente Dilma, o governo criou 41 estatais. Deram um prejuízo acumulado de 8 bilhões de reais. Pagaram salários de 5,5 bilhões de reais, boa parte dos quais para o bolso de apaniguados.

Apesar da realidade macabra, as confissões revelam fisionomias em nada contritas pelo que fizeram e pouco ou nada conscientes do dantesco mal que infligiram aos brasileiros. Com efeito, desfilaram nas redes sociais e nas TVs um montão de donos de empresas e altos executivos de fisionomia satisfeita, às vezes brincalhona.

Além de ter presente, como prego na alma, a frase atribuída a Lênin, acima referida, fato conexo me azucrinou: esse pessoal que aí está falando não é muito melhor nem muito pior que a média dos altos executivos e empresários brasileiros. Ademais, antes, por anos a fio, vimos chusmas de colegas deles, urbanos e rurais, servindo em postos de confiança nos governos Lula e Dilma. Ou trabalhando em cúmplice colaboração de modo a favorecer a permanência infinda do PT no poder.

Adiante. Os depoentes que frequentaram o noticiário há pouco, tiveram em geral educação familiar direita, cursaram boas universidades aqui ou lá fora, trabalharam em ambientes profissionais decentes. Têm história de vida semelhante ao grosso dos homens e mulheres que tocam a economia brasileira. Postas circunstâncias semelhantes, alguém duvida de que repetiriam, e não só eles, as façanhas pavorosas?

Inafastável jaz, no fundo da questão, um enorme problema moral e um oceânico problema de má formação. É o mais importante do caso. “Ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”, lembram? Não vejo ninguém com a atenção posta no formigueiro.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

OS 7 PECADOS CAPITAIS E AS 7 VIRTUDES OPOSTAS

Autor: Site Veritatis Splendor

Todo ser humano é, em essência, bom. Todos nó trazemos inscritas em nossa mente e na nossa consciência a moral e as leis de Deus. Mas nós podemos anestesiar esse instinto divino a partir do pecado ( Rom 7, 16-20 ), que está presente como um mácula em nossa alma desde Adão e Eva, como nos mostra a Bíblia ( Gen 3, 1-13 )

Quando pecamos, nós preferimos a nossa lei à lei de Deus, fazer o que bem entendemos, muitas vezes não levando em conta as conseqüências.

Pecado Capital ( de ?capita? = cabeça, o pecado que é a cabeça ) é o pecado que leva a outros pecados, outros vícios

Virtude ( de ?vir? = varão, homem, que significa firmeza ) é uma disposição habitual e firme para fazer o bem. Não apenas pratiquemos atos bons ( pois até o pior criminoso é capaz de ter atos bons ocasionalmente ), mas sim sejamos bom, verdadeiros cristãos.

A Igreja ensina: temos 7 pecados capitais e 7 virtudes opostas. 

Pecados Capitais       - Virtudes Opostas
Orgulho ou soberba   - Humildade

Avareza                      - Generosidade

Inveja                         - Caridade

Ira                               - Mansidão

Luxúria ou Impureza  - Castidade

Gula                            - Temperança

Preguiça                      - Diligência


1) Orgulho

O Princípio de todo pecado é o orgulho, a vaidade, pois é a tentativa de se igualar a Deus de ser auto-suficiente senhor de si, passando por cima da autoridade de Deus. O Orgulho caracteriza-se por acharmos que os dons de Deus vêm de nós mesmos. Leva aos pecados da presunção, da vanglória ( Gn 11 ? O episódio de Babel ). Nós passamos a procurar sempre reconhecimento, elogios, por nossos atos e acabamos nos gabando das coisas que fazemos. Com orgulho, a pessoa desanima no fracasso, pois acha-o impossível.
Humildade
É o reconhecimento de nossa pequenez. No final das contas. É e verdade sobre nó mesmos, sabendo que tudo é Dom de Deus. Devemos recorrer a Nossa Senhora, que foi exemplo de humildade, para pedir essa virtude.

2) Avareza
Desejo desordenado dos bens deste mundo. Os bens deste mundo foram feitos pra suprir nossas necessidades e a de nossos irmãos. A avareza é a síndrome de acumular, juntar, empilhar coisas. É o culto ao dinheiro. Leva a fraudes, roubos, mesquinharia e ambição ? passar por cima dos outros. Em vez de senhores das coisas passamos a ser escravos delas (Mt 6, 23-34 )
Generosidade
É o despojamento quanto aos bens materiais, compartilhando-os com aqueles que necessitam. Daí e vos será dado-disse Jesus. Deus ama o que dá com alegria. Deus é generoso com seus filhos, portanto, todo cristão deve ser generoso com seu próximo.

3) Inveja
É a tristeza diante do bem próximo. O invejoso está sempre de olho nos outros, no bem dos outros. O invejoso:
- Não valoriza seus bens
- Desenvolve o espírito critico, diminuindo o outro
- Calunia aquele que inveja
- Histórias de inveja na Bíblia: Caim e Abel, José e seus irmãos, Saul e David
Caridade
É o olhar bom para o próximo, o amor para o próximo. Amar nosso irmão sem julgá-lo. Ter paciência, perdoar sempre o irmão e a comunidade.
O desafio da caridade é se alegrar com o bem do irmão. Devemos amar nosso irmão com palavras e obras.

4) Ira
Estado emocional desordenado, é a raiva excessiva. A ira é um mal em si mesma, pois tira a paz do indivíduo. Leva à impaciência, furor, violência, ódio e assassinato. Devemos deixar bem claro que força é diferente de violência. Ser violento não significa que a pessoa seja forte. A paciência é a maior prova de força.
Mansidão
É a força revestida de veludo. É a calma, a tranqüilidade e o equilíbrio emocional. A mansidão é necessária para agradar a Deus, para a convivência e para manter a paz.

5) Luxúria ou Impureza
É a erotização exacerbada e o mal uso da sexualidade. Vivemos num mundo altamente erotizado. A moda, os espetáculos, os shows, os programas televisivos tem sempre apelo sexual.
?Não sabeis que vossos corpos são membros de Cristo?? Somos templo da Santíssima Trindade. A sexualidade deve ser governada pelo amor. O sexo, o amor e a transmissão da vida são três coisas que estão intimamente ligadas, mas forram separadas de forma lastimável pelo homem moderno.
Castidade
É o respeito de nosso corpo e ao corpo do próximo. É o 6º mandamento da Lei de Deus.

6) Gula
É um vício em que há busca de um prazer desordenado na comida e na bebida.
- Comer excessivamente
- Comer com os olhos
- Comer se preocupando com gostos requintados
- Vícios como o fumo, álcool, tranqüilizantes, etc.
Perde-se a força de vontade de se livrar dos vícios.
Temperança
Consiste em conservar o nosso corpo,a paz interior, a saúde. Por exemplo, ter uma alimentação balanceada, se livrar de substâncias que envenenem nosso organismo, etc.

7) Preguiça
É a negação do esforço, é o comodismo:
- Fazer tudo de qualquer jeito
- Não fazer as coisas com amor
- Cansaço constante
- Pelo fato de não podre fazer o excelente, não faz nada
- Falta de Tempo
Diligência
A palavra diligência vem de diliger = amar. É não se cansar de fazer as coisas, valorizando-as sempre. Caracteriza-se pela garra, força e amor.

sábado, 15 de abril de 2017

Odebrecht perguntou “onde estava a mídia esses anos todos”? Estava na selfie com a Dilma…

Odebrecht perguntou “onde estava a mídia esses anos todos”? Estava na selfie com a Dilma…
Escrito por Luciano Ayan no Ceticismo Político em 14 de abril de 2017
Odebrecht perguntou “onde estava a mídia esses anos todos”? Estava na selfie com a Dilma…
Na delação de Emilio Odebrecht, o empresário comentou que a corrupção vem de longa data. Algo como “há 30 anos”. Isso todos nós já sabíamos, mas também sabemos que a corrupção foi amplificada na era do PT.

Odebrecht comentou que os acertos entre autoridades e grandes empreiteiras não só eram um “negócio institucionalizado”, mas vistos como “uma coisa normal”. Aqui novamente devemos lembrar o óbvio: tudo isso só iria aumentar quando surgisse um partido bolivariano, que depende do saqueamento estatal para criar totalitarismo.

Eis que ele fala da imprensa: “o que me entristece é que a imprensa toda sabia”. Em seguida, questiona: “por que só agora?”. E conclui que “a imprensa sabia disso e agora fica com essa demagogia”.

Como se vê, ele questiona para saber onde estava a mídia esses anos todos. A resposta é simples: estava tirando selfie com a Dilma, recebendo polpudas verbas estatais de anúncios e, com isso, ignorando toda a corrupção.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Papa Francisco ataca o capitalismo, porta-se como um comunista, não fala em Cristo e ignora a guerra que os islamitas nos fazem. Não parece ser católico.

É uma guerra de religião
Escrito por Roberto de Mattei(*) em 12 de abril de 2017 na ABIM
Atentado perpetrado por islamitas em igreja, no Domingo de Ramos (9-4-17), na cidade egípcia de Tantra
Atentado terrorista perpetrado por islamitas em igreja, no Domingo de Ramos (9-4-17), na cidade egípcia de Tanta
Os massacres de Tanta [foto acima] e Alexandria são um brusco chamado à realidade para o Papa Francisco, na véspera de sua viagem ao Egito. Os atentados no Oriente Médio e na Europa não são desastres naturais, evitáveis com encontros ecumênicos, como o que o Pontífice terá em 28 de abril com o Grande Imã de Al-Azhar, mas são episódios que nos lembram a existência na Terra de divisões ideológicas e religiosas profundas que só podem ser remediadas pelo retorno à verdade. E a primeira verdade a recordar, se não se quiser mentir para si mesmo e para o mundo, é que os autores dos atentados do Cairo, como de Estocolmo e de Londres, não são desequilibrados ou psicopatas, mas portadores de uma visão religiosa que desde o século VII combate o Cristianismo. Não só a Europa, mas o Ocidente e o Oriente cristão, definiram ao longo dos séculos a sua própria identidade defendendo-se de ataques do Islã, que nunca renunciou à sua hegemonia universal.

Diversa é a análise do Papa Bergoglio, que na homilia do Domingo de Ramos reiterou sua proximidade com aqueles que “sofrem com um trabalho de escravos, sofrem com os dramas familiares, as doenças [...] Sofrem por causa das guerras e do terrorismo, por causa dos interesses que se movem por detrás das armas que não cessam de matar”. Erguendo os olhos por cima do papel, o Papa acrescentou que reza também pela conversão do coração “daqueles que fabricam e traficam as armas”. O Papa repetiu o que tem declarado muitas vezes: não é o Islã em si mesmo, e nem o seu desvio que ameaça a paz do mundo, mas os “interesses econômicos” dos traficantes de armas. Na entrevista com o jornalista Henrique Cymerman, publicada no diário catalão “La Vanguardia” em 12 de junho de 2014, O Papa Francisco disse: “Descartamos toda uma geração para manter um sistema econômico que não se sustenta mais, um sistema para sobreviver deve fazer a guerra, como sempre fizeram os grandes impérios. Mas, já que não se pode fazer a terceira guerra mundial, então se fazem guerras locais. O que isso significa? Que se fabricam e vendem armas e, assim, fazendo os balanços das economias idólatras, as grandes economias mundiais que sacrificam o homem aos pés do ídolo de dinheiro, obviamente se curam.”

O Papa não parece acreditar que se possa escolher entre viver e morrer para realizar um sonho político ou religioso. O que moveria a História seriam os interesses econômicos, que antes eram os da burguesia contra o proletariado, e hoje são os das multinacionais e dos países capitalistas contra “os pobres da terra”.

A essa visão dos acontecimentos, que provém diretamente do economicismo marxista, contrapõe-se atualmente a geopolítica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do presidente da Federação Russa, Vladimir Putin. Trump e Putin redescobriram os interesses nacionais dos seus respectivos países, e no tabuleiro do Oriente Médio travam uma dura partida no jogo diplomático e midiático, não excluindo transpô-la para o plano militar. O Islã agita por sua vez o espectro da guerra religiosa no mundo.

Quais são as palavras que, na véspera da Santa Páscoa, os fiéis esperam do Chefe da Igreja Católica? Esperamos ouvi-lo dizer que as verdadeiras causas das guerras não são nem de ordem econômica, nem de ordem política, mas acima de tudo de ordem religiosa e moral. Que as guerras têm suas origens mais profundas nos corações dos homens e sua raiz última no pecado. Que foi para redimir o mundo do pecado que Jesus Cristo sofreu a sua Paixão, que é agora também a Paixão de uma Igreja perseguida em todo o mundo.

Na oração pela paz que compôs em 8 de setembro de 1914, assim que eclodiu o primeiro conflito mundial, Bento XV exortou a implorar privada e publicamente “a Deus, árbitro e dominador de todas as coisas, para que, lembrando-se de sua misericórdia, afaste este flagelo da ira com o qual faz justiça pelos pecados dos povos. Imploremos que, nas nossas orações, nos assista e ajude a Virgem Mãe de Deus, cujo felicíssimo nascimento, que celebramos neste mesmo dia, refulja para o transviado gênero humano como aurora da paz, devendo Ela dar à luz Aquele no qual o eterno Pai queria reconciliar todas as coisas ‘ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus’ (Col. 1, 20)”.

É um sonho imaginar que um Papa venha a dirigir à humanidade palavras deste quilate, em uma situação internacional tempestuosa como a que vivemos hoje?
____________

(*) Fonte: “Il Tempo”, Roma, 10-4-2017. Matéria traduzida do original italiano por Hélio Dias Viana.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

LEI ANTI UBER É SOCIALISTA/FASCISTA. Ou: Nova lei aumentará 30% preço das corridas e desempregará milhares de motoristas. Temer vai vetar?

Lei fascista Anti-Uber aumentará 30% preço das corridas e vai desempregar milhares de motoristas. Temer vai vetar? Escrito por Luciano Ayan em 5 de abril de 2017 no Ceticismo Político.

Nesta quarta (4), diversos deputados atenderam ao pedido do PT e aprovaram uma emenda para inviabilizar o Uber. O proponente desta aberração é Carlos Zarattini, do PT. Nenhuma surpresa.

O truque escolhido por essa gente foi “liberar” o uso da plataforma, mas transferir para os municípios a responsabilidade de detalhar as regras que o serviço teria que seguir. Com isso, abriram propositalmente brechas para proibir o serviço, o que certamente vai acontecer. Foram 226 votos a favor, 182 contra, e 5 abstenções.

O deputado sádico Sílvio Costa (PTdoB-PE) disse que o Uber é “transporte pirata”, dizendo: “Esse Uber já está proibido na China, na Dinamarca. Ele usa pessoas desempregadas sem proteção social e faz precarização do trabalho”, disse. O fato de ele comparar com a China já deveria ser o suficiente para ficarmos contra essa crueldade.

Ademais, o que essa confissão de Silvio Costa significa? Que ele não quer que milhares de desempregados no Brasil tenham o direito de prestarem o serviço de carona. Com isso, teremos só em São Paulo cerca de 50.000 desempregados sem uma opção de trabalhos. Certamente há um grau de psicopatia em quem defende isso.

Outra coisa: o cidadão vai pagar cerca de 30% a mais nas corridas com a extinção desse tipo de serviço. É justo que uma elite política que tem transporte pago por nós cause propositalmente esse aumento no custo de viagens sobre o povo?

A lei fascista vai ao Senado, onde certamente será aprovada, pois ali existem mais sádicos ainda do que na Câmara dos Deputados. A questão é: será que Temer vai vetar esse lixo ou escolher pelo desemprego de milhares de motoristas do Uber? A escolha será dele.

sábado, 1 de abril de 2017

O SOCIALISMO FUNCIONOU NA VENEZUELA. Na verdade, alcançou seu maior nível de sucesso naquele país. O socialista tem o único objetivo de se transformar em ditador. Todo estado socialista é totalitário

Despaternizando a análise sobre Luciana Genro: como adultos de direita deveriam tratar o socialismo
Escrito por Luciano Ayan e publicado no Ceticismo Político em 31 de março de 2017

Após a atitude vergonhosa do PSOL – deletando conteúdo favorável à ditadura de Nicolas Maduro, após o golpe de estado de ontem na Venezuela -, Luciana Genro se tornou alvo de diversas críticas.

Uma delas está no meme abaixo:

O meme, infelizmente, é paternal, recusando-se a ver Luciana Genro como ela é, além de adicionar uma ilusória “crença dotada de boas intenções” na mente da adversária.

Se formos “despaternizar” esse meme, poderíamos tê-lo da seguinte forma:

Viram a diferença total?

Podemos até dizer que a frase mais repugnante do dia é: “O socialismo não funcionou na Venezuela”. Na verdade, o socialismo funcionou a contento, e por isso os venezuelanos estão apenas no início de sua trilha de horrores. Não seria revoltante ouvir gente dizendo que “a sedução fracassou” no evento em que um estuprador é preso após ser pego cometendo seu crime?

Em tempo, a tese da crítica ao direitismo paternalista aborda os seguintes pontos, especificamente em relação à visualização do inimigo:
Direitismo paternalista – Toda forma de pensamento de direita (liberal ou conservadora) que, em vez de ver o oponente como ele é, adota uma visão condescendente e caridosa sobre o inimigo. Esse mindset faz com que o paternalista não veja a política mais como uma questão de conflito de interesse, mas de conflito de entendimento.
Fé Cega na Crença – Padrão de pensamento de direita que, mesmo duvidando do socialismo (ou de outros perfis de esquerdismo), acredita nas alegações de crença dos socialistas. O paternalismo de direita tem origem na fé cega na crença.
Crença no Discurso – Sustentáculo principal da fé cega na crença, crença no discurso tende a focar nas alegações feitas por uma parte oponente, em vez de observar o comportamento. Lenin já dizia que a crença no discurso, por si só, inviabiliza a ação política real.
Segundo padrão do fraudador – Um fraudador possui dois modos de operação: (1) aquele no qual ele pratica a fraude e se dá bem, (2) aquele no qual ele é descoberto fraudando, mas convence os outros de ter “cometido um erro” e não uma fraude intencional. Ele adoraria viver apenas operando pelo padrão (1), mas sempre tem o padrão (2) em sua manga, quando ele é descoberto. A crença no discurso dá ao fraudador o benefício da execução do padrão (2). Assim sendo, o direitismo paternalista não é um esquerdista por completo, mas às vezes chega a ser um esquerdista de segunda mão.

Vale notar alguns travamentos para o paternalismo:
Devemos priorizar a prisão de um estuprador que tenha fracassado ou tido sucesso na intenção de estuprar sua vítima?
Devemos priorizar a prisão de um assaltante que tenha fracassado ou tido sucesso na intenção de assaltar sua vítima?
Devemos priorizar o combate aos socialistas que tenham fracassado ou tido sucesso na intenção de implementar o socialismo?

A resposta atenciosa a essas três questões nos mostrará que não faz sentido dizer que “o socialismo fracassou” na Venezuela. Ao contrário: ontem o socialismo alcançou seu maior nível de sucesso naquele país. Por isso, estamos denunciando mais fortemente essa barbárie.

Em suma, precisamos abandonar o mito de que “o socialismo não funcionou” na Venezuela. Infelizmente, funcionou em sua plenitude.