segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Quem é a Nova Direita? O que ela pensa? E por que os "intelectuais" a temem tanto?

Escrito por Adolfo Sachsida II
Quem é a Nova Direita? O que ela pensa? E por que os "intelectuais" a temem tanto?
Cansado de ouvir tantas besteiras na grande imprensa, decidi escrever esse post.

1) Quem é a nova direita?
Resposta) A nova direita é a mesma de sempre: reúne liberais, conservadores e anticomunistas em geral. A nova direita reúne pessoas comuns que só querem ser deixadas em paz, que querem um Estado eficiente e que respeite nossas famílias, nossas liberdades, e nossas instituições. Nós sempre estivemos por aqui, mas a grande mídia, os intelectuais, o "beautiful people", e movimentos organizados (tais como sindicatos, e movimentos estudantis) há muito tempo fazem questão de nos ignorar. Esse pessoal dividiu o mundo entre PT (partido de esquerda) e PSDB (partido de centro esquerda), e passou a chamar qualquer um mais a direita do PSDB de extrema direita, ultra radical conservador, ou neoliberal.
O avanço da internet e de mídias alternativas deu vazão, deu representatividade ao que agora se chama de Nova Direita. Daí a impressão de que nosso crescimento é grande, na realidade os conservadores e liberais no Brasil sempre foram maioria. Eram apenas deixados de lado, mas isso está mudando e incomoda muita gente. Incomoda principalmente os "intelectuais", os partidos de esquerda, e jornalistas que estavam acostumados com o monopólio da bondade da esquerda no debate nacional.

2) O Que a Nova Direita pensa?
Resposta) Valorização do indivíduo e da família como unidade básica da sociedade, isto é, a direita quer menos poder para o Estado e mais poder para o indivíduo. A direita não gosta de coletivos (tais como sindicatos) tomando decisões que deveriam ser tomadas pelo indivíduo. A direita protege a vida desde sua concepção, pois entende que o direito a vida precede qualquer outro direito. A direita defende também o direito do indivíduo defender sua família e sua propriedade. Logo, a direita é a favor da propriedade privada e dos meios privados necessários para defende-la (tal como o porte de armas). A direita é também a favor da responsabilização individual, o que quer dizer que a culpa em última instância pelo ato criminoso é do indivíduo. A direita defende também o direito dos pais educarem seus filhos de acordo com sua crenças e convicções. A direita costuma gostar da tradição, pois entende que as tradições são respostas a problemas já esquecidos pela sociedade, e o abandono de determinadas tradições pode resultar na volta de antigos problemas. Por fim, a direita é sempre favorável a mudanças lentas na sociedade. Isto ocorre por causa de nossa desconfiança na capacidade do Estado. Logo, para evitar grandes rupturas da ordem, o melhor é que a mudança seja sempre gradual. Assim, sempre será possível corrigir eventuais erros antes que os mesmos se transformem em catástrofes.
Em resumo, a direita defende a liberdade individual, a propriedade privada, e a vida humana. Exatamente por que os "intelectuais" temem tanto a direita?

3) Por que os "intelectuais" temem tanto a Direita?
Resposta) Já notou a quantidade de analistas na grande mídia que diz temer o crescimento da direita? Ora, a direita defende a liberdade individual, a propriedade privada, e o direito a vida. Exatamente por que isso é perigoso? É perigoso apenas para os esquerdistas que se acostumaram a ter o monopólio das virtudes. A esquerda domina tanto a academia como os veículos de comunicação em massa, o crescimento da direita representa para eles uma ameaça direta ao seu monopólio na divulgação das ideias, e ver seu monopólio em xeque os assusta.
Note que a esquerda taxa seus inimigos de "canalhas", "xenófobos", "homofóbicos", entre outras ofensas. Em momento algum ela discute ideias, a esquerda perdeu o hábito de debater. Quando você ouvir algum "intelectual" dizendo estar com medo da ascensão da nova direita pergunte a ele o porque dele ter medo das ideias de liberdade, propriedade, e vida. Você verá que ele irá lhe ofender, mas nunca irá lhe responder.

Eu sou um conservador, não sou um radical e nem um canalha. Defendo ideias nobres, ideias que são o coração de nossa sociedade. Basta de ofensas! Eu exijo respeito ao meu pensamento!

Nenhum comentário: