quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O STF bolivariano proibiu as vaquejadas no Brasil. Mais uma agressão à cultura nacional. Proíbe o que o povo gosta (vaquejada) e impõe o que o povo não gosta (parada gay).

FIM DE UMA TRADIÇÃO? Vaqueiros protestam em Brasília
Escrito por Paulo Roberto Campos na ABIM 27/10/2016
Milhares vaqueiros nordestinos e trabalhadores vinculados às tradicionais “vaquejadas” fizeram, no dia 25 último, grande manifestação em Brasília: a “Marcha dos Vaqueiros. [fotos]
Eles levaram seus cavalos e bois na manifestação e protestaram na Esplanada dos Ministérios contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de proibir as vaquejadas, nas quais vaqueiros em cavalgada tentam derrubar o bovino.

O STF alegou “maus tratos nos animais”, o que é negado pelos vaqueiros, que garantem que a prática nos últimos 10 anos foi regulamentada a fim de se assegurar a proteção dos animais, o que é fiscalizado por veterinários.

Zito Buarque (vaqueiro de Campina Grande, PB) disse que várias cidades do Nordeste vivem das vaquejadas, gerando trabalho para muitos na fabricação de ferraduras, arreios, criação de animais etc. Disse também que há muita desinformação sobre eventual sofrimento do animal: “Hoje o que existe é a vaquejada moderna. O boi hoje, quando corre, é com protetor de cauda. Não se pode mais usar espora e chicote. O animal cai na areia com 50 ou 60 centímetros para amortecer. No passado pode ter existido, mas hoje não há maus-tratos”.

Os vaqueiros defendem essa tradição do povo nordestino que, ademais, auxilia fortemente a economia dos estados e das famílias naquela região. Por isso, pedem ao STF a revogação da decisão, que poderá causar graves prejuízos financeiros, além de dano à cultura do Nordeste.
A Secretaria da Agricultura do Estado da Bahia afirmou em nota ser favorável às vaquejadas. “A equideocultura é a segunda atividade econômica da pecuária nacional, e a Bahia possui o 1º plantel de equídeos nacional (Equinos, Muares e Asininos), o que contribui significativamente para a economia regional do setor agropecuário, responsável pela geração de milhares de postos de trabalho”, afirma a nota.
Segundo estimativas da Associação Baiana de Vaquejada, “Atualmente são realizados mais de quatro mil eventos do tipo na Bahia, movimentando R$ 800 milhões por ano, e gerando cerca de 720 mil empregos, sendo 120 mil diretos e 600 mil indiretos”. O que é confirmado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha e pela Associação Brasileira de Vaquejadas.

A respeito dessa tradição nascida no agreste nordestino — quando vaqueiros montados, usando trajes típicos e com muita habilidade, juntavam o gado no sertão — segue interessante artigo de Carlos Sodré Lanna, publicado na Revista Catolicismo, Nº 551, Novembro/1996.
Vaquejadas e Rodeios

Carlos Sodré Lanna

Antigamente o gado e outros animais eram criados em campos e pastagens não divididos. O rodeio e a vaquejada anunciavam a separação e a entrega das reses aos seus respectivos donos. Daí o termo “apartação” ou “aparte”, reunião dos animais para contagem, tratamento de feridas e doenças, marcação, beneficiamento e transferência para outras partes. Com o aparecimento dos campos cercados esses métodos foram desaparecendo, e o que era trabalho foi virando festa e competição, como sucede nos rodeios e vaquejadas em nossos dias.

Os grandes rodeios começaram nos Estados Unidos no início do século XX. Hoje é competição popular no País. Na Final Nacional de Rodeios de Las Vegas, em 1991, o público pagante foi de 171.414 pessoas. 2,6 milhões de dólares em prêmios foram oferecidos aos vencedores (Guinness Book/96).

No Brasil, a competição em rodeios teve inicio em 1956 em Barretos (SP), na Festa do Peão Boiadeiro da cidade. No ano de 1991 foi atingido número recorde de 950 montarias, e em 1994 distribuíram-se 200 mil dólares em prêmios.
As vaquejadas

A vaquejada consiste em demonstrações de perícia dos vaqueiros, à semelhança do rodeio, mas com característica própria, que é a derrubada do bovino pela cauda. Festa muito tradicional no nordeste brasileiro, reúne grande número de curiosos, atraindo igualmente vaqueiros famosos e animais bravios e conhecidos. O boi ou novilho corre em velocidade e dois vaqueiros o perseguem. Um procura mantê-lo na direção desejada, e o outro segura sua cauda e dá um forte puxão, afastando o cavalo para o lado. Desequilibrado, o boi é derrubado, às vezes de patas para o ar. Banda de música e foguetes comemoram o feito; mas se o vaqueiro não consegue derrubar o animal, recebe uma sonora vaia. Esse costume de derrubar o touro pela cauda é de origem espanhola.

Além do costume tradicional no Nordeste, há sempre uma nota de religiosidade nos rodeios e vaquejadas em todo o Brasil. Nos rodeios, as orações dos cavaleiros antes das provas e o desfile de bandeiras dos padroeiros nas cerimônias de abertura são sempre as mais aplaudidas pelo público.

Os rodeios

De norte a sul do Brasil existem as exposições ou feiras agropecuárias, nas quais são promovidos grandes e famosos rodeios, além de leilões de animais, desfiles e outras atrações. Mas nem todos os rodeios são realizados nas feiras de gado, muitos são promovidos em locais exclusivamente dedicados às competições.

O rodeio é uma demonstração pública de bravura e domínio do animal. Os cavalos, e muitas vezes touros bravios, tentam derrubar o cavaleiro, dando pinotes para frente e para trás e jogando-se bruscamente para todos os lados. O cavaleiro tem que permanecer no dorso do animal pelo menos durante 10 segundos. As principais competições de um rodeio são: cavalgar cavalos bravios com selas ou em pelo, cavalgar touros, laçar bezerros em plena corrida e derrubar bezerros pelos chifres. Os competidores têm que cumprir um rigoroso regulamento e concorrem a valiosos prêmios.

Existem provas de tempo e de habilidade. Nas de tempo, julga-se a rapidez do cavaleiro em realizar manobras como laçar um novilho ou um touro, derrubá-lo e amarrar suas patas, ou pular de seu cavalo para o lombo de um touro e derrubá-lo. Nas de habilidade, são realizadas provas como cavalgar cavalo ou touro bravios.

Alguns rodeios atraem cavaleiros famosos que vêm de longe, assim como seus cavalos e mesmo os touros. É a ocasião em que os repentistas, sempre presentes, improvisam a descrição da festa, num clima propício para os desafios entre eles. As vestimentas usadas são típicas das zonas rurais: botas altas, calças rancheiras, camisas coloridas e chapéus de aba larga.




A PEC do teto dos gastos públicos pode livrar o Brasil de uma ditadura bolivariana

EXCLUSIVO! A 'PEC DO TETO DE GASTOS PÚBLICOS'. OU: COMO OS BRASILEIROS ESCAPARAM DE UM REGIME COMUNISTA.
Escrito por Aluizio Amorim e publicado no Blog do Aluizio Amorim 25/10/2016
A famosa "PEC do teto de gastos" foi aprovada na Câmara dos Deputados e segue agora para o Senado. Trata-se de uma medida salvacionista já que a bandalha do PT raspou o fundo do tacho. 

A grande mídia jamais se refere ao fato de que o modus operandi dos desgovernos de Lula e seus sequazes atendeu com rigor o método comunista. Trata-se de levar a bancarrota um país para dominar seu povo por meio da miséria permanente, como ocorreu em Cuba. Lá, com o apoio da então camarilha de Moscou e com a vergonhosa leniência do festejado John Kennedy, do Partido Democrata agora pertencente aos Clinton, Cuba foi comunizada.

O mesmo aconteceu na ex-próspera Venezuela, graças a Hussein Obama, o supremo títere da vagabundagem globalista. A diferença é que desta feita nem precisaram dos paredóns. O títere da dupla de assassinos Fidel e Raúl, o famigerado e agora defunto Hugo Chávez, fez o serviço mergulhando o povo venezuelano na miséria. Sob o permanente espectro da fome qualquer povo sucumbe a qualquer tirania. 

O mesmo estava em andamento no Brasil sob a condução de Lula e seus sequazes. Entre o séquito se inclui o dito "núcleo duro" da economia que são os grandes empresários, banqueiros e suas mega corporações. Na Venezuela, denominam esses capachos dos comunistas de "boliburgueses", ou seja "burgueses bolivarianos". 

A tal PEC do teto de gastos governamentais que acaba de ser aprovada na Câmara dos Deputados é a prova cabal do que viria a ocorrer no Brasil não fosse a Operação Lava Jato e o Juiz Sergio Moro. Por um acaso o esquema comunista foi descoberto. Afinal, a Polícia Federal de Curitiba estava no encalço de bandidos comuns qualificados de doleiros. Lá pelas tantas estabeleceu-se um link com a Petrobras e descobriu-se o famigerado petrolão. Seguindo o dinheiro a Operação Lava Jato descobriu todo o esquema orquestrado pelo PT, enquanto o povo brasileiro decente foi para as ruas de onde não saiu mais até que Dilma fosse, como de fato foi, afastada da presidência pelo processo de impeachment.

É isso que aconteceu. Por um acaso o povo brasileiro foi salvo pelo gongo, como se diz. A rapinagem do erário foi descoberta em cima do lance já que faltava pouco para a bandalha comunista inventar uma história de crise internacional ou encenação análoga para decretar o racionamento dos alimentos, dos combustíveis, dos medicamentos e assim por diante. Face a reação popular que evidentemente ocorreria o governo de Lula e seus asseclas com a conivência dos "amigos" mega empresários decretaria o "estado de sítio" e a censura aos meios de comunicação e à internet! Quanto a esta última decisão nem precisaria mais esforço. Afinal, o então ministro sem pasta hoje com tornozeleira João Santana, já teria em mãos um esquema contando com o beneplácito dos alegres rapazes e raparigas da grande mídia, ou seja os vagabundos mentirosos que até hoje continuam inconformados com o naufrágio do lulopetismo, com o fim das suculentas mortadelas.

Esta é a verdadeira história que nenhum jornalista da grande mídia brasileira irá contar. Eles continuarão mentindo, escamoteando a realidade dos fatos, tergiversando de forma criminosa. Tanto é que a indefectível Folha de S. Paulo chega a publicar artigos assinados por Lula.

O governo do Presidente Michel Temer teria outra opção? Me digam aí. Me provem o contrário. Nunca na história deste país chegou-se tão fundo no fundo do poço. Se não fosse a Lava Jato e o povo nas ruas já estaríamos em fila indiana na porta dos supermercados com as prateleiras vazias, igualzinho à Venezuela e acossados pela Força Nacional desferindo o cassetete no nosso lombo.

Esta é a verdadeira história da Proposta de Emenda Constitucional - PEC, destinada a estancar para sempre a sangria dos cofres públicos. Deve-se todavia notar que a roubalheira de dinheiro público sempre aconteceu e acontecerá em todos os países. A diferença é que houve de fato, à sorrelfa, a roubalheira que enchia os bolsos de alguns mas que tinha em mira a criação de um verdadeiro estado de calamidade pública quando então os ditos mecanismos da lei e da ordem são brandidos não mais em favor do povo, mas para aprisioná-lo eternamente.

Mais claro do que isso só mesmo água cristalina. Escapamos por pouco, muito pouco. É por tudo isso que a PEC do teto de gastos do governo tem de ser aprovada nem que for a pau!

Aliás, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, demorou para mandar retirar das galerias da Casa aquela meia dúzia de teleguiados de Lula com as bocas todas sujas de mortadelas, as últimas que se encontravam nos cafofos do PT, PSOL, Rede da Marina da Selva, PDT do boçal defunto Brizola, e outras agremiações nano-esquerdistas menos votadas.

É muito importante que os eleitores brasileiros neste segundo turno das eleições municipais votem maciçamente contra qualquer candidato de viés esquerdista ou que conte com o apoio desses comunistas vagabundos.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Sem família e sem propriedade: drama chinês provocado pelos socialistas sempre de propósito para adquirir mais poder

Escrito por Rodrigo Dias da Ação Jovem do IPCO e publicado no Blog Pesadelo Chinês
Desesperada na miséria e sem a consolação do catolicismo, Yang Gailan matou filhos, com idades entre 3 e 6 anos

A chinesa Yang Gailan, de 28 anos, matou seus quatro filhos e depois se suicidou. Os jornais alegam que o fato dela ter cometido tal crueldade é por ter vivido na mais completa miséria [BBC]. 

A desesperada mãe matou os filhos com golpes de facão e, em seguida, ingeriu pesticida, segundo a BBC. Alguns dias depois, quando o pai chegou e soube da tragédia, também tirou a própria vida.

A camponesa morava na aldeia rural de Agu Sha, e o seu marido teria ido para a cidade em busca de algum trabalho e assim poder ajudar a família que estava vivendo na miséria. Ele mandava parte do pouco dinheiro que conseguia.

A crueldade cometida abriu um debate nas redes sociais a respeito da miséria na China comunista. Nesse país cerca de 80 milhões de seres humanos padecem a mais absoluta pobreza. 

A maioria dessas pessoas vivem na área rural e a planificação agrária estatista lhes rende pouco dinheiro. Então, muitos dos jovens e adultos têm que migrar para as áreas urbanas em busca de trabalho e uma condição melhor de vida.

A China, que se orgulha de ser a segunda maior economia do mundo, tem mais de 15% da sua população na extrema pobreza [G1]. 
Expropriados e famintos, ex-agricultores devem migrar para as cidades e aceitar empregos mal pagos. Foto: em Hefei
O segundo maior PIB do mundo é devido ao modelo “um país, dois sistemas” [El País] em que Hong Kong e Macau podem fazer livre comércio com outros países. 

Enquanto essas regiões, que foram colônias da Coroa Britânica e de Portugal, continuam tendo um crescimento na economia, a miséria predomina na China continental sob o total dirigismo de um regime socialista. 

O controle do Partido Comunista vai além de questões econômicas. Com a “Revolução Cultural” [“Livro Negro do Comunismo revela o maior crime da História”, Catolicismo, fevereiro de 2000] Mao Tsé-tung, fundador do comunismo chinês, tentou laicizar o país, perseguindo a professores, intelectuais e à Igreja Católica, em nome da igualdade das classes sociais. 

A Revolução Cultural tratou de pulverizar os vestígios do passado, de tudo quanto falasse da alma, do espiritual ou que evocasse a beleza.

Assim foi esmagada a China dos mandarins, das porcelanas, dos marfins entalhados, das pinturas em lenços de seda, da poesia e da música, das especiarias e das maravilhas de arte sutil e quintessenciada. 

Tinha um papel no Oriente comparado com o da França no Ocidente, malgrado as influências deformantes do paganismo.[“Clinton, nas pegadas de Nixon, capitula diante do comunismo jet-set chinês”, Catolicismo, dezembro de 2015] 

O comunismo acabou com essas maravilhas da China, tornando-a muito pior que o paganismo corroído pela superstição e por tendências para o satanismo.

A Revolução comunista não se contenta em conquistar uma nação, ou o mundo, ela deseja conquistar o homem, em todas as suas potencialidades. 

Os comunistas chegaram até a colocar o controle de natalidade como lei, impondo que cada casal só poderia ter um filho, agora dois com algumas restrições. 
Agricultores foram jogados na miséria e têm que esconder seus filhos de medo do governo.
Mas, Yang Gailan conseguiu ter 4 filhos burlando o controle do governo comunista mais ficando em tremenda ameaça permanente. 

Sem a Fé não resistiu. E infelizmente acabou matando seus filhos e depois se suicidando. 

Muitas outras famílias que moram na área rural conseguiram ter mais de dois filhos, mas devido à reforma agrária e ao controle que o governo tem de todas as terras, eles não conseguem sair da miséria só com a agricultura.

Durante 4.000 anos a agricultura foi um dos alicerces da civilização chinesa, uma das mais requintadas e ricas da História.

A apropriação socialista das terras empurrou os que viviam da agricultura tiveram para as áreas urbanas. O comunismo expropriou todas as terras particulares e instalou à produção agrícola estatal em escala cada vez maior, [UOL] e com isso o lucro, alias muito deficiente, ficaria todo para o governo.

Se a China não fosse comunista e tivesse um governo que permitisse a privatização das terras, poderia abrir espaço para uma nova classe de fazendeiros que gerariam empregos e alimentariam milhões de famintos no país-continente.

No Brasil, graças predominantemente à ação do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira e seus seguidores a reforma agrária socialista e confiscatória não avançou e com isso o agronegócio privado garante emprego e renda para os brasileiros e alimenta no total um bilhão de seres humanos.[Agência Brasil]

Simultaneamente, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira se encontra engajado na defesa ativa contra a Revolução Cultural que intenta dissolver a família atacando-a em vários frentes: a malfadada "ideologia de gênero", o aborto, o "casamento homossexual" e a eutanásia, entre outros aspectos.

Muitos aspectos que visam um objetivo: desfazer a família, despojá-la do teto sob o qual se reúne e fabricar o indivíduo isolado, grão de areia sobre o qual se aplica a máquina desapiedada do socialismo. 

Postado por Luis Dufaur às 05:30

Tags: Brasil, controle natalidade, miséria, reforma agrária, suicídio

domingo, 16 de outubro de 2016

Sobre a fé cega na crença: seria um anestésico para obter sensação de conforto diante do mal?

Sobre a fé cega na crença: seria um anestésico para obter sensação de conforto diante do mal?
Escrito por Luciano Henrique Ayan* do site Ceticismo Político em 16 de outubro de 2016
Eu não tinha nem 10 anos de idade quando, após assistir um programa na TV noticiando um crime bárbaro, praguejei e desejei a punição dos malfeitores. Reação mais do que normal. No crime, uma mulher havia sido estuprada e mutilada. Foi quando ouvi uma palavra de conforto “adulta”: “Ei, não pense isso dos sujeitos que fizeram esse crime. No fundo, eles também sofrem. Com certeza, eles não tinham oportunidades. No fundo eles são pessoas boas que foram obrigadas pela sua situação a fazerem isso. Eles no fundo tinham boas intenções”.

sábado, 15 de outubro de 2016

A imigração atual destruirá a cultura europeia-cristã e permitirá o domínio da barbárie muçulmana. Ou:

Da invasão migratória à guerra civil
Escrito por Roberto de Mattei(*), 15 de outubro de 2016, e publicado na ABIM
Uma rua de Paris tomada por maometanos
Uma rua de Paris tomada por maometanos
Até os mais relutantes começam agora a abrir os olhos. Existe um plano organizado para desestabilizar a Europa por meio da invasão migratória. Este projeto vem de longe. No fim dos anos noventa, no livro 1900 a 2000. Dois sonhos se sucedem: a construção, a destruição (Fiducia, Roma 1990), descrevi-o através das palavras de alguns de seus “apóstolos”, como o escritor Umberto Eco e o cardeal Carlo Maria Martini.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

UMA PALAVRA AO REVOLUCIONÁRIO: sei que não te posso demover da causa revolucionária falando dos massacres, dos campos de concentração ou do terror que os teus camaradas espalharam

Escrito por Mário Chainho* e publicado no Mídia Sem Máscara
dorébabel
Caro revolucionário,

Começo por pedir-te desculpas pela minha covardia, uma vez que falo de indivíduo para indivíduo e não me dirijo a um coletivo. Sei que me devia endossar não a ti mas aos revolucionários como um todo, e também devia adotar uma posição defensiva e receando a vossa força grupal avassaladora. Lamento não ser humilde o suficiente para me colocar, inerme, debaixo das vossas botas em marcha. Talvez um dia aprenda a ser pisado com resignação ou, melhor ainda, me junte a vós e aprenda a pisar os opressores. Até lá, apenas sei falar assim, de igual para igual.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Sacerdotes católicos obrigados a aderir a uma religião oficial que nega a direção do Vaticano

Escrito por Luis Dufaur* no Blog Pesadelo Chinês
Bispos húngaros assinam Constituição comunista em 1969. 
É esse o futuro dos bispos da China preparado pela Ospotlitik vaticana?

Em 2016 se multiplicaram os angustiados apelos de sacerdotes da Igreja Católica apelidados de “subterrâneos” ou “clandestinos” porque não se dobraram ante o ídolo do socialismo e não têm nenhum reconhecimento oficial. 

Seis modelos mentais de direita que precisamos superar

Após a derrota do PT, um novo desafio: seis modelos mentais de direita que precisamos superar
Escrito por Luciano Henrique Ayan* no Ceticismo Político em 9 de outubro de 2016
O PT tomou uma sova nas urnas. Isso não significa a derrota definitiva da extrema-esquerda. Ao contrário, a ameaça segue nos rondando, e precisamos de muita luta política pela frente. E isso também não significa um crescimento efetivo da direita, a despeito da capa da Revista Veja falando do “crescimento da direita” – aliás, uma matéria desonesta, e comentarei sobre isso em outro post.

No Brasil, talvez mais do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa, se apresentam para nós alguns flagelos acometendo a direita – não toda, por sorte -, que nos prejudicam na obtenção de melhores resultados.

Aqui vou elencar seis “modelos mentais”, que podem ser usados isoladamente ou em conjunto, que tem servido para danificar resultados da direita.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Portugal taxa até os elementos para achatar igualitária e ecologicamente os “ricos”

Escrito por Luis Dufaur* no Blog Verde: a cor nova do comunismo, 9 de outubro de 2016

Tem um belo panorama em Lisboa? 
Pague mais seu capitalista explorador do meio ambiente!!!!


Em nome da “justiça social”, prefeituras portuguesas conceberam um imposto genuinamente “verde” e draconianamente contrário à propriedade privada.

Trata-se de penalizar os “odiosos ricos” – segundo a expressão de Reinformation.tv que informou o fato. 

O “crime” é que algumas casas tenham maior exposição ao sol ou uma visão panorâmica melhor. A punição está contida no decreto-lei 41 de 2016 e poderá aumentar as taxas municipais cerca de 20 %. 

Proprietários e locatários que vivem em casas ou apartamentos voltados para um cemitério ou pouco iluminados terão um desconto de 10 %.

domingo, 9 de outubro de 2016

Consequência da miséria moral e econômica da China Socialista

Situação de miséria na China faz mãe matar 4 filhos e suicidar-se
Escrito por Rodrigo Dias* e publicado na ABIM em 8/10/2016.
A chinesa Yang Gailan [foto], de 28 anos, matou seus quatro filhos e depois se suicidou. Os jornais alegam que o fato dela ter cometido tal crueldade é por ter vivido na mais completa miséria[1]. A camponesa morava na aldeia rural de Agu Sha, e o seu marido teria ido para a cidade em busca de algum trabalho e assim poder ajudar a família que estava vivendo na miséria. Ele mandava parte do pouco dinheiro que conseguia.

A crueldade cometida por essa mulher fez abrir um debate nas redes sociais a respeito da miséria na China comunista em que cerca de 80 milhões de pessoas vivem na mais absoluta pobreza. A maioria dessas pessoas vivem na área rural e o agronegócio estatal lhes rende pouco dinheiro, o que acaba fazendo com que muitos dos jovens e adultos tenham que migrar para as áreas urbanas em busca de trabalho e uma condição melhor de vida.

sábado, 8 de outubro de 2016

TETO DE GASTOS – Janot, PT e PCdoB se unem contra PEC e dão à luz bebê diabo

TETO DE GASTOS – Janot, PT e PCdoB se unem contra PEC e dão à luz bebê diabo
Os esquerdistas estão apenas sabotando o governo, que é o que fazem sempre; e a PGR está sendo corporativista.
Escrito por Reinaldo Azevedo*  07/10/2016 às 22:29 no Blog do Reinaldo na Veja
Que coisa feia, Rodrigo Janot!
Que gato escondido com o rabo de fora!
Que corporativista!
Que antirrepublicano!
Que vergonha, Vovó Mafalda!

A Secretaria de Relações Institucionais da PGR, encarregada de cuidar dos interesses do ente junto aos Poderes, enviou à Câmara uma nota técnica afirmando que a PEC que estabelece o teto de gastos é inconstitucional. É mesmo? Então, como já disse, vamos declarar a ilegalidade da Lei de Responsabilidade Fiscal, que tal?

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Corrupção petista é mais que uma máscara de lobisomem

E você não viu nada ainda: a corrupção petista já é uma máscara de lobisomem
Escrito por Luciano Ayan no Ceticismo Político em 4 de outubro de 2016

A derrota do PT nas eleições não é apenas a derrota de um projeto corrupto. Quem visualiza as coisas dessa forma foi enganado por uma “máscara de lobisomem”.

O termo denota uma aparência maligna exposta para esconder algo ainda muito mais macabro. É como aquele que utiliza uma máscara de lobisomem para esconder um bicho muito mais monstruoso que está por trás do disfarce. Procedimentos assim são úteis quando acreditar na bondade ou na honestidade de alguém já é impossível.