sábado, 4 de junho de 2016

OBAMA ESTÁ FALSEANDO A VERDADE SOBRE HIROSHIMA

Escrito por Daniel Greenfield* e publicado no Mídia Sem Máscara em 4/6/2016
hb
Obama ignora a existência da guerra justa.
O discurso repleto de desculpas de Barack Obama em Hiroshima denunciou a guerra de forma abstrata. As ações dos EUA na 2ª Guerra foram equiparadas com as do Japão. A mensagem foi que toda a guerra é ruim.

"A ciência permite nos comunicar através dos mares e voar acima das nuvens, curar doenças e entender o cosmos, mas essas mesmas descobertas podem ser transformadas em máquinas de matar cada vez mais eficientes.
"As guerras da era moderna nos ensinam essa verdade. Hiroshima ensina essa verdade."
"O progresso tecnológico sem um progresso equivalente em instituições humanas podem nos condenar. A revolução científica que levou à divisão de um átomo requer uma revolução moral."


Na verdade, a 2ª Guerra foi uma revolução moral. Fizemos uso de toda ciência e tecnologia para deter o genocídio e prevenir a morte de milhões mais e o triunfo do mal. Obama lança algo sobre prevenção de guerras por meio da diplomacia multilateral, mas essa abordagem foi tentada antes da 2ª Guerra e não apenas fracassou, mas trouxe a guerra.

As tentativas dos EUA de pressionar o Japão a pôr termo às suas atrocidades brutais na Ásia ajudou a levar a Pearl Harbor.

Obama ignora a existência da guerra justa. Em vez disso oferece uma leitura pacifista oca da história na qual "não é o fato da guerra que diferencia Hiroshima. Os artefatos nos dizem que os conflitos violentos apareceram com o primeiro homem. Nossos ancestrais, tendo aprendido a fazer lâminas de sílex e lanças de madeira, utilizavam essas ferramentas não apenas para a caça, mas contra sua própria espécie".

Os homens da caverna matavam uns aos outros. O marines dos EUA mataram soldados japoneses. É tudo a mesma coisa.

Essa leitura é perversamente errada.

O que é isso?

Os EUA não queriam essa guerra. Não a declararam. O Japão atacou os EUA. A Alemanha nazista declarou guerra aos EUA. Se uma guerra nessas condições não pode ser justificada, nenhuma guerra pode ser justificada.

Obama dá um grande peso moral às queixas do Japão sobre Hiroshima.

Mas ele esquece que...

1. O Japão ajudou a inovar o bombardeio de terror das populações civis na China;

2. O Japão fez de Hiroshima um alvo;

3. O bombardeio de Hiroshima evitou uma invasão assustadoramente cara que teria custado muito mais vidas americanas e japonesas. Foi uma ação altamente moral.

A fetichização japonesa da bomba anda de mãos dadas com uma recusa absoluta de admitir seus próprios crimes. Obama tem jogado nessa narrativa, em vez de contestá-la. Nem os japoneses em Hiroshima, nem os alemães em Dresden foram vítimas inocentes. O apoio entre a população civil foi generalizado. A dissidência era leve e enquanto a Alemanha renegou os nazistas, o Japão continua fingindo que Hiroshima apenas aconteceu de repente, sem motivo algum. E Obama parece muito feliz em alimentar isso com alegações de que todas as nações na 2ª Guerra Mundial foram herdeiras de algum mal humano básico.

A verdade é que os Estados Unidos, ali, derrotaram o mal. Só para o verem ressurgir agora.

*Publicado no The FrontPage Magazine.

Tradução: William Uchoa

Nenhum comentário: