terça-feira, 22 de março de 2016

STF PODE ESTAR ARMANDO GOLPE PARA EMPOSSAR LULA - FIQUE ATENTO: Se o Juiz Moro não prender Lula agora não o prenderá jamais

Como vimos ondem, o PT queria dar um golpe junto ao STF para tentar reverter uma decisão do ministro Gilmar Mendes, que suspendeu a posse de Lula como ministro da casa civil (ou casa covil, como já ouvi por aí).

Na madrugada desta terça, 22/3, o ministro Luiz Fux teria comprometido os planos do PT ao determinar o arquivamento de uma ação da AGU que pedia para o STF reverter a decisão de Gilmar. Como já falamos anteriormente, Fux nem entrou no mérito do caso. Basicamente rejeitou a ação por uma questão processual.

Mas eis que um leitor surgiu com uma tese muito, mas muito coerente.

A verdade é que a oposição – incluindo grande parte da direita – tem a mania de “desligar” seus cérebros quando recebem um agrado.

Isto já aconteceu várias vezes, mas raramente de forma tão clara quanto em 17/12, quando o STF deu um golpe e, por 8×3, meteu a mão boba no rito do impeachment, escolhendo a alternativa mais fraudulenta possível e muito favorável para o PT. (E olhe que o PT tende a sofrer impeachment mesmo com esse golpe do STF)

Todavia, lembrem-se do que aconteceu em 16/12, isto é, um dia antes do golpe: Luis Fachin, relator da ação golpista do PCdoB, votou contra o golpe bolivariano. Enfim, ele havia validado o legítimo rito de impeachment adotado pela Câmara dos Deputados.

Imediatamente, todos os formadores de opinião da oposição – bem como os políticos – começaram a comemorar, antevendo que o golpe seria sepultado no dia seguinte. Iludidos, estavam apenas caminhando para o abate. Muito provavelmente o voto contra o golpe – emitido por Fachin – foi apenas uma forma de relaxar a mente da oposição, que abandonou toda forma de pressão contra o resto do STF, que concluiria a votação no dia seguinte.

O truque também serve para que o STF venda ao público a imagem de “isentão”, exatamente por que um dos seus teria votado contra o golpe petista logo de cara. Mas na verdade só serve para dar validação a um posterior voto golpista do restante da turma.

Se isto for aplicado a este momento, pode muito bem ser verdade que o PT esteja armando sua artilharia para obter uma vitória assim que passar a Páscoa e a votação for para o plenário. Neste caso, a decisão de Fux serviria como um Prozac para vender ao público a imagem de um STF “que não está comprometido com o PT”, o que, no fim das contas, só serve aos fins da execução de mais golpes em favor do PT.

Observe que esta é uma teoria, mas extremamente sólida em razão do mapeamento de como os ministros do STF tem se comportado, em geral.

E o que fazer quanto a isso? Só há uma coisa: aprendermos com os erros do passado e jamais considerarmos a decisão de Luis Fux como “favas contadas”. Só a mais corrosiva e abrasiva pressão sobre o restante do STF é capaz de nos dar chances bem razoáveis. Se relaxarmos a pressão e permitirmos que o voto de Fux “desligue” nosso cérebro, podemos estar construindo a nossa ruína.

Nenhum comentário: