segunda-feira, 12 de outubro de 2015

BRASIL: Um país com futuro ditado por ditaduras socialistas, sempre pobres, injustas e carregadas de desigualdades pelos seguintes motivos:

O Coronel do Blog escreveu um artigo diagnosticando um futuro péssimo para o povo brasileiro, mas que será a realidade futura, caso não retiremos do poder os políticos estatistas, socialistas, ateus, assistencialistas e outros que acreditam na solução dos nossos problemas por intermédio do estado ou de intervenções na economia de mercado. Ou seja, se quisermos evitar esse futuro sombrio descrito pelo Coronel do Blog, devemos eleger políticos conservadores. (O Partido Conservador - PACO - está colhendo assinaturas de apoio ao registro). Leia o artigo do Coronel:
Pode trocar tudo. O Brasil é o país sem futuro. Poucas nações, no mundo, tem um futuro mais assustador. Estamos vivendo uma crise sem precedentes na economia: PIB desabando, juros extorsivos, inflação rumando para os dois dígitos, assim como o desemprego, real desvalorizado e todos, sem exceção, todos os indicadores retornando aos anos 80. São 14 milhões de família vivendo de Bolsa Família, outros tantos milhões de seguro-desemprego, 25,6% de jovens entre 15 e 24 anos que não estão estudando e nem procurando emprego. E o que estamos assistindo no campo político é ainda mais desesperador.

Uma presidente da República comete crimes fiscais e é condenada pelo Tribunal de Contas da União. Abre um rombo de R$ 120 bilhões nas contas públicas manipuladas criminosamente. Antes de ser condenada, coloca a máquina do governo a tentar desqualificar o relator e o próprio tribunal, mentindo, enganando, maquiando, concedendo entrevista coletiva através de seus ministros como último lance para pressionar àquela Corte. Não bastando, ingressa no Supremo Tribunal Federal contra o TCU, perdendo a ação porque a decisão foi monocrática e não do plenário. Ou teria vencido. E o povo, onde estava o povo? O cidadão. O eleitor.

No Tribunal Superior Eleitoral, esta mesma presidente, tendo contra si pilhas de provas de que fraudou a eleição usando fornecedores falsos, a maquina pública e dinheiro das propinas do Petrolão, passa a ser alvo de ação que julgará novamente as suas contas, com o poder de cassar o seu mandato. O que faz esta presidente? Novamente coloca seus asseclas a buscar as altas cortes para tentar provar que roubar, burlar, falsificar, nada disso é crime eleitoral. Isso não antes sem mandar que uma das ministras do TSE, que foi sua advogada de campanha, peça vistas ao processo e suma de uma das sessões para impedir o julgamento. Truques. Chicanas. Mentiras.

A presidente da República, por tudo isso, está à beira do impeachment. Melhor: estaria, se do outro lado, o Presidente da Câmara, Eduardo Cunha, responsável pela sua instauração, não fosse acusado com provas de crimes ainda piores. Contas no exterior com dinheiro do petrolão e despesas de quase um milhão de dólares contraídas por sua esposa com a bufunfa desviada para a Suíça. Indefensável. Vergonhoso. Motivo de chacota nacional.

Eduardo Cunha, no entanto, ainda tem o poder de encaminhar o processo de impeachment, antes de ser cassado ou renunciar. O bandido pode pegar a bandida. E aí o país olha embasbacado: um presidente da Câmara suspeito de crimes inaceitáveis e uma presidente da República estelionatária eleitoral e criminosa fiscal. Os dois se digladiando. Os dois medindo força. O mal contra o mal. O diabo contra satanás. Um temendo a reação do outro, traçando estratégias de mistificação nas madrugadas de Brasília.

E o Congresso Nacional? Diante de tantos crimes, faz apenas o jogo político. Há mais de 150 parlamentares no mínimo que roubaram junto no Petrolão. Há mais 150 parlamentares do outro lado que se beneficiaram do estelionato eleitoral. A grande maioria tem as mãos sujas e não tem moral para liderar absolutamente nada.

E os juízes das altas cortes? O STF virou um puxadinho do PT ao ponto da presidente da República afirmar a um governador, em tom ameaçador: " eu tenho cinco ministros no STF". Algum ministro reagiu a tamanha ofensa moral? O TSE é comandando por Toffoli, que foi assessor do PT durante a vida inteira e que deve sua nomeação sem méritos única e exclusivamente a Luiz Inácio Lula da Silva.

E aí vem alguém e diz que o Brasil é o país do futuro? Com esta formação moral? Com esta noção de ética? Com esta responsabilidade pública? Neste momento, dizem que futuro talvez retorne em 2017, devido a extensão da crise econômica. Nosso futuro está sempre prorrogado, levando consigo gerações e gerações. Muita pena desta geração de hoje, que não sabe o que todos passamos antes do Plano Real e da estabilização econômica. Muita pena do Brasil e do seu futuro que nunca chega.


Nenhum comentário: