quinta-feira, 25 de junho de 2015

Os papas passam e a Igreja continua, mas o Papa Francisco está no grupo dos que trabalham contra

Escrito por Frei Clemente Rojão OAAO/ no FREI ROJÃO
Defender o papa é louvável, mas como o papa Francisco acontece um fenômeno muito curioso:

Em primeiro lugar, quem está o defendendo com unhas, cascos, chifres e dentes não defendia Bento XVI e nunca dava a mínima quando era humilhado em público.

Segundo, é o mesmo padrão de pensamento auto-programado que as esquerdas incutiram na juventude para "atacar tudo que é de direita". É o MESMO PADRÃO de raiva e ataque irracional, reparem.
Terceiro, antes quem ia contra João Paulo II e Bento XVI era até louvado. Hoje em dia na Igreja quem critica Francisco só faltam pedirem a fogueira.

Quarto, a Imprensa esquerdista é a grande propagandeadora do papa Francisco, não suas obras pastorais. Que são muito ruins ou inexistentes.

Conclusão:
(2 E 4) E (1 OU 3) = 5

Quinto em conclusão - Será que todo este suposto amor por Bergoglio não é uma hábil engenharia comportamental esquerdista de décadas? Tudo o que Bento XVI foi atacado, tudo o que Francisco foi louvado, tudo que foi vomitado na cabeça dessa juventude por professores criminosos e doutrinadores leninistas, será que não é isso que tem acontecido para gerar este resultado? Ou seja, ter um papa esquerdofílico finalmente no comando da Igreja com toda uma juventude lavada cerebralmente para proteger seu líder esquerdopata, será que no fundo não é isso que acontece? 

Há uma chave e há uma reação. A chave é o líder de esquerda, no caso, o papa Francisco. Há uma reação, que é uma atitude irracional e histérica nos subordinados de ataque a seus críticos/detratores como "Inimigos públicos" e votados ao extermínio pelo bem do Todo. Era assim que acontecia nos processos de Moscou, é assim que acontece em Cuba, é assim que acontece com os petralhas, e isso pode estar acontecendo na Igreja, propositalmente ou não. 

Meu Deus... agora eu temi meu próprio raciocínio... Libera-nos, Domine!!!
Desta vez eu quero estar errado.

Nenhum comentário: