terça-feira, 2 de junho de 2015

Ideologia de gênero nas escolas: As audiências públicas nas câmaras municipais acontecem nas próximas semanas: apoie os vereadores locais na luta contra esta ideologia nefasta

Escrito por Thiago Cortês* e publicado no site Mídia Sem Máscara
Os municípios brasileiros têm até o dia 24 de junho para aprovar seus Planos Municipais de Educação (PMEs). É justamente este o novo campo de batalha dos inimigos da família.

Em sua coluna de hoje, 02/06, a jornalista de fofocas da Folha, Mônica Bergamo, lançou um ataque contra os cidadãos que têm comparecido em audiências públicas para se manifestar contra a inserção da Ideologia de Gênero (gayzismo) nos planos municipais de educação (PME).
Ocorre que militantes – sempre minoritários e insignificantes – pretendiam impor a Ideologia de Gênero na educação no grito e imaginavam que o fariam sem resistência. Mas foram surpreendidos nas audiências por grupos maiores de opositores da referida ideologia.

Mônica Bergamo é assessora de imprensa do PT disfarçada de jornalista. Por isso, a especialista de fofocas da Folha usou sua medíocre coluna para atacar os opositores da Ideologia de Gênero, transformando-os em caricaturas: “fundamentalistas”, “cristãos conservadores” e (nas entrelinhas) “preconceituosos”.

Contagem regressiva
Os municípios brasileiros têm até o dia 24 de junho para aprovar seus Planos Municipais de Educação (PMEs). É justamente este o novo campo de batalha dos inimigos da família, que lutam para fazer da educação uma plataforma da Ideologia de Gênero.

Em síntese, a Ideologia de Gênero é mais um produto podre do relativismo moral. Ela “ensina” que não existem diferenças naturais entre homens e mulheres. Daí que meninas e meninos podem dividir banheiros em escolas e assim por diante.

Não por acaso, as audiências de discussão dos PMEs têm atraído alguns grupos militantes sem qualquer ligação com a educação. Na audiência pública de Guarulhos, por exemplo, compareceram militantes de “coletivos” sem qualquer ligação com a educação infantil.

Para ter validade legal, o PME precisa ser aprovado pelas Câmaras Municipais. É aí que entram as militâncias organizadas cujo único objetivo nas audiências é o de pressionar os vereadores com a desculpa de que Ideologia de Gênero nas escolas significa combater o preconceito.

Ideologia de Gênero: a verdade e a fachada
“O ideólogo usa fachadas para esconder suas reais intenções. Ele nunca é sincero. No caso da Ideologia de Gênero, a primeira fachada é a da defesa do direito da mulher. Eles fazem uma conexão forçada entre o movimento sufragista do passado”, explicou o professor Felipe Nery, presidente do Observatório Interamericano de Biopolítica.

Especialista na temática de gênero, Felipe Nery entende que a Ideologia de Gênero é prejudicial às mulheres. “Veja o caso, por exemplo, do banheiro unissex. É um atentado contra as mulheres que agora terão que dividir o banheiro com qualquer homem que alega que se sente uma mulher. Deixa as mulheres expostas”, observou.

A segunda fachada da Ideologia de Gênero, explicou Felipe Nery, é a luta pelos direitos das minorias. “É muito forçado enxergar na Ideologia de Gênero qualquer ligação com defesa de direitos de minorias. Trata-se apenas de uma ideologia que pretende instalar o relativismo e desconstruir a família, que é a unidade básica de sobrevivência da humanidade”, afirmou.

As audiências públicas nas câmaras municipais acontecem nas próximas semanas: apoie os vereadores locais na luta contra esta ideologia nefasta. Envie e-mails dando sua opinião, ligue nos gabinetes e expresse sua posição contrária à Ideologia de Gênero. Mais informações: http://biopolitica.com.br

*Thiago Cortês é jornalista.

Nenhum comentário: