sexta-feira, 4 de julho de 2014

Tudo pronto para a terceira guerra mundial

Escrito por Douglas J. Hagmann* e publicado no site Mídia Sem Máscara

Hoje, cada cidadão americano e todas as pessoas do Ocidente precisam largar o churrasco no quintal e seus divertimentos e olhar com muita atenção, um olhar demorado e firme, para a engenharia que está sendo feita no Iraque, pois a vida tal como nós a conhecemos em breve irá mudar. Para os americanos, o Iraque está a meio mundo de distância. Para outros, ele está muito mais próximo. No entanto, em breve e para todos ele irá se tornar algo muito pessoal para todos nós.

A América, o Ocidente e o mundo estão testemunhando o desenrolar de um dos eventos geopolíticos mais significativos do último século no Iraque e em todo o Oriente Médio. Mas poucos compreendem inteiramente a enormidade daquilo que está sendo visto. São ainda mais raros os que compreendem o panorama como um todo ou que pensam com a amplitude necessária; este panorama, como tudo o mais, não é aquilo que aparenta ser. Nós estamos testemunhando o segundo ato de uma trama sobre a qual escrevi anteriormente, na qual está sendo armado o palco para a III Guerra Mundial. Nosso mundo, tal como o conhecemos, em breve irá mudar e ninguém sairá impune dos eventos que estão sendo orquestrados pelos roteiristas e diretores globalistas.

O americano médio subitamente está vendo um caos inesperado, morte e destruição no Iraque. As lideranças eleitas, os meios de comunicação e as tietes dos políticos das facções partidárias estão apresentando estes eventos como sendo algo lamentável e imprevisível, ou até pior, como uma consequência da suposta incompetência do Traidor-no-Comando (1) e seu grupo de bandoleiros empedernidos. Estes acontecimentos, contudo, não estão ligados à incompetência nem eram imprevisíveis. Ao contrário disso, nós estamos assistindo a cena de abertura do “Segundo Ato”, que é o posicionamento final dos protagonistas em direção à III Guerra Mundial tal como sempre se tencionou e durante tanto tempo foram feitos os preparativos, esforço desconjuntado apenas por um breve introito devido à exposição pública do caso Benghazi.

Resumidamente, a primeira parte dessa última trama que se desenrola no palco global iniciou com o conto fictício da Primavera Árabe que supostamente foi um movimento de insurreição feito por guerreiros pela liberdade contra tiranos opressores. Ela não foi nem um movimento espontâneo, nem um engenho arquitetado pelas mãos dos defensores da liberdade. Ela foi uma operação da inteligência ocidental elaborada para mudar o equilíbrio do poder tendo em vista os eventos e as ações futuras na trama desenvolvida nesse palco que é o mundo. Um ato muito importante nessa peça envolveu a Líbia e a deposição do líder da Líbia Muammar Kaddafi, tal como detalhei na minha coluna intitulada 'Unmasking the Embassy Threat' escrita em 03 de agosto de 2013.

Numa coluna anterior de 08 de outubro de 2012 intitulada 'Lemmings...No precipício da III Guerra Mundial'', eu dei o alerta de que “nós estamos no precipício de um conflito global, a III Guerra Mundial. O assassinato do embaixador Stevens e de outros americanos na Líbia fora meramente um prelúdio, tal como as cenas que abrem os filmes do James Bond, mas não tínhamos compreendido ainda como aquilo se relacionava com o resto do script. Durante a 'Primavera Árabe' nós imaginamos que assistíamos trailers para vários filmes diferentes antes da exibição da atração principal, porém, sabíamos muito pouco sobre quão tênue era o liame que amarrava esses diversos trailers à ponta final. O espetáculo já havia começado.” Nós estamos agora exatamente no ato de abertura depois do intervalo.

Tal como escrevi, “Se o roteiro se passar da forma como foi escrito, a geopolítica mundial e o equilíbrio de poderes poderá, e muito provavelmente irá, mudar na sua integralidade no próximo abrir das cortinas.Ninguém sairá impune perante os eventos que estão porvir.” E agora, cá estamos. Seguindo-se à abertura das cortinas, nós estamos vendo o Estado Islâmico do Iraque e Síria (ISIS, na sigla em inglês) (2), uma organização patrocinada pela CIA e pelo Departamento de Estado, obtendo o controle do Iraque com relativa facilidade. Um indício são as câmeras de vídeo e a atenção da audiência voltadas para a embaixada dos Estados unidos em Bagdá, como um flashback para o resgate aéreo de 30 de abril de 1975 na Queda de Saigon (3). O avanço da marcha do ISIS seguirá tal como planejado, porém não irá estancar em Bagdá. Sua proa está voltada para a Síria e tem a sua alça de mira apontada para a remoção do Bashir al-Assad do poder.

Quadrados laranja: cidades controladas pelo ISIS; Quadrados circulados: cidades capturadas neste mês. Mancha: presença operacional do ISIS.

A evidência de uma operação financiada pelo Ocidente
É improvável que você venha a ver na televisão uma multitude de pick-ups novas da Toyota ou armamento militar da OTAN ou do Ocidente sendo utilizado pelo ISIS que é patrocinado pela Irmandade Muçulmana, uma vez que os agentes das potências globais preferirão manter tais imagens longe de qualquer um na América que possa estar prestando atenção. Foi o atual Secretário de Estado, John Kerry, seguindo a diretriz dada pelo seu predecessor, a Hillary Rodham Clinton, e obediente ao Traidor-no-Comando, que é um fantoche da manipulação globalista, quem – ao fazer seu tour pelo Oriente Médio no final de dezembro de 2013 – deu para o ISIS a carta branca para “fazer o que vocês quiserem” tendo em vista que os Estados Unidos não iriam interferir. Os Estados Unidos não iriam apenas recuar, nós deixaríamos também nossos equipamentos e armamentos militares intactos para que o ISIS pudesse fazer o seu sacrifício sangrento bem ao típico estilo Wahhabi.

É improvável que as organizações de mídia venham a revelar que o desenvolvimento do ISIS estava em preparação há anos, inicialmente desenvolvendo-se como “A Organização para o Monoteísmo e Jihad” (JTJ) em 2004 e depois como a al-Qaeda no Iraque. Em 2006, eles alteraram seu nome para Estado Islâmico do Iraque e mais recentemente para o Estado Islâmico do Iraque e Síria (ISIS) que é como são conhecidos hoje.

É ainda mais improvável que você venha a ouvir alguma coisa quanto ao financiamento do ISIS – que é talvez a organização terrorista mais densamente patrocinada no mundo. Mesmo antes do ISIS tomar Mossul e fazer uma pilhagem de centenas de milhões de dólares nos bancos iraquianos, na semana passada, documentos contábeis do ISIS capturados durante operações no Iraque revelaram que antes de invadir Mossul o seu patrimônio líquido era de, no mínimo, $900 milhões. Qual a origem desse montante tremendamente considerável? Uma avaliação desses meticulosos registros financeiros descobriu que muitas das riquezas em posse do ISIS são oriundas de campos petrolíferos confiscados no leste da Síria nos meses anteriores deste ano. Sim, da Síria. E agora eles possuem um patrimônio líquido de mais de $2 bilhões, ou, segundo algumas especulações, em torno de $200.000 para cada terrorista dos ISIS. Não se trata de uma farroupilha, um grupo de terroristas espontaneamente ou oportunisticamente reunidos e carentes de apoio, embora a narrativa Obama-Hillary-Rice-Benghazi esteja novamente sendo divulgada, dessa vez no Iraque.

Baseando-se apenas nos ativos financeiros e no equipamento militar deveria ser óbvio para qualquer pessoa minimamente atenta que o ISIS é algo criado e mantido por agências de inteligência do ocidente encabeçadas pelos Estados Unidos e financiado em parte por meio da Irmandade Muçulmana, uma organização que tem o seu próprio quartel-general localizado dentro da nossa Casa Branca, do nosso Departamento de Estado e da CIA.

O panorama amplo
Os acontecimentos de hoje não estão ocorrendo num vácuo. Eu escrevi muitas vezes sobre a significação de Benghazi, um tabu mortal da mídia e da política norte-americana. O ataque à Benghazi que ceifou a vida de quatro americanos foi um evento planejado na dimensão dos estados nacionais, um cavalo de guerra da Rússia para expor o fluxo de armas do norte da África para a Síria, Turquia, Jordânia e outras regiões estratégicas com o único propósito de derrubar Assad e instalar um governo da Irmandade Muçulmana, tal como ocorreu no Egito. A despeito das quatro tentativas de acusar Assad por crimes contra a humanidade, inclusive com o uso de armas químicas, as mídias não corporativas denunciaram tais ataques como aquilo que de fato eram: ataques de falsa bandeira. Por conta disso, os globalistas tiveram de acionar o “plano B” para derrotar Assad.
Hoje, os agentes globalistas estão utilizando o ISIS para marchar sobre Bagdá e sobre a Síria através de um novo canal aberto no front sudeste [da guerra Síria] através do Iraque. Eles estão utilizando nossos ativos e nosso encorajamento para fazê-lo, situação que deveria fazer os americanos questionar sobre “pelo quê os 4500 soldados norte-americanos morreram?” Conforme o Iraque vai sendo transformado numa nação-estado conhecida como Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS) relacionado a terroristas da linha dura da al-Qaeda e do Talibã, resta-nos lembrar da tristeza e do ultraje de cada família americana que foi tocada pessoalmente pela morte, pelo desfiguramento, ou pela invalidez permanente dos seus amados nas forças armadas. A areia e o solo de uma terra muito distante precisa ainda absorver todo aquele sangue que foi derramado declaradamente pela liberdade entremeada por um fervor patriótico, roteiro dramático escrito nos estúdios globalistas. Talvez, a revelação de que nós iríamos entregar as rédeas do controle do Iraque, informação conhecida apenas pelos escritores do plano globalista e por certos membros do elenco, seja a razão pela qual os veteranos que retornaram de lá acabariam sendo – um dia – considerados como uma ameaça de terrorismo doméstico, tendo em vista que esta seria uma reação compreensível para uma farsa e uma traição.

O panorama amplo sempre foi a Síria por meio da “Corrida da morte para Damasco” tal como detalhei numa coluna em 20 de janeiro de 2014. O panorama amplo de tudo isso sempre foi derribar Assad e conquistar a Síria. Desse modo, quando tudo isso for desvendado – e isso vai acontecer – podemos antecipar que irá explodir em direção ao leste, para a Arábia Saudita, para o mar arábico, o norte do Irã e ao longo de toda a faixa até o Estreito de Ormuz. E quando isso acontecer – e aqui não há espaço para “se” acontecer – este ataque não irá danificar apenas o transporte marítimo e o livre trânsito do petróleo para os mercados ocidentais, ele irá também assassinar o dólar e, junto dele, as esperanças e os sonhos não apenas dos Estados Unidos, mas de toda a civilização ocidental.

O objetivo final é destruir o dólar americano por meio de um cavalo de guerra da Rússia enquanto o Traidor-no-Comando, seu bando de criminosos e seus financiadores globais escondem-se sob o pretexto da negação plausível. Isto significa a destruição da classe média através do armagedon econômico, vis-à-vis com a destruição do dólar, etapas necessárias para criar uma nova ordem econômica global e, finalmente, operar a destruição da soberania dos Estados Unidos.

Por fim, talvez, ambos os lados de um espectro político falso e suas respectivas tietes compreenderão porque muitos entre nós estamos tão preocupados a respeito da elegibilidade Constitucional do Barack Hussein Obama na ocupação do cargo mais elevado dessa nação. Nunca se tratou de uma distração, mas matéria que diz respeito à fidelidade aos Estados Unidos. Veja você o que está se armando e pergunte para você mesmo sobre para quem o Obama está verdadeiramente trabalhando. Com toda a certeza não é para a população dos Estados Unidos da América.

Notas do tradutor:
1 - O autor usa a expressão Renegade-in-Chief, no artigo mencionado ele explica que a Agência de Comunicações da Casa Branca (WHCA, em inglês) junto com o Serviço Secreto dos Estados Unidos tem como prática dar um codinome para os presidentes. O escolhido para o Obama foi: “Renegado”. Diz o autor: “Como é possível explicar a precisão excepcional com que a WHCA forneceu para o Serviço Secreto dos Estados Unidos o codinome não muito secreto do Barack Hussein Obama logo no início do seu reino? Eis o codinome do Obama: Renegado. Segundo o dicionário Merriam-Webster, um renegado é definido como “um indivíduo que rejeita comportamento ordeiro ou convencional.” Sinônimos para renegado incluem fora da lei, radical e traidor. (…) Pense sobre isso. Logo após a sua nomeação pelo partido, alguém de dentro da WHCA tinha de escolher um codinome para o Obama e ela escolheu “Renegado”. De (aproximadamente) 171.000 palavras listadas no Dicionário da Língua Inglesa de Oxford, a palavra que sugere alguém com atitudes de traidor, fora-da-lei e radical foi escolhida antes que o Obama assumisse o cargo. Quais as chances! Quem é este grande mestre da magia e do psiquismo extraordinário que simplesmente conseguiu ver o reino futuro de tirania, desrespeito a lei, e traição do Obama, fazendo assim seu codinome coincidir perfeitamente com a sua agenda? (...) ”

2 - Referências para o entendimento da situação dos Cristãos Iraquianos:
Documentário sobre o histórico recente e a situação humanitária – Iraque: Quo Vadis.
Entrevista, Dom Louis Sako, Bispo da Arquidiocese de Kirkuk, Iraque – Os Cristãos são um alvo fácil.
Entrevista, Joseph Kassab, Diretor Executivo da Federação Caldeia, EUA – O extermínio do povo ancestral do Iraque.
Entrevista, Dom Basil Casmoussa, Arcebispo Sírio-Católico de Mossul, Iraque – 80% do povo deseja deixar o Iraque.
Notícia (Epoch Times / Gospel Prime) – Organização terrorista ISIS quer formar seu próprio país.

3 - O autor faz menção à Queda de Saigon em 1975, evento onde o exército americano entregou a capital do Vietnã do Sul aos exércitos comunistas do Vietnã do Norte. A queda de Saigon foi precedida por uma imensa operação de resgate aéreo de milhares de civis e militares americanos bem como de civis sul-vietnamitas ligados ao regime. Os vídeos e imagens da época mostram cenas de imenso desespero e terror da população que foi abandonada à própria sorte. Um dos eventos ligados à Queda de Saigon foi o Terror e Genocídio Cambojano. Apenas duas semanas antes da capitulação americana, o Khmer Vermelho conquistou a capital do Camboja, Phnom Penh. Imediatamente após esta conquista os 2 milhões de habitantes da capital foram deslocados para o interior do país, iniciando um processo brutal de ruralização comunista do Camboja. Dinheiro, propriedades, livros e religiões foram proscritas. Em menos de quatro anos de regime comunista 25% dos 8 milhões de cambojanos foram exterminados (1.7~2.5 milhões de mortos) por fome e exaustão, dezenas de milhares foram torturados e mortos nas prisões.

O caso todo é um exemplo perfeito de como a imbecilidade dos movimentos pela paz mundial, das ideias hippies condensadas no 'faça amor, não faça guerra' fomentada por artistas como John Lennon (e o seu “Imagine”) e por drogados ignorantes como Jimmy Hendrix, Janis Joplin, etc., e pseudo-intelectuais produzem consequências monstruosas e prejudiciais. Lênin disse em 1922: “O objetivo final da paz é simplesmente chegar ao controle mundial comunista.”


Tradução e comentários: Francis Lauer

Nenhum comentário: