sexta-feira, 11 de julho de 2014

Na Venezuela, o comunismo já foi implantado. No Brasil, o projeto comunista da organização PT continua avançando. Ou: Esquerdismo é só um projeto de tomada do poder

Por Aluízio Amorim
Fardas reluzentes ao lado do tiranete Nicolás Maduro: os militares viabilizam a ditadura comunista na Venezuela. (Foto: El País)
O finado caudilho Hugo Chávez era coronel do Exército e teve o beneplácio da Armada para chegar ao poder. Lá instalado, iniciou as ações para transformar a Venezuela numa República Comunista nos moldes cubanos. E, para tornar mais palatável o processo de comunização do país, o finado caudilho cunhou o termo “bolivariano”, que na novilíngua do Foro de São Paulo, do qual é sócio o regime de Caracas, significa comunismo. Com um detalhe: o regime bolivariano tem um viés mais comunista do que todos os regimes comunistas já surgidos no planeta! É a expressão da psicopatia em mais alto grau.
Esse dito neo-comunismo que já não faz mais guerra de guerrilhas é muito mais insidioso do que o velho comunismo que escravizou os povos agrupados na marra em torno da ex-URSS e há mais de meio século continua matando de fome o povo cubano enquanto os dissidentes apodrecem nos calabouços do regime.
De forma ligeira, pode-se dizer que o objetivo do Foro de São Paulo, que é dirigido pelo PT, tendo como presidente de honra o Lula da Silva, é estatizar tudo e nivelar por baixo todos os estratos sociais. Escapam, ora bolas, os dirigentes comunistas, os quais comporão um casta altamente privilegiada associada aos grandes grupos empresariais quando lograrem, se é que vão lograr, os seus objetivos. 
Nesse tipo de comunismo a liberdade individual é anulada em favor do que denominam “comunas” ou “coletivos”. Goza portanto de total e irrestrita liberdade apenas a camarilha do poder.
Como terão o poder total sobre todas as associações civis, como os sindicatos de trabalhadores, acenam para seus sócios empresários com a segurança no controle das mobilizações proletárias. E mais do que isso, oferecem a segurança e o sigilo absoluto nas negociatas entre empresas privadas e governo. É que neste regime comunista do século XXI as instituições que promovem a transparência no trato da coisa pública, como o Legislativo, o Judiciário e a imprensa livre, passam a ser meras extensões do poder central. Continuam existindo, porém como fantoches do poder. 
NOVO TIPO DE GOLPE
Portanto, como se pode notar, não haverá mais o golpe de Estado clássico, ou seja, revolução cruenta. A comunização do país segue passos planejados com avanços e recuos. Dentro dessa estratégia a cereja do bolo são as Forças Armadas. Tanto é que no Brasil o governo do PT já iniciou de mansinho o avanço em direção ao estamento militar. O primeiro passo já está em curso, que é a campanha de desmoralização das Forças Armadas e das Polícias Militares. A primeira providência será a desmilitarização das Polícias Militares. São cúmplices nesse maquiavélico plano os jornalistas e os donos da maioria dos grandes veículos de comunicação. Tanto é que recentemente a Folha de S. Paulo contratou como colunista um agitador do movimento sem teto do PT, Guilherme Boulos. Este é apenas um exemplo mais escancarado daquilo que na Venezuela seria designado como "imprensa boliburguesa".
Para tornar palatável para a população civil a transformação lenta e gradual da democracia representativa num regime pautado pelo “centralismo democrático”, ou seja a ditadura do Partido, o PT, o Foro de São Paulo criou os ditos “Conselhos Populares”, que emulam os sovietes das ex-URSS. Essa providência é uma forma de levar ao cidadão comum (funcionários públicos, trabalhadores em geral, operários, pequenos comerciantes, etc...) a sensação de que terá poder e será ouvido diretamente pelo governo por meio dos “conselhos”, do qual trata o decreto 8.243, assinado recentemente pela Dilma e que se encontra sub judice do Poder Legislativo, conforme já foi noticiado.
Dependendo da situação política e social esse esquema pode avançar ou recuar, mas jamais será abandonado. O objetivo é o domínio das Forças Armadas que, afinal, é onde tem origem o Poder do Estado. 
MILITARES CORROMPIDOS
Na Venezuela, apesar do finado caudilho Hugo Chávez ser um ditador egresso da caserna, pois era Coronel do Exército, a conquista total do poder militar pelo chavismo, a versão venezuelana do petismo, consumiu pelo menos uma década. O chavismo já está no poder há 15 anos!
Na Venezuela o esquema para conseguir a fidelidade militar ao projeto de comunização do país nos moldes do socialismo do século XXI, foi aplicado por meio da corrupção. E a prova disso está expressada numa reportagem do jornal El País da Espanha, cujo lead, afirma o seguinte:
“A cada mês de julho os oficiais promovidos à alta hierarquia militar das Forças Armadas venezuelanas luzem seus novos uniformes e divisas nos melhores restaurantes de carne de Caracas, em refeições regadas com abundante whisky. No início eram celebrações discretas porque eram uns poucos, mas desde alguns anos são muitos.
Na Venezuela há mais generais e almirantes que cargos vagos no estamento militar, mas isso não parece ser um obstáculo para o governo de Nicolás Maduro. Este ano se somaram a essas fileiras 229 coronéis e capitães, seguindo um costume iniciado há quatro anos por seu antecessor, Hugo Chávez. Tem sido a maneira que tem encontrado o chavismo não apenas para honrar suas origens castrenses, mas de estimular quem lhe tem servido de principal suporte em três lustros, mais além da obrigação imposta na Constituição venezuelana. O de Maduro é um Governo militar com uma fachada civil.”
Numa análise ligeira e concisa é este o modus operandi do Foro de São Paulo, a organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro, em 1990, num evento em São Paulo, informação que naquela oportunidade os obsequiosos jornalistas “simpáticos à causa” simplesmente esconderam da opinião pública brasileira. E mais: transformaram o Foro de São Paulo num tabu. Não fosse o filósofo, jornalista e escritor Olavo de Carvalho, um especialista nesta matéria, ninguém saberia da existência desse plano comunista transnacional cujo objetivo é sequestrar a democracia e a liberdade em toda a América Latina.
Ninguém sabe, por enquanto, o que pensam sobre isso os militares da ativa no Brasil. Se sabe apenas que o ministro da Defesa é o ex-diplomata Celso Amorim, também conhecido como 'megalonanico' e que se tem notabilizado por ser um zeloso serviçal do PT e do Foro de São Paulo.
Por enquanto os militares brasileiros da ativa não fazem comemorações em mesas fartas de restaurantes de carnes com generosas rodadas de whisky, como vem acontecendo todos os meses de julho como seus homólogos na Venezuela. Entretanto, o projeto comunista do PT continua avançando. Esta é a realidade dos fatos.

Nenhum comentário: