segunda-feira, 19 de maio de 2014

Tendemos a duvidar do mal totalitário. Cremos que os ideólogos socialistas estão voltados para o bem da humanidade, quando na verdade estão lutando por poder e mais poder. Na verdade, estão em busca do mal absoluto

Escrito por Eguinaldo Hélio de Souza* e publicado no site Mídia Sem Máscara
Nossa tendência é duvidar da possibilidade do mal totalitário. Preferimos acreditar que os grandes ideais, as grandes ideias e os grandes ideólogos estão sempre voltados para bem da humanidade, quando na verdade estão lutando por poder e mais poder.

Começou a ser divulgado há alguns anos que Hitler teria sido indicado para o Prêmio Nobel da Paz em 1938.[1] Tivesse o fato se consumado, o valor do prêmio estaria destruído pela ironia da história. Nesse mesmo ano Neville Chamberlain, embaixador britânico, assinou o Tratado de Munique. ... [Hitler] assinou uma resolução afirmando que os dois povos [alemães e britânicos] jamais fariam guerra entre si. Chamberlain exibiu o documento à multidão ao retornar à Grã-Bretanha, mas Hitler não deu a menor importância ao papel.[2] Três semanas depois ele ordenaria as ações que quebrariam o Tratado e mergulharia o mundo no terror nazista.

Também é preciso lembrar que em 1939, Hermann Rausching publicou seu livro “Hitler me disse,” [3] onde as suas conversações com o führer revelavam planos tão diabólicos que a grande maioria se recusou a crer. Parecia impossível que um governante arquitetasse tais planos. Os anos seguintes demonstrariam o realismo da obra. Os planos esboçados por Hitler no livro de 1939 são hoje, em grande parte, registros históricos.

Na maioria das vezes as pessoas boas se recusam a crer no mal, principalmente quando esse mal se afigura grande demais. É preferível pensar o melhor do inimigo, pois pensar no pior nos assusta e sempre há outras vozes igualmente bondosas nos fazendo coro, maquiando com palavras inocentes as más intenções dos perversos.

No entanto, a ingenuidade não nos salvará.

Quando olhamos para a atitude de líderes religiosos da época, percebemos o perigo da ingenuidade. Pior do que ser enganado por outros, é anestesiar-se pelo auto engano.

Na absoluta escuridão da história da igreja, Hitler se tornou, por assim dizer, a maravilhosa transparência de nossa época, a janela de nossa era pela qual a luz incide sobre a história do cristianismo. Por intermédio dele, podemos ver o Salvador na história dos alemães. (Palavra do pastor alemão Siegfried Leffer)

Deus veio a nós por intermédio de Hitler (...) por intermédio de sua honestidade, de sua fé e de seu idealismo, o Redentor os encontrou (...). Hoje sabemos que o Salvador veio (...) temos apenas uma missão, sermos alemães e não cristãos. (Palavra do pastor alemão Juiu Leutherser,em 30 de agosto de 1933) [4]

Ainda temos a declaração de 1934, feita pelo grupo denominado Cristãos Alemães:

Somos muito gratos a Deus por Ele, como Senhor da História, ter-nos dado Adolf Hitler, nosso líder e salvador em nossa difícil situação. Reconhecemos que nós, de corpo e alma, estamos obrigados e dedicados ao estado alemão e ao seu Fuhrer. Essa servidão e obrigação contém para nós, cristão evangélicos, seu significado mais profundo e santo em sua obediência ao comando de Deus. [5]

Essa é uma clara amostra histórica do que pode acontecer quando nossa bondade cristã se transforma em ingenuidade política, quando nos tornamos simples como pombas e “prudentes como cordeiros para o matadouro”. Ou quando deliberadamente ignoramos o mal que se avizinha ou com ele fazemos aliança, na esperança de que suas mandíbulas e garras não nos alcancem. Isso jamais funcionou e jamais funcionará.

Não são poucas as vozes que há algum tempo advertem à respeito da implantação de um governo socialista no Brasil. À princípio tais palavras foram recebidas com chacota, como paranoia e teoria da conspiração, não importando quantos documentos fossem apresentados. Com o passar dos anos, a implantação de certas medidas nas leis, na educação, na estrutura jurídica e política da nação deram a entender que as advertências tinham fundamento.

O número de vozes foi aumentando e pessoas de diversas formações começaram a perceber a introdução de medidas que pouco a pouco estão conduzindo o país na direção socialista. As teorias de conspiração foram se revelando sólida previsão política. A hipótese de cubanização do Brasil, antes mitologia e lenda urbana, mostrou-se realidade quando a maré vermelha do Mar do Caribe inundou a vizinha Venezuela. Então, com o inimigo na fronteira sendo tratado como amigo, o que antes foi delírio é agora possibilidade iminente. E os beijos e abraços dos atuais governantes aos Castros não deixa qualquer dúvida. Fica cada vez mais claro que os ingênuos eram os sábios e os espertos eram os ingênuos.

Ainda assim, há aqueles que insistem em chamar o mal de bem, insistem em esperar passiva e ingenuamente o melhor, mesmo com os cães do inferno ladrando à sua porta e escalando os muros do seu castelo. Acreditam que fechar os olhos os fará desaparecer, como se a inocência auto imposta fosse capaz de exorcizar demônios.

Hoje são juristas, artistas, pensadores, jornalistas, religiosos e políticos que denunciam o avanço comunista no Brasil. A cubanização da medicina, a desestruturação estatal da família, o controle da imprensa e da internet, o enfraquecimento dos militares, a desmilitarização da PM, o controle político total, são medidas que já ganharam espaço e avançam a passos cada vez mais largos. Utilizando-se de seus velhos truques ideológicos como democratização e o bem do povo, o domínio vai sendo implantando, pois a essência do socialismo não é a igualdade, mas o controle. [6] Na verdade, as medidas destinadas a transformar o país em uma prisão socialista não são divulgadas no jornal das oito. Elas foram e estão sendo tomadas há anos de forma sutil, silenciosa e camuflada. Só serão percebidas quando já não houver reversão ou perigo para os arquitetos do mal, como aconteceu com o Foro de São Paulo, cuja história a grande maioria desconhece.

Nossa tendência é duvidar da possibilidade do mal totalitário. Preferimos acreditar que os grandes ideais, as grandes ideias e os grandes ideólogos estão sempre voltados para bem da humanidade, quando na verdade estão lutando por poder e mais poder, sem importar com a quantidade de sangue a ser derramada para isso. Fomos levados a pensar que socialismo é uma ideologia inocente e que os milhões de mártires e mortos no século XX foram meros acidentes históricos quando na verdade são resultados inevitáveis de seus pressupostos. Acreditamos ingenuamente que nossas boas intenções são universais e estamos dispostos a confiar em qualquer pessoa que afirme estar procurando o bem de todos, mesmo quando suas ações dizem justamente o contrário.

Todavia, a mera afirmação de boas intenções não garante a existência das boas intenções. Servem apenas para ocultar as más. O mal não tem compromisso nenhum com a verdade, somente consigo mesmo.

Definitivamente, a ingenuidade não nos salvará!

Notas:
[2] GELLATELY, Robert. Lênin, Stálin e Hitler – A Era da Catástrofe Social. Rio de Janeiro: Record, 2010, p. 410.
[3] RAUSCHNING, Hermann. Hitler me disse. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1940
[4] LUTZER, Erwin. A cruz de Hitler. São Paulo: Vida, p. 127.
[5] ERICKSON, Millard. Introdução à Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 127
[6] WILLIAMSON, Kevin D. O livro politicamente incorreto da esquerda e do socialismo. Rio de Janeiro: Agir, 2013, p. XIII


Nenhum comentário: