sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Itaquera - Governo da Organização PT, por intermédio da Caixa Econômica Federal, manda expulsar invasores e Polícia Militar de São Paulo leva a má fama da expulsão

Por Reinaldo Azevedo no Blog do Reinaldo na Veja:
Reintegração de posse em Itaquera: PMs foram recebidos como de hábito
Se a presidente Dilma Rousseff não tomar cuidado, Gilberto Carvalho leva o seu governo para um buraco ainda mais profundo. Ainda que, no fim das contas, todos eles sejam petistas, não custa lembrar que há aqueles que sonham com a volta de Lula — e Carvalho é um deles. Podem reparar: todas as áreas hoje conflagradas do país passam por sua pasta. Quero aqui tratar do primeiro caso: uma reintegração de posse em São Paulo, executada, por decisão judicial, pela Polícia Militar.

O busílis é o seguinte. Em Itaquera, Zona Leste de São Paulo, foi construído um conjunto habitacional de 940 apartamentos dentro do Programa Minha Casa Minha Vida. Existe um cadastro para a ocupação desses imóveis. Trata-se de uma política pública, e é evidente que, dada a natureza do programa, isso tem de ficar sob o controle do estado. Bem, os imóveis foram invadidos por ditos movimentos de sem-teto, e a Caixa Econômica Federal — aquela que costuma patrocinar alguns blogs sujos que atacam a Polícia Militar de São Paulo —, que administra o programa, recorreu à Justiça pedindo a reintegração de posse, que foi concedida pela Justiça.

Então, leitor! Quando a Justiça manda fazer uma reintegração de posse, a executora da medida é a Polícia Militar, aquela mesma tratada aos tapas por petistas municipais, estaduais e federais. A PM não pode escolher não ir, dar de ombros, mandar o juiz plantar batatas. Foi. E os policiais foram recebidos como de costume: paus, pedras, porrada. E reagiram com os instrumentos legítimos que têm à mão, como bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral — que já são as alternativas mais civilizadas às armas letais. Quem sai mal no retrato? Acaba sendo a PM, não é?, que parece estar lá para esmagar os coitadinhos. O nome da Caixa nem apareceu.

E, agora, o PT e Carvalho
O PT é, originalmente, o grande organizador de movimentos de sem-teto cidades afora — e há alguns grupelhos radicais que escaparam a seu controle. Eles foram, por exemplo, alguns mais ativos militantes em favor da eleição de Fernando Haddad à Prefeitura. Quem, no governo, faz a chamada “interlocução” com esses movimentos sociais? Acertou quem chutou “Gilberto Carvalho”. Na sua pasta, há até uma subsecrataria só para falar com esses “líderes”.

Ocorre que Carvalho não é exatamente um homem que concorre para amenizar ou evitar os conflitos. Ao contrário. Ele os instiga. E foi o que fez na quarta-feira, num seminário no Ministério da Justiça, ao dar estas declarações, conforme registrou a Folha Online.

Onde estava Carvalho?
Onde estava Gilberto Carvalho no caso da reintegração de posse de Itaquera, pedida pela CEF, que diz respeito a programa do governo federal? Consta que havia três mil moradores lá. Não é o ministro que faz a interlocução com os tais “movimentos sociais”? O homem não deus as caras. Na desocupação do Pinheirinho, no entanto, quando o solicitante não era o Planalto, esse patriota mandou seu braço-direito, Paulo Maldos, fazer proselitismo entre os moradores, instigando o confronto.

É preciso que fique claro que esses movimentos de sem-teto existem para alimentar os… movimentos de sem-teto. Eles se tornaram atravessadores das casas populares. Pessoas igualmente pobres, que aguardam na fila, acabam preteridas porque os “invasores”, recrutados em todo canto, chegam antes.

Quem conhece o movimento por dentro me diz que há “invasores volantes”, isto é, que “moram” em vários lugares. São profissionais da ocupação. O que interessa é sequestrar o maior número possível de imóveis para o “movimento”. Atenção! Esses ditos “líderes”, na cidade de São Paulo, já ganharam o direito de distribuir uma cota de casas entre os seus “filiados”. Trata-se da mais escancarada privatização do bem público.

Quem deveria estar cuidando do assunto, tentando impedir a pistolagem? Gilberto Carvalho. Em vez disso, ele é um incitador.

Proposta a deputados
Tenho uma proposta a fazer aos deputados estaduais de São Paulo — os não petistas, claro! Sempre que a PM tiver de fazer uma reintegração de posse solicitada por alguém ente público, um representante desse ente tem de estar presente no local. Mais: durante a operação, um policial fica com um megafone: “Esta operação está sendo realizada por ordem da Justiça, em favor de TAL ORGANISMO”.

O que não dá mais é para continuar esse espetacular show de covardia: Carvalho e seus esquerdistas insuflam os ditos “movimentos sociais”, e a Polícia Militar que se vire e apareça depois no noticiário como truculenta.

Nenhum comentário: