sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Brasil: uma república bolivariana? O caso da médica cubana desertora e os indícios de mão de obra escrava misturado com desvio de dinheiro para campanha eleitoral 2014

O CASO DA MÉDICA CUBANA. OU: POR QUE O BRASIL JÁ É UMA REPÚBLICA SOCIALISTA DO SÉCULO XXI SOB O DOMÍNIO DOS PSICOPATAS DO PT E SEUS SEQUAZES? HAVERIA NOVO MENSALÃO?
Escrito por Aluízio Amorim
A médica cubana Ramona Rodriguez fez emergir mais um pedaço do iceberg comunista. Mas ainda só se vê a ponta. (Foto de Veja)
Enquanto a maioria dos brasileiros apenas via a ponta de iceberg, sem nenhuma modéstia, eu já tinha visto há muito tempo o iceberg inteiro. Afirmei aqui e reafirmo que todas aquelas manifestações do ano passado foram criadas pelo Foro de São Paulo, a organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro em 1990 e que é comandada pelo PT. Leia-se: Lula, Zé Dirceu e demais psicopatas - chamam isso de ‘núcleo duro do PT’ - que mandam há mais de uma década no Brasil.
A deserção da médica cubana Ramona Rodriguez, do vergonhoso Programa Mais Médicos, faz aparecer mais um pouco do que está sob a ponta do iceberg comunista. Os movimentos de rua não exigiam mais saúde? Imediatamente o PT puxou da cartola, como num passe de mágica, o Programa Mais Médicos. 
Esse iceberg é o plano de comunização do Brasil. O Foro de São Paulo é a organização criada para cubanizar todo o continente latino-americano. Foi a grande jogada de Fidel Castro quando ainda estava vivo, pois hoje é apenas um fantasma. Cuba havia ficado órfã. A ex-URSS, que a mantinha economicamente, havia desmoronado e o movimento comunista internacional decidiu mudar suas estratégicas. O fato é que conseguiu isso com um sucesso inaudito e contando, pasmem, com os maiores empresários do continente que viram nessa espécie de “socialismo à chinesa”, uma forma de ganhar muito dinheiro!
O NEO-COMUNISMO
A orfandade de Cuba foi calculada. Já havia o projeto de transformar todo o continente latino-americano numa extensão de Cuba. Aliás, como revelei aqui no blog há algum tempo, Hugo Chávez chegou a aventar a hipótese de um Estado cubano transnacional. O finado caudilho falava muito na “pátria grande”, que aglutinaria, como de fato já está aglutinando, todos os países sul-americanos, centro-americanos e caribenhos numa espécie de União das Repúblicas Socialistas Latino-Americanas (URSAL). Isso aliás foi mencionado já há alguns anos. Coube à Venezuela fornecer o petróleo que mantém Cuba acesa. As obras de infra-estrutura são fornecidas pelo Brasil sob o governo do PT, com recursos do BNDES, isto é, recursos públicos. É por isso que desde os governos militares não foi construída nenhuma nova obra de infra-estrutura de vulto no Brasil! Nada!
Incrível que as obras que necessitamos urgentemente estão sendo construídas com recursos dos cofres públicos brasileiros em Cuba, Venezuela, Bolívia e agora mesmo no Uruguai, quando foi anunciado que o Brasil bancará 80% dos investimentos calculados em US$ 500 milhões de dólares para construção de um porto gigantesco naquele país.
PILHAGEM DOS COFRES PÚBLICOS
O curioso de tudo isso é que os comunistas continuam avançando porque têm o apoio dos tradicionais empresários, ou seja, o núcleo duro da economia nacional. Exemplo mais evidente disso é a “parceria” com o PT de empresas como a Odebrecht que se tornou especialista em edificar obras em países bolivarianos com financiamento do BNDES. Mas não é só a Odebrecht. A maioria dos empresários se especializou em afagar as partes baixas dos comunistas acreditando que será possível manter indefinidamente a drenagem de recursos públicos. Ora, se a produtividade de um país decai, evidentemente o erário seca! Quem gera a riqueza é a iniciativa privada que, por conseguinte, recolhe os tributos devidos ao Estado. Se os negócios privados encolhem, repete-se a tragédia cubana. O país vira uma grande favela!
Como as empresas brasileiras e de resto as demais que sobram na América Latina não desenvolvem nada de novo, não investem um centavo na pesquisa científica e tecnológica, estão simplesmente desaparecendo. Sobram apenas aquelas que se dedicam ao agronegócio, graças às pesquisas da Embrapa, uma iniciativa exitosa dos governos militares. Não fosse isso, o Brasil e boa parte da América Latina já estariam no mesmo nível das mais atrasadas sociedades afro-asiáticas.
As empresas que crescem são apenas as tradicionais, como as empreiteiras que empregam mão-de-obra intensiva e se utilizam da tecnologia gerada no primeiro mundo. A indústria de transformação brasileira está desaparecendo. O que supre o mercado nacional são as empresas multinacionais. Isso vai desde de automóveis, alimentos aos produtos de saúde, higiene e limpeza. 
Os países de alto capitalismo como Estados Unidos, Israel e a Europa anglo-saxônica é que geram as todas as novas tecnologias promovendo a nova economia que há pelo menos mais de 20 anos obrigou à reconversão do processo industrial em todo o mundo!
HAVERIA NOVO MENSALÃO?
O nível de sucesso atingido pelo tal “socialismo do século XXI” é tamanho que a rigor o Brasil já vive sob um regime de tipo chinês. Enormes investimentos com dinheiro público são determinados de forma unilateral pelo Executivo. Pelo menos até hoje nunca vi o Senado analisar essa drenagem de recursos estatais em direção a países estrangeiros. 
Se o presidencialismo brasileiro tem historicamente um viés imperial, sob o PT foi mais longe ainda. A rigor o que existe é uma ditadura pura e simples. O governo do PT, desde Lula e agora Dilma, decidem no Palácio do Planalto com a rubrica de “secreto” uma verdadeira pilhagem dos cofres públicos sem dar qualquer satisfação à opinião pública. E notem que o Congresso se cala, porquanto já foi completamente aparelhado pelo PT. A docilidade como que o governo petista é tratado por todos os parlamentares - salvo raras exceções - é simplesmente algo espantoso, o que nos leva a imaginar se o nefasto mensalão não estaria sendo executado por meio de outras artimanhas? Agora mesmo o PMDB está fazendo corpo mole no que parece ser a cobrança de “dívida antiga”.
UMA INDAGAÇÃO FUNDAMENTAL
Bastaria perguntar aos Senadores e Deputados quanto de dinheiro brasileiro já foi aplicado em Cuba, Bolívia, Venezuela, Uruguai e nas republiquetas ditatoriais africanas? Aposto que nenhum deles saberá responder. Guardadas as devidas proporções o Congresso Nacional do Brasil pouco difere da Assembléia Nacional da Venezuela ou da Assembléia do Povo de Cuba, ou da China e da Coréia do Norte.
O que estou alinhando ligeiramente neste artigo também jamais foi ventilado pela grande mídia e ninguém parou para pensar no que está acontecendo no Brasil sob o domínio do PT e seu braço transnacional, o Foro de São Paulo.
Notem que isso é matéria para um livro! Por isso fico por aqui lembrando que serão bem-vindos os comentários dos leitores que podem agregar informações sobre os fatos que acabei de expor.

Nenhum comentário: