sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

As ilusões do autoritarismo: José Serra, na sua miopia e na ânsia de fazer propaganda contra o regime militar, não consegue ver os fatos óbvios

Escrito por Nivaldo Cordeiro e publicado no blog do Nivaldo Cordeiro

Neste ano serão completados cinquenta anos do movimento cívico-militar que depôs João Goulart. José Serra, como um dos derrotados, à época, e, depois, vitorioso após a abertura política, publicou artigo notavelmente equivocado sobre a efeméride (1964 – As ilusões do autoritarismo). Parece ignorar as causas remotas e recentes do que chamou de Golpe.

A primeira pergunta que precisa ser respondida é: que forças foram contidas pelos militares em 1964? Desde a Intentona Comunista de 1935 ficou claro que brasileiros acumpliciados com os imperialistas de Moscou queriam implantar uma ditadura comunista por aqui, nos moldes que se via pelo mundo. Por essa época ocorreu a revolução comunista chinesa, que se prolonga até hoje. O Brasil poderia ter seguido o mesmo destino se os subversivos fossem bem sucedidos.

A estratégia soviética era fazer o confronto com o Ocidente. Depois da II Guerra a coisa se transformou na Guerra Fria. Com a revolução cubana, o quadro se agravou nas Américas. Não ao acaso a reação em muitos países foi o golpe militar preventivo.

Em 1964 tivemos um golpe preventivo contra as forças que queriam implantar o marxismo-leninismo entre nós. O próprio José Serra, enquanto presidente da UNE, foi peão no tabuleiro dessa tentativa de golpe. O que os militares conseguiram foi adiar por duas décadas o movimento agora vitorioso no Brasil, de coletivização crescente e de monopólio do poder por forças esquerdistas.

A ladainha lacrimosa e sentimentalista das esquerdas em torno da questão dos direitos humanos não pode esconder o fato cristalino de que se tratou de uma reação, com grande apoio popular e da sociedade civil, contra a esquerdização do governo brasileiro. Interessante é que as esquerdas aprenderam no processo. Como, depois da queda do Muro de Berlim, a marca Partido Comunista desgastou-se, tivemos no Brasil o surgimento de partidos sucedâneos, que, em maior ou menor grau, endossam e põem em prática o programa do antigo PCB. O principal desses herdeiros é o PT, partido que é uma grande frente, unindo intelectuais militantes e sindicalistas.

Por que o PT foi aceito pelos brasileiros, enquanto o PCB foi escorraçado? Essa é a pergunta chave a ser respondida. Não obstante endossar o programa comunista do Partidão, o PT foi além, ao fundar o Foro de São Paulo. A proposta não mais é alinhar, ou submeter, o país a alguma potência estrangeira, mas, pelo contrário, é transformar o Brasil no centro de comando político sobre a América Latina. Brasília seria a capital desse novo ordenamento de forças.

Ao assumir essa ideia, o PT eliminou as resistências que ainda havia nas Forças Armadas contra o esquerdismo. As Forças Armadas nunca repudiaram o esquerdismo enquanto tal, elas que foram moldadas nas teses modernistas do Positivismo e acalentaram sempre o sonho do Brasil potência. Para elas, o Estado, e não o povo, é o protagonista do processo histórico. Tanto é que os governos militares, especialmente o de Ernesto Geisel, foram estatistas em alto grau. E também apoiram intervenções cubanas na África. A partir de 1974, o Itamaraty foi caminhando para a esquerda, de maneira que não cabe distinguir a diplomacia hoje – antiamericana e mesmo anticapitalista – daquela levada a efeito por Azeredo da Silveira.

Essa é a novidade histórica que deu legitimidade para que o PT chegasse ao poder e lá permanecesse. José Serra, na sua miopia e na ânsia de fazer propaganda contra o regime militar, não consegue ver os fatos óbvios.

Tags: José Serra, Nivaldo Cordeirodiplomacia militar, Azeredo da Silveira, as ilusões do autoritarismo, 1964, mentalidade anticapitalista, intentona comunista, Brasil | governo do PT | história | ditadura | comunismo | terrorismo | Foro de São Paulo | esquerdismo | ideologia | revolução, João Goulart

Nenhum comentário: