quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O esquerdista não tem futuro no paraíso comunista e o Brasil está perto da ditadura socialista da Organização PT

Escrito por Olavo de Carvalho*
O prof. Lessa tem algum futuro na sociedade burguesa. No comunismo, nenhum. Quanto menos resistência haja ao comunismo, mais inimigos imaginários o governo comunista vai matar. 

No livreto Abaixo a família monogâmica, que circula na internet sob o patrocínio de um "Instituto Lukács", o sr. Sérgio Lessa, criador dessa entidade e professor de uma universidade federal onde ensina os horrores do capitalismo e as belezas do comunismo, escreve: "Os comunistas não propõem a poligamia, do mesmo modo como não defendem a monogamia. Não defendemos o descompromisso afetivo e pessoal que caracteriza algumas propostas de 'amor livre', assim como recusamos o moralismo monogâmico hoje predominante. Estamos propondo que as relações amorosas devam ser pautadas apenas e tão somente pelas decisões livres, emancipadas, das pessoas."

Qual a diferença entre o "amor livre" e "relações amorosas pautadas tão somente por decisões livres"? Talvez seja a diferença entre um triângulo e uma figura plana de três lados, mas não é isso o que interessa no momento.

O que interessa é que o professor Lessa, com a sua idealização do paraíso amoroso socialista, é o protótipo do "verdadeiro crente", que não sobrevive por muito tempo num regime comunista de verdade. 

Os que esperam do comunismo um jardim dos prazeres estão sempre entre as vítimas do novo regime quando ele sai do papel para a realidade. Isso aconteceu na URSS, na China, em Cuba, no Vietnam, no Camboja, etc. Só não acontecerá aqui se Deus for brasileiro – o que é algo impossível tanto para os crentes quanto para os ateus.

Lessa repete quase "ipsis litteris" o ideário de Karl Radek, um dos pioneiros da Revolução Russa e, sob certos aspectos, um grande cérebro. Sob certos aspectos, mas não naquele que o assemelha ao Prof. Lessa. Por inspiração de Radek, o Estado soviético dos primeiros anos fomentou de tal modo a destruição da família monogâmica que, decorrida uma geração, a massa de adolescentes sem pais identificáveis que se espalhou pelas ruas de Moscou, assaltando e matando, passou a ser designada popularmente como "os filhos de Karl Radek".

Quando o homem caiu em desgraça, Stálin teve o requinte de mandá-lo para um presídio de delinquentes juvenis, onde o velho bolchevique morreu esmurrado e pisoteado por aqueles mesmos jovens dos quais fora o avô espiritual.

O professor Lessa pode imaginar, talvez, que o stalinismo seja um episódio encerrado da história do comunismo; entretanto, muita gente não acredita que seja assim e fará todo o possível para que não seja assim. 

Nos últimos anos, à medida que a esquerda consolida seu poder hegemônico e não deixa espaço para nenhum risco de contestação, as cobras, sentindo-se seguras, vêm saindo das tocas e silvando alto e bom som aquilo que antes só ousavam cochichar no escuro: a apologia de Stálin ressoa por toda parte no mundo bloguístico nacional, e ela não é um movimento espontâneo de opinião – é a expressão uniforme de uma militância organizada, decidida e feroz.

À luz da História, é insensato imaginar que, nas fases mais adiantadas da implantação do comunismo, a "linha dura" stalinista não acabará por prevalecer, como sempre, sobre os sonhadores e utopistas de toda sorte, e por dar a eles o destino que deu a Karl Radek.

A matança comunista intensifica-se quando, não havendo mais oposição política ou militar organizada, o regime se defronta com a resistência passiva que a natureza das coisas oferece à implantação de uma economia impossível.

Nada excita mais a fúria do governo comunista como esse inimigo difuso, sem rosto, incontrolável e, a rigor, invencível. Aí a sociedade inteira – incluindo os mais apolíticos e inocentes – passa a ser vista como um depósito inesgotável de traidores, de sabotadores, de "agentes da burguesia". E é preciso matar todos.

Entre eles, obviamente, têm prioridade os tagarelas incômodos que cobram de uma economia de misérias a produção mágica de um paraíso erótico repleto de "relações amorosas pautadas por decisões livres".

O prof. Lessa tem algum futuro na sociedade burguesa. No comunismo, nenhum. Quanto menos resistência haja ao comunismo, mais inimigos imaginários o governo comunista vai matar. Isso é da natureza mesma do comunismo. A fase da tomada do poder jamais é tão mortífera quanto a "construção do socialismo" que vem em seguida. 

As grandes matanças na URSS, na China, no Camboja ou em Cuba aconteceram quando já não havia resistência organizada. E em parte alguma o comunismo terá encontrado tão pouca resistência organizada quanto no Brasil.

Quem pensa que odeio comunistas é louco. Sei que, quando vier o comunismo, noventa por cento deles sofrerão como cães. Desejar poupá-los disso é ódio? Combater o comunismo é um ato de caridade para com os próprios comunistas. Ninguém matou tantos deles quanto Stálin, Mao Dzedong e Polpot.

Qualquer comunista que não fosse um hábil puxa-saco, carreirista abjeto e delator de companheiros estaria mais seguro na Itália de Mussolini ou na Espanha de Franco do que na URSS, na China Comunista ou no Camboja. Uso o exemplo da Itália e da Espanha só para enfatizar, com casos reais, o quanto o comunismo é perigoso para os comunistas. Mais do que qualquer regime fascista. Nem falo da segurança e bem-estar que os comunistas desfrutam nas democracias ocidentais. Não pode ter sido coincidência, nesse sentido, que o pensamento marxista se desenvolvesse muito mais no Ocidente do que nos países comunistas. O fundador de um instituto com o nome de Georg Lukács deveria pensar nisso. 
No mundo soviético o autor de História e Consciência de Classe só escapou de coisa pior porque, já em idade avançada, aceitou a humilhação, curvando-se ao beija-mão oficial. Na atmosfera ocidental de livre discussão, tornou-se pai de uma tradição de pensamento que dura até hoje.

*Publicado no Diário do Comércio.

Nenhum comentário: