quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Eduardo Campos e Marina Silva não são oposição. A oposição meia boca é o Aécio. Há muitos enganados e enganos na política do Brasil. Veja o caso do Caiado:


Por Coronel do Blog CoroneLeaks (Coturno Noturno)

Começa a aparecer na mídia uma expressão que só desfavorece a oposição real e que tem nome: Aécio Neves. É a tal "frente de oposições". Isto não existe. O que existe são duas candidaturas de situação e uma de oposição. Marina e Campos não buscam mudança alguma em relação ao PT. Com eles haverá o aprofundamento da presença do estado na economia e o atropelo às leis, que foi a marca de Marina Silva como ministra, com a perseguição a setores como a agropecuária e a tentativa de paralisação de obras de logística e infraestrutura para proteger pererecas amarelas.

É bom que o PSDB marque logo as suas diferenças. Eduardo Campos vem de 11 anos de apoio irrestrito ao PT. Nunca fez uma só crítica ao modelo petista, a não ser quando virou candidato. Marina Silva dispensa comentários. É cria cuspida e escarrada de Lula. Que o PSDB e Aécio não caiam na tentação fácil da "frente de oposições". Ela significa que qualquer um que chegar ao segundo turno vai apoiar o outro. Oposição é diferenciação. O resto só faz o jogo da esquerda burra e incompetente que está quebrando o país.
No domingo, dia 6 de outubro, o blog publicava este post sobre o apoio de Ronaldo Caiado (DEM-GO) à ex-senadora Marina Silva. Alertava para que jamais a inimiga do agronegócio subiria em um palanque com uma liderança ruralista. Todos viram o que aconteceu ontem, quando Marina vetou Caiado. Não existe "frente de oposições". Não se iludam. Eduardo Campos é mais do mesmo. Marina Silva é menos do menos. Leiam abaixo a entrevista de Caiado, concedida à Folha de São Paulo.
Folha - O sr. foi rifado?
Ronaldo Caiado - Eduardo Campos me recebeu em Pernambuco, em sua residência. Assumi, em março, a candidatura dele à Presidência. Fui o único do meu partido, um dos poucos do Brasil [naquele momento]. Ele disse que iríamos sair do duelo [governo/oposição], dessa política de identificar inimigo para ser eleito e prometeu trazer todas as tendências.
Está magoado?
Decepcionado, um balde de água fria. Não temos mais como estar juntos em Goiás. Não vou ter o pé em duas canoas. Quando conversei com Eduardo, não havia esse preconceito. Não imaginei esse gesto agressivo da ex-senadora. Essa tese de inimigo histórico é política talibã. 
Haverá consequências?
É espantoso alguém querer pleitear a Presidência e ter essa visão tão excludente do setor, nacionalmente o maior pilar da economia. Como vou conviver com uma chapa de candidato a presidente que é preconceituosa com o setor primário [agronegócio]? Eu sempre fui muito coerente, mas nunca intolerante. Hoje, não sei identificar se o candidato é Eduardo ou Marina.
O sr. ainda votaria nele para presidente?
[Silêncio] Não. Dispensou meu voto e está excluindo o setor que represento. Não tenho como me posicionar favorável a candidato que diz: 'Olha, existe aqui uma barreira para o produtor rural'. Senti nele uma posição tíbia. Não o reconheço. Não foi a Marina quem aderiu ao Eduardo, foi ele quem aderiu à Marina.
O sr. carrega o símbolo ruralista, mas não é exagero dizer que isso foi um veto ao setor?
Não consigo entender uma pessoa querer governar o Brasil e não querer conversar com representantes de um segmento que é alicerce do país. Eles poderiam, ao menos, ter me avisado que eu fui vendido.
Vendido ou trocado?
Isso me faz lembrar do Afonsinho, jogador de futebol. Ele foi substituir Gerson numa partida no Maracanã. Entra em campo, começa com tudo. Vem o lateral, dá uma trava nele e diz: 'Ô, seu babaca, você não sabe que esse jogo foi vendido, não?'. Podiam ao menos ter me dito que eu tinha sido vendido na noite de sábado. Eu fui atrás da bola, busquei apoio para ele, fiz campanha naquela euforia toda e, de repente, levo o tranco. Deviam ter me dito: Caiado, acorda, você já foi vendido! Faltou sinceridade.
O sr. colocou algum veto à Marina no sábado?
Eles telefonaram para mim eufóricos de alegria. Eu disse que não tinha preconceito. 
E depois, o que houve?
Não sei se foi uma virose, uma bactéria [risos]. Sábado me ligaram até para dizer que o governador futuramente me queria ministro da Agricultura. Veja, eu não estou desenhando algo que não quis ver, não. Eu botei o pé na calçada, e um carro a 300 Km/h me atropela. Não deu nem para ver [a placa].

Nenhum comentário: