quarta-feira, 25 de setembro de 2013

O diretor petista da Conab/Paraná indiciado pela Polícia Federal foi mantido no cargo pelo governo da Organização PT

Dilma mantém no cargo petista indiciado pela PF.
Por Coronel do Blog CoroneLeaks (Coturno Noturno)

O diretor indiciado pela PF já foi até candidato a cargo eletivo.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) afastou ontem sete integrantes da cúpula do órgão no Paraná depois que a Polícia Federal deflagrou uma operação para conter desvios de um dos programas do Fome Zero. Por ora, contudo, a Conab manteve no cargo o diretor de Política Agrícola e Informação Sílvio Porto. Filiado ao PT desde 1995, ele prestou depoimento na PF e foi indiciado na terça por pelo menos três crimes: estelionato, peculato e formação de quadrilha.

De acordo com a Conab, a PF investiga irregularidades no Programa de Aquisição de Alimentos -que é parte do Fome Zero e faz compra direta e doação simultânea para a agricultura familiar. O órgão informou ainda que tem colaborado com a polícia desde 2011. O delegado responsável pela investigação, Maurício Todeschini, diz que há despachos do petista autorizando pagamentos para um dos 15 municípios investigados mesmo com suspeitas de que havia irregularidades.

A operação Agro-Fantasma foi deflagrada ontem pela PF e mobilizou cerca de 200 policiais que cumprem 92 mandados no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Dos 92 mandados, 11 eram de prisão - foram todos cumpridos. A PF ainda prendeu mais três pessoas por porte ilegal de armas. Também foram cumpridos 37 mandados de busca, 37 de condução coercitiva e sete de afastamento cautelar do cargo. Ainda não há estimativa do rombo que a quadrilha causou aos cofres públicos.

Depois de dois anos de investigação, a polícia identificou um grande esquema que desviou recursos de um dos programas do Fome Zero. De acordo com o delegado, foi constatada a simulação de produção e entrega de alimentos feitas pela Conab em diferentes cidades. "A Conab sabia das irregularidades e fazia relatórios falsos para continuar distribuindo dinheiro do programa", afirmou Todeschini. A operação indiciou até o momento 58 pessoas por 11 crimes, entre os quais apropriação indébita, falsidade ideológica e estelionato. (Folha de São Paulo)

Nenhum comentário: