quarta-feira, 28 de agosto de 2013

PROGRAMA DE ESCRAVIZAÇÃO DE MÉDICOS: Padilha tenta inventar a tese da xenofobia e do racismo para esconder o óbvio: ele toca uma programa que escraviza sem preconceitos: brancos, negros, mestiços, homens, mulheres…

Padilha tenta inventar a tese da xenofobia e do racismo para esconder o óbvio: ele toca uma programa que escraviza sem preconceitos: brancos, negros, mestiços, homens, mulheres…
Por Reinaldo Azevedo no blog www.veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

Uma coisa é a gente não gostar do governo, ser crítico, achar que é incompetente. Outra, diferente, é ter de sentir vergonha do que vê, ouve e sabe. Na segunda-feira, profissionais de saúde participaram de um protesto em frente à Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE), onde alguns médicos estrangeiros, que vieram para o programa aloprado de Dilma Rousseff e Alexandre Padilha, participavam de uma solenidade. A assessoria do Ministério da Saúde diz que, durante o ato, o secretário de Gestão Estratégica e Participativa da pasta, Luiz Odorico Monteiro de Andrade, levou um tapa. Se aconteceu assim, não pode acontecer mais. É inaceitável. A reação do governo federal, no entanto, por intermédio do ministro-candidato Alexandre Padilha e do próprio Andrade é absurda. Não tendo como justificar o regime de contratação dos cubanos, os petistas tiveram uma ideia. Reproduzo a fala do ministro ao comentar o episódio:


“Lamento veementemente a postura de alguns profissionais, porque eu acho que é um grupo isolado, de ter atitudes truculentas. Incitam o preconceito, a xenofobia. Participaram de um verdadeiro corredor polonês da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a nossa população apenas naqueles municípios onde nenhum profissional quis ir atender a nossa população”.


Há, nessa fala, uma impressionante soma de tudo o que não presta. Se há coisa de que os brasileiros não podem ser acusados, convenham, é de xenofobia. Ao contrário. No geral, há uma cultura de tolerância com os estrangeiros e, a depender do caso, até de deslumbramento. Quem alimenta certo lastro de rancor contra um povo em particular — o americano — é o governo petista. Como esquecer aquela fala gloriosa de Luiz Inácio Apedeuta da Silva, segundo quem a crise internacional tinha sido criada por “gente loura e de olho azul”? E a acusação de racismo, de onde vem?

Alguns dos médicos e médicas que chegaram ao Brasil, especialmente os vindos de Cuba, são negros. No protesto no Ceará, os manifestantes acusavam o Ministério da Saúde de explorar trabalho escravo. Andrade, o auxiliar de Padilha, deve ter ficado com o juízo meio perturbado. Afirmou:


“O que a gente presenciou foi um ato de truculência, violência, xenofobia, racismo e preconceito. Os médicos brasileiros presentes no ato agrediram verbalmente os médicos cubanos, chamando-os de escravos, de incompetentes e mandando eles voltarem para suas senzalas. Quando os médicos saíram, eu fui agredido com murros, empurrões, tapas, e um ovo acertou a minha camisa.”



Comento

Um tapa ou um monte deles, qualquer coisa é inaceitável! Mas a acusação de “racismo” — porque alguns médicos são negros, e os brasileiros acusam a existência de trabalho escravo — é de uma má-fé que impressiona. Obviamente, os que se manifestam não estão se referindo nem a origem (não é xenofobia) nem à cor da pele dos profissionais. Estão é protestando contra o regime de trabalho acordado entre os governos do Brasil e o de Cuba. Eles estão reagindo ao fato de que o nosso país pagará R$ 10 mil mensais por profissional, mas este verá apenas uma pequena parte desse dinheiro — algo em torno de 20%. A situação é de tão sorte surrealista que as autoridades brasileiras nem mesmo sabem quanto a tirania comunista repassará aos médicos. Isso é lá com ela. Ora, parece evidente que profissionais bem remunerados tendem a trabalhar mais satisfeitos. Até com os cubanos deve ser assim.

Cabe a pergunta: só haverá negros entre os 4 mil cubanos? Segundo o senso de 2002, assim se distribuía a população da ilha: 7.271.926 brancos (65.05%), 1.126.894 negros (10,08%) e 2.778.923 mulatos (24,86%). Ou por outra: em termos percentuais, há mais negros e mestiços somados no Brasil do que em Cuba. Quando os médicos brasileiros gritaram “escravos!” e os convidaram a voltar às suas respectivas senzalas — na hipótese de que tenha acontecido assim mesmo —, era o regime de trabalho que estava sendo atacado. Escravo, branco ou negro, “Isauro” ou não, é todo aquele que não tem liberdade de ir e vir; que não é dono do seu próprio trabalho (porque o Estado dele se apropriou); que é obrigado a servir a um senhor, caso contrário, virá a punição. E não é rigorosamente essa a situação dos médicos cubanos que vieram ao Brasil, qualquer que seja a cor de sua pele? De resto, constato: se os 4 mil médicos forem um espelho da população de Cuba, haverá mais brancos entre eles do que negros. Caso se verifique o contrário, então será preciso examinar a hipótese de racismo, sim, mas em Cuba.

Não, senhor ministro! Não, senhor secretário! As excelências estão apertando o botão do racismo porque sabem que o programa em curso fere diversas leis do nosso país. Então cumpre evocar essa farsa na aposta de que os absurdos nele contidos se percam num debate lateral. Escravos, sim! São escravos porque não são donos do seu trabalho, porque não são donos do seu corpo, porque não são donos de sua própria consciência. O mais massacrado dos operários, nos momentos mais terríveis da Revolução Industrial tinha de seu — cabe visitar o velho Marx —, o trabalho. Essa é, afinal de contas, a constatação original, primeira, a gênese mesmo, que vai resultar na proposta da revolução comunista.

Esse operário era, então, segundo a teoria, obrigado a vender essa força de trabalho por um valor inferior ao que ela rendia — não é Isso? —, e o patrão se apropriava desse excedente. Marx pôs seus furúnculos no traseiro para pensar e teve uma ideia: chega de transferir esse excedente para o patrão! Ele tem de ficar com os próprios trabalhadores. E isso só será possível, definiu, com a socialização dos meios de produção. Não confunda! Abolir também a propriedade privada das cuecas não é ideia de Marx, mas de Pablo Capilé, um pensador que veio algum tempo depois…

Cuba é marxista! Vejam lá no que deu. Aprendemos que o socialismo é a pior distância entre o capitalismo e o escravismo. O “patrão” dos médicos cubanos não está se apropriando do seu sobretrabalho, mas de seu trabalho inteiro — e do dono desse trabalho também. Em troca, os médicos receberão não mais do que uma ração, que ainda é superior àquela que se fornece aos que ficam em Cuba. Ser escalado para esses convênios, ainda que obrigados a deixar na ilha suas respectivas famílias, ainda é melhor do que lá permanecer.

Preconceito uma ova!

Xenofobia uma ova!

Os médicos cubanos — os que mão forem agentes do regime, porque os há aos montes, infiltrados no grupo, a exemplo do que se viu na Venezuela — não podem falar eles próprios porque, se o fizerem, sabem qual é seu destino. Serão imediatamente mandados de volta a Cuba. Como já alertou o buliçoso Luís Inácio Adams, será inútil pedir asilo.


Os asquerosos

O subjornalismo da boca do caixa, financiado por estatais e por gestões petistas, mobilizou a sua tropa nas redes sociais para tentar popularizar a acusação de racismo e xenofobia, como se os médicos brasileiros estivessem contra a presença de colegas estrangeiros e, muito particularmente de negros. É uma gente asquerosa! Esses agora supostos defensores de negros cubanos são os mesmos que apontam o dedo contra Joaquim Barbosa, ligando a cor de sua pele a seu temperamento ou a seu voto no julgamento do mensalão; são os mesmos que lhe cobram gratidão a Lula por ter sido “generoso” e lhe ter dado uma chance.

Não é jornalismo, não é política, não é debate de ideias. é uma variante da formação de quadrilha.

Tags: médicos cubanos, Programa Mais Médicos, escravocracia, Cuba, Brasil, socialismo, comunismo, marxismo, escravagismo, xenofobia, racismo, subjornalismo, preconceito, escravização de médicos, fascismo de esquerda, Organização PT, governo do PT, ditadura socialista, ditadura do PT

Nenhum comentário: