sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

MINIENSAIO ENTEDIADO SOBRE A ESTUPIDEZ. Ou: TUNÍSIA - Uma falsa Primavera, um assassinato e o óbvio que ulula

Tunísia – Uma falsa Primavera, um assassinato e o óbvio que ulula. Ou: Miniensaio entediado sobre a estupidez
Por Reinaldo Azevedo no blog www.veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

Vou escrever sobre a Tunísia. Vou escrever sobre um assassinato. Vou escrever sobre a Primavera Árabe. Mas, antes, sobre o verbo “ulular”.

Nelson Rodrigues pode ter sido o primeiro a colar o particípio presente, feito adjetivo, do verbo “ulular” ao substantivo “óbvio”, criando o “óbvio ululante”, não sei… O fato é que o óbvio começou a ulular com ele e ganhou as ruas. Ulular é o verbo que designa a ação daquele que emite “ulos” ou “ululos”, que são uivos, o dos cães mesmo. Mas não um uivo qualquer. Há de ser aquele penetrante, que insiste, que dura no tempo, que tenta se fazer notar. A língua latina é uma das mais precisas que há (ou houve) porque os romanos eram meio pobrezinhos de imaginação, sabem? As abstrações, para eles, sempre nasciam da experiência concreta, da vida, das coisas, da natureza. Até a palavra “escrúpulo”, sentimento tão nobre e refinado, nasceu de uma pedrinha na sandália, que incomoda… É por isso que, quando se tratou de adotar uma religião ou uma filosofia, os romanos ficaram com aquilo que os gregos já haviam produzido. Usaram as abstrações a que outros já haviam chegado para conquistar o mundo possível… Quando se tratou de buscar um verbo para designar aquilo que é dito aos berros, vociferando mesmo, eles não hesitaram: ficaram com o “ululare” dos cães; ficaram com o substantivo “ululatus”. Estou viajando. Estou, percebo, fugindo do óbvio que ulula. Não sei que palavra os romanos escolheram para designar o cansaço daquele que “ulula”, o tédio de quem vê o óbvio reiteradamente ignorado. Aos fatos, Reinado Azevedo! Deixe de lado a acídia.

Foi na Tunísia que começou o que a imprensa ocidental e alguns intelectuais do miolo mole e esperanças vãs começaram a chamar “Primavera Árabe”. Quem trazia, já ali, o ramalhete de flores para ser colhido por “nossa melancólica humanidade”, para lembrar o Quincas Borba, de Machado de Assis, era a Irmandade Muçulmana — nota à margem: ontem, Mohamed Mursi, presidente do Egito (da Irmandade, sunita), encontrou-se com Mahmoud Ahmadinejad, presidente atômico do Irã e negador do Holocausto, xiita. Flores…

Bem, a Tunísia realizou eleições. Segundo uma dona aí chamada Jocelyne Cesari, lá de Harvard, eleições bastam para criar uma democracia — “diferente da democracia liberal”, claro!, ela adverte, fingindo-se de cândida. Venceu a Irmandade Muçulmana. Com essa forma particular de democracia, cresceu a violência religiosa no país. Os ditos moderados islâmicos se negam a reprimir os extremistas, que saem impondo a sua vontade. A experiência tunisiana é considerada um “modelo” (!!!) de transição de duma ditadura laica para uma quase democracia islâmica.

Pois é… Chokri Belaid, um dos líderes de oposição do país, foi assassinado a tiros nesta quarta. Liderava uma frente de esquerda laica, que fazia críticas duras ao dito partido moderado Ennahda (fachada da Irmandade naquele país), acusando-o de conivente com as violências de extremistas religiosos. Era e é mesmo! Na Tunísia ou no Egito, a Irmandade usa os radicais a seu favor. Estes lhes são úteis de duas maneiras: espalham o medo na sociedade e são a evidência, para os leigos e liberais, de que a coisa pode piorar. Vale dizer: ela se torna, assim, o poder possível no país.

“Reinaldo não percebe que há uma diferença entre o sentimento do povo, a Primavera, e aqueles que dela se aproveitam…” Heeeinnn? O povo se expressou nas urnas, não é?, na Tunísia e no Egito e deu o poder aos religiosos. Eu estou preparado para duas coisas: a)para a maioria não querer a democracia: b) para NÃO CHAMAR isso de “democracia”, ainda que seja a vontade da maioria. Até porque, se a vontade da maioria bastasse para fazer um regime democrático, deveríamos desde sempre ter considerado que os vários fascismos europeus eram apenas formas diferenciadas de… democracia! Quem se atreve?

“Que alternativa, então? Ditaduras leigas?” Desde sempre, meus caros, isso era e é coisa lá deles. Não sendo um tirano que ameace os países livres (como era Saddam Hussein, que tinha mesmo de cair; aquele, sim!), que se virem! O que não faz sentido é as (im)potências ocidentais ajudarem a depor ditadores “amigos” para entronizar os “inimigos”. Essa é uma dialética que só Barack Obama e os que se ajoelham em sua igreja conseguem explicar.

O resultado é o óbvio. E esse óbvio ulula!

Tags: Primavera Árabe, Tunísia, Estados Unidos

Nenhum comentário: