sábado, 23 de junho de 2012

Janio de Freitas, colunista da Folha, vira o Delúbio do colunismo, sai em defesa dos mensaleiros e diz que julgamento é “político”, que se trata de um confronto entre “conservadores” e “reformistas” e que o único modo de o STF provar isenção é absolvendo os réus

Por Reinaldo Azevedo no blog www.veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

O colunista Jânio de Freitas, da Folha, quem diria? — um monte de gente diria…—, saiu em defesa dos mensaleiros em sua coluna deste domingo. Tirando-se o glacê retórico do seu texto, é o que se pode e se deve concluir. Aderiu à tese de José Dirceu, de Lula e do comando do PT: o julgamento do Supremo não teria o objetivo de determinar a culpa ou a inocência de pessoas acusadas de crimes. Nada disso! Segundo ele, trata-se de um “julgamento político”, a opor as “forças reformistas”, que cometeram “erros”, aos conservadores.

Freitas, na retórica, é o Delúbio Soares do colunismo. Aquele chamava a dinheirama ilegal do mensalão de “recursos não contabilizados”. O jornalista rebaixa os crimes à condição de “graves erros”. Mas atenção! Seriam graves erros cometidos “por forças reformistas” — e isso, no texto e no pensamento do analista, quer dizer “forças do bem”. Já as forças do mal, o “conservadorismo”, estariam tentando se aproveitar dessas falhas!

Muitos não se darão conta do aspecto sutil e grave da coluna, que certamente capta uma fermentação que anda nos bastidores do tribunal. Ao chamar o julgamento de “político”, Janio de Freitas está querendo dizer que ele é ilegítimo. Ocorre que o JULGAMENTO É CRIMINAL! O político, no caso dos que detinham mandato, já foi feito pelo Congresso — alguns foram cassados, outro não!

Freitas defende em seu texto que o julgamento seja “técnico”. Para que o seja, tem de se ater às provas, aos elementos do inquérito. Logo, não pode ser… político! Como político ele diz que é, está pedindo que os ministros ignorem os fatos e se posicionem sobre outra batalha: a dos “reformistas” contra os “conservadores”.

Leiam estes dois parágrafos, que encerram a coluna:
Esse, contrariamente ao considerado, é um processo essencialmente político. Opõe o conservadorismo que se valeu e pode voltar a valer-se do grave erro de parte das forças reformistas e, no outro lado, o reformismo, mesmo o reformismo de baixo teor que se revelou.
As pressões estão ativadas. Cada ministro, no Supremo, tem que julgar o mensalão com a mais absoluta isenção política. Do contrário, não estaria julgando, mas fazendo política. E sabemos o que os tribunais estão fazendo de fato, quando fazem política.


O colunista sustenta que estamos diante de um processo político a opor reformistas (os acusados bonzinhos) e os conservadores (os acusadores malvados). Não obstante, convida os ministros a… julgar com “isenção política” — ou estariam “fazendo política”. Não é preciso ser muito bidu para concluir que está afirmando que só há um modo de o Supremo provar essa isenção: absolvendo os réus — do contrário, estaria se alinhando com “os conservadores”.

Logo no primeiro parágrafo, o autor elogia Ricardo Lewandowski por sua “serenidade, equilíbrio e segurança” e sustenta que o resultado do julgamento será “de importância extrema para o futuro da democracia no Brasil”. Huuummm… Considerando o que vem depois, somos levados a crer que, caso José Dirceu, o chefe de quadrilha (segundo a PGR), seja condenado, a democracia estará correndo riscos…

Para provar a sua tese, comete o seguinte parágrafo:
Muitas CPIs têm sido perturbadas pela influência do fator emocional. É assim desde ao menos a esquecida “república do Galeão”, em que oficiais da FAB puseram-se nos papéis de CPI, polícia e Judiciário a propósito, no clímax das emoções, do atentado ao seu ídolo Carlos Lacerda por guarda-costas de Getúlio, à revelia deste. A democracia não se reabilitou, apenas resistiu até 1964.

O mau prosélito é socorrido pelo mau historiador. A “República do Galeão” foi consequência da tentativa de matar Lacerda, não o contrário. E, no caso, o “ídolo” era a vítima, não o algoz. Ao fazer essa referência, Janio insinua, o que é um delírio estupefaciente, que as mesmas forças que derrubaram Getúlio e João Goulart estariam hoje empenhadas em condenar os mensaleiros. Escrever uma coluna como essa no término da semana em que o réu principal, José Dirceu, fez uma defesa enfática da aliança do PT com Paulo Maluf corresponde, lamento dizer, a engabelar os leitores.

Um texto que começa elogiando Lewandowski, que se desenvolve sustentando que tudo não passa de um confronto entre “reformistas e conservadores” e que termina conclamando os ministros do STF a ser isentos é, sem dúvida, um texto com começo, meio e… finalidade!

Janio de Freitas não precisará mais se esforçar depois dessa coluna. Nunca mais conseguirá escrever algo tão ruim. Agora só pode melhorar. Não deixa de ser um consolo.
Texto publicado originalmente às 6h31

Tags: Mensalão, Janio de Freitas, Carlos Lacerda, República do Galeão, julgamento político, julgamento criminal

Nenhum comentário: