quarta-feira, 11 de abril de 2012

O CONSERVADOR REPRESENTA SEGURANÇA DE VIDA AO MAIS FRACO. O PROGRESSISTA REPRESENTA A LEI DA SELVA: OS MAIS FRACOS SERÃO ELIMINADOS

Conservadorismo ou lei da selva
Escrito por Carlos Ramalhete* e publicado no site www.midiasemmascara.org

Uma das brigas mais antigas na Filosofia é entre Parmênides e Heráclito. Aquele dizia que nada muda; este dizia que só há mudança. Ambos estão certos, e ambos estão errados.

Nos tempos de hoje, em que vivemos a transição de um modelo de civilização decorrente do pensamento iluminista, por sua vez uma versão antropocêntrica do pensamento medieval, para algo que ainda não se tem como saber o que será, este debate volta a ter importância.

O que é mutável? Muitos parecem crer que tudo o seja. A família, a ética, o certo e o errado ganham o peso de uma folha seca levada pelos ventos. E o que é imutável? Para uns, nada. Para outros, quase tudo, incluindo coisas que surgiram há pouquíssimo tempo.

A sociedade, contudo, é algo que se constrói de novo a cada geração. Cada criança que nasce precisa ter acesso àquilo que foi construído pelas gerações anteriores, precisa aprender de novo tudo o que foi descoberto, ou aquilo se perde. O médico inglês Theodore Darlrymple descobriu, horrorizado, que toda uma geração de ingleses das classes mais baixas nunca comeu em família. São frequentes os casos de escorbuto, causados por uma alimentação à base de batata-palha e cerveja.

Em uma geração foi possível desaprender a se alimentar. É muito mais fácil desaprender a música (quem toca um instrumento por partitura, hoje em dia?), desaprender a escrita, ou ao menos a sua norma culta, desaprender o convívio social mais elementar. Duas gerações de brasileiros sem chapéu já fizeram com que esquecêssemos que ele deva ser tirado à mesa, enquanto ela existe.

A conservação da sociedade passa pela conservação dos seus hábitos e saberes, pela percepção de que eles precisam ser retransmitidos e reensinados a cada nova geração.

Os entusiasmos sociais são passageiros: os mesmos que no Domingo de Ramos saudavam a entrada triunfal do Cristo em Jerusalém votaram, democraticamente, para que Barrabás fosse solto na Sexta-Feira da Paixão.

Os valores expressos nos hábitos provados pelo tempo, contudo, trazem em si algo que permanece, algo que merece ser conservado e retransmitido de geração em geração. Basta que uma não o faça para que algo seja perdido, para que seja dado mais um passo no rumo da entropia, da dissolução dos laços sociais.

É esta ordem conservada pelas gerações que garante aos mais fracos a sobrevivência na sociedade; quando ela é desprezada em prol de entusiasmos passageiros, prepara-se o sacrifício dos mais fracos. A única alternativa real ao conservadorismo é a lei da selva.

Publicado na Gazeta do Povo.

*Carlos Ramalhete é professor.

Nenhum comentário: