quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Dois presidentes comentam a morte de dois ditadores: George W. Bush, o homem mau, e Barack Obama, o homem bom

Por Reinaldo Azevedo no blog www.veja.abril.com.br/blog/reinaldo/

O presidente do EUA, Barack Obama, que comandou as ilegalidades cometidas na Líbia e o desrespeito à resolução aprovada pela ONU, comentou a morte de Muamar Kadafi. Leiam o que vai na VEJA Online. Volto em seguida.

“A morte de Muamar Kadafi marca o fim de um longo e doloroso capítulo para a Líbia”, afirmou, nesta quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em discurso na Casa Branca, em Washington. Obama elogiou ainda a coragem do povo líbio e pareceu dar um aviso aos demais países onde acontecem revoltas: “Outras forças autoritárias terão o mesmo fim”.

Para o americano, a morte de Kadafi mostra que o mundo islâmico não tolera mais os governos ditatoriais. “Os habitantes da Líbia têm a partir de agora uma chance de poder determinar seu próprio destino em uma Líbia nova e democrática.”

“Para a região, os eventos de hoje provam mais uma vez que os regimes de mão-de-ferro sempre acabam. Em todo o mundo árabe, cidadãos se levantaram para exigir seus direitos. Os jovens rejeitam com força a ditadura. E esses dirigentes que tentam recusar sua dignidade não conseguirão fazer isso”, acrescentou Obama.

Voltei
Nossa! Hoje verei o Jornal da Globo a certa distância. Arnaldo Jabor deve estar impossível. Imaginem só! Obama agora prometeu, de modo um tanto oblíquo, acabar com todos os ditadores do mundo. Ulalá! A burocracia tirana da China e a família Saud, na Arábia Saudita, devem ter tremido nas bases. Os primeiros ficaram tendo borborigmos estertorosos sobre uma montanha trilionária de títulos da dívida americana; os outros ficaram se contorcendo sobre lençóis de petróleo… Dai-me temperança, Senhor!

A fala de Obama, além de irresponsável — é claro que serve de incentivo a levantes —, é indecorosa. Não disse uma só palavra, uma miserável que fosse, sobre a forma como se deu a captura, a exposição humilhante e a posterior execução extrajudicial. Nada!

No dia seguinte à execução de Saddam Hussein no Iraque, depois de um julgamento, o então presidente do EUA, George W. Bush comentou a morte do ex-ditador:
“Gostaria, evidentemente, que o processo de execução tivesse sido conduzido de uma maneira mais digna, mas, de qualquer maneira, fez-se a justiça que milhares de pessoas que ele matou não tiveram. Minha impressão é que Saddam Hussein teve um processo que ele não quis conceder a milhares de pessoas que matou. Esperamos que se faça uma investigação detalhada do que aconteceu”.

Agora Barack Obama diante de uma execução extrajudicial, depois da humilhação pública:
“Outras forças autoritárias terão o mesmo fim”.

Obama está prometendo novas execuções extrajudiciais!

Bush, como vocês sabem, era a Besta do Apocalipse dos esquerdistas, descolados e miolos-moles em geral. Obama é o Demiurgo, o redentor. Os fatos falam por si. Por que lembro essas coisas? Porque tenho boa memória. Felizmente e por enquanto, ela só melhora com a idade. E também tenho valores! Não os negocio nem com homens mauzinhos nem com homens bonzinhos.

É bom o reino ideal da gente não ser deste mundo! A fé pode ser uma coisa muito progressista! A gente aprende a não tratar Deus como homem. Mas também aprende a não tratar homens como deuses.

Nenhum comentário: