quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Continuo em campanha em favor do voto distrital; é preciso ir à raiz do problema. Agora é uma questão de decência!

Caros, não há modelo que seja imune à ação dos corruptos. Mas há, sim, os sistemas que são tolerantes com a lambança e aqueles que são hostis a ela. Estou a cada dia mais convencido de que uma das raízes do mal da política brasileira é o voto proporcional, a forma como elegemos os nossos representantes na Câmara. Parlamentares hoje não são mais representantes da população, mas de corporações de ofício, sindicatos, lobbies disfarçados de correntes de opinião etc.

O voto distrital melhoraria brutalmente a qualidade da democracia. Quando menos, confere ao eleitor o poder de vigiar a ação do parlamentar que representa a sua região. Este é um primeiro passo em favor da moralidade. Também será preciso discutir a descentralização do poder. O Brasil está longe de ser uma “república federativa”, como consta de seu nome oficial. Mas isso fica para mais tarde.

Avaliem. É preciso transformar o voto distrital na causa das pessoas de bem. O ideal seria aprová-lo já em 2012. Será muito difícil. Que se tente em 2014, em 2016, não importa. Quanto mais tarde, pior para o Brasil, mas que venha mesmo tarde. Não dá é para desistir. O voto distrital também baratearia brutalmente as campanhas. Candidatos teriam de concentrar seus esforços numa região bem menor do que hoje; ficariam menos dependentes de “financiadores” de campanha, que depois cobram a “devolução” do investimento…

Existe um movimento no Brasil em favor do voto distrital. É suprapartidário. Por isso sinto-me engajado nele e os convido a considerar a hipótese de assinar uma petição em favor da mudança. Caso concordem com a tese, multipliquem os esforços para que cheguemos logo a 100 mil assinaturas. O site está aqui. Neste post, digo por que a mudança é necessária. É preciso, sim, banir os bandidos mesmo do sistema em vigência. Mais importante, no entanto, é criar mecanismos que dificultem a vida dos larápios. Entendo que o voto distrital passou a ser uma questão de decência.

Nenhum comentário: