domingo, 15 de maio de 2011

KARL MARX INVENTOU UM SISTEMA SOCIALISTA EM OPOSIÇÃO AO HOMEM CAPITALISTA CRIADO POR DEUS, MAS O ESTADO RESULTANTE FOI TOTALITÁRIO E ATEU


Karl Marx criticou a economia política de Smith e afirmou que o capitalismo estaria constantemente à beira da derrocada.

Em 1867, noventa anos depois de Smith, Karl Marx publicou a primeira edição do livro “O Capital”. Em português. A edição é composta de seis volumes, três livros e 2.600 páginas. Marx foi o responsável pelo termo capitalismo. A maioria dos seus seguidores não leu integralmente o original ou alguma tradução. Leram outros escritos do autor, como, por exemplo: o “Manifesto Comunista” de 1848.

Marx fazia uma crítica contundente à economia de mercado. Dizia que a mão invisível do mercado não existia. Segundo ele, só existia a mão visível do capitalista explorando a mais valia do trabalhador. Essa exploração seria facilitada pelo governo que interferia no mercado para favorecer o detentor de meios de produção ou capitalista. Afirmava ser necessário eliminar essa exploração e transferi-la de volta ao trabalhador por meio da centralização de todos os meios de produção no estado que redistribuiria aos proletários os excedentes produzidos pelo trabalho.

Segundo Marx, o mercado nunca estaria equilibrado. Logo, o preço de mercado jamais existiria e, nesse caso, o valor da mercadoria deveria ser determinado exclusivamente pelo custo do trabalho nela inserido. O lucro seria uma extração de mais valia (exploração de quem trabalha), a qual deveria ser eliminada por intermédio de um estado que planificaria a economia e fixaria preços conforme custos do trabalho de produção.

O lucro do empresário (que também trabalha) seria uma injustiça com o trabalhador, pois este merecia ficar com o lucro do próprio trabalho. Para corrigir essa aparente injustiça Marx formulou o estado comunista que, segundo ele, eliminaria o capitalista explorador e retornaria o lucro ao trabalhador.

Prosseguindo, Marx disse que a necessidade de lucro e de acumulação do capital faria o capitalismo estar em constante crise. Chegaria o dia em que o proletário apenas empurraria as portas abertas do capitalismo e formaria um novo estado comunista.

Na Rússia, esse dia chegou, mas o estado resultante foi totalitário e se esvaiu em 1989. Na verdade, o estado comunista eliminou até a esperança daquele que acredita que trabalhar produz comida e riqueza. Com isso, a sociedade socialista russa perdeu muita produção e muitos talentos individuais.

O povo russo sofria de pobreza espiritual porque a ditadura impedia até mesmo a manifestação da crença em Deus. Por outro lado, a pobreza material aumentou porque ninguém queria produzir para um estado que se dizia dono e produtor de tudo. Nenhum pai tinha liberdade de ensinar os valores do trabalho e do sentimento cristão para seu filho porque os mesmos deveriam ser internados em escolas públicas muito cedo.

2 comentários:

Anônimo disse...

SERVE...

Anônimo disse...

É PODE SER ESSE...NAO ERA O QUE EU QUERIA MAS TUDO BEM