segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

SÍMBOLO NA PRAÇA TAHRIR

Símbolo na praça Tahrir
Artigo publicado por Nivaldo Cordeiro no site www.midiasemmascara.org em 21 Fevereiro 2011.

Está em curso uma ação orquestrada pelos radicais islâmicos para derrubar a ordem estabelecida e pôr no seu lugar governantes revolucionários, como os do Irã. Esconder esse fato elementar do grande público é um ato criminoso.

Reiteradas vezes, ao ler a coluna do aloprado Clóvis Rossi, sempre fico na dúvida se devo comentá-la ou não. Custa-me perder meu tempo diante de textos que são puro estrume. Por outro lado, Rossi fornece temas preciosos para que possamos agir contra a revolução da burrice, aquela que Gramsci pôs em marcha e que tem em Clóvis Rossi um seguidor sincero. Radical, porém sincero. Crédulo, porém sincero. Burro, porém sincero. Ele se entrega às suas mendacidades sem qualquer pudor e tudo me leva a crer que seus leitores no Folhão de São Paulo o têm como oráculo. Clóvis Rossi é o retrato da Folha.

No artigo de hoje (19) (A praça Tahrir já não tem limites), no qual ele insiste, em alinhamento com a imprensa esquerdista internacional, que está em curso no mundo árabe uma revolução democrática, que poderia chegar até mesmo à arcaica e terrorista monarquia da Arábia Saudita. A tese delirante esconde o mais fundamental: está em curso uma ação orquestrada pelos radicais islâmicos para derrubar a ordem estabelecida e pôr no seu lugar governantes revolucionários, como os do Irã. Esconder esse fato elementar do grande público é um ato criminoso, uma mentira que esconde outra ainda mais grave: mudança da ordem no mundo árabe é alimentar os inimigos do Ocidente. Sem os militares egípcios no poder, por exemplo, o risco de guerra contra Israel cresce exponencialmente. Um grande paradoxo.

Gente como Clóvis Rossi ignora que o fechamento do Suez equivale a declarar uma nova guerra mundial. E a mudar para sempre o modo de ser ocidental. Não é brincadeira o que está em jogo.

Piormente, esses analistas mal intencionados não apontam a fraqueza e o titubeio da diplomacia obâmica e hilária, que acabou por favorecer a saída de Mubarak, um aliado precioso. Exatamente como foi feito por Jimmy Carter com a saída do Xá e a entrega do poder aos mulás do Irã. Deu no que deu.

Clóvis Rossi está certo. A Praça Tahrir tem um símbolo: a curra impiedosa da jornalista americana, Lara Logan. Pela malta revolucionária. É tudo o que os radicais revolucionários islâmicos querem fazer ao ocidente: um estupro, e não apenas das mulheres. Esse sujeito, Clóvis Rossi, não é sério. Sua coluna é uma coleção de sandices mentirosas.

Nenhum comentário: