quinta-feira, 9 de setembro de 2010

NO BRASIL, VENCE ELEIÇÃO QUEM COMPRA VOTO COM DINHEIRO PÚBLICO.

Escrevi o artigo abaixo no carnaval deste ano 2010. A previsão era de que ganharia a eleição quem mais tivesse dinheiro público. Veja o artigo

OS SINAIS CAPITALISTAS DA POLÍTICA COMO ELA É.

No carnaval 2010, pré-candidatos a presidente procuraram aparecer o máximo possível. Quem tem mais dinheiro aparece mais. Do Paraná foram ao Rio de Janeiro. De São Paulo foram a Salvador. De Brasília foram a Recife, Salvador e Rio de Janeiro. Do Paraná foi financiado por um capitalista muito rico. De São Paulo, não se sabe. De Brasília, foi financiado pelo dinheiro público de Brasília, Recife, Salvador e do Rio de Janeiro. Se a eleição depender principalmente de dinheiro público, já se sabe quem ganhará.

O blog do Josias de Souza (www.josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br) publicou no carnaval a seguinte notícia sobre os bastidores do poder: Dilma vive caso machadiano com Cabral e Garotinho. Em vias de celebrar um casamento político com Cabral, Dilma promove escondidos entendimentos com Garotinho. Bentinho Cabral tomou-se de doentio ciúme ao saber que, dias atrás, Dilma Capitu reunira-se com Escobar Garotinho.

Resumindo, dois rivais assediaram uma dama poderosa porque manipula dinheiro do orçamento público. Em Salvador e Recife, a dama foi igualmente assediada pelos cobiçosos do poder. Os outros pré-candidatos quase não foram assediados.

O blog do Esmael Morais (www.esmaelmorais.com.br) publicou na mesma semana do carnaval: Donos de jornais, rádio, televisões e sites – e jornalistas, radialistas, etc. – vêm demonstrando uma unidade quase canina em torno do nome do prefeito de Curitiba, Beto Richa, do PSDB, na disputa pelo Palácio Iguaçu. (...) Confesso que eu não sei precisar se essa preferência tem um viés político ou ideológico, enfim, se é um desejo republicano ou não (...): eles querem ficar com o dinheiro da propaganda do Beto ou tem uma preferência política e ideológica pelo Beto? Ou esses setores da mídia estariam torcendo para o “prefeitaço” se dar mal? Pelo exposto até aqui neste blogdonavarro, não resta dúvida que a imprensa quer somente o dinheiro da propaganda feita pelos cofres públicos.

Os blogs do Esmael e do Josias descrevem a política sob o ponto de vista esquerdopata, mas não dizem os motivos das decisões políticas. Isso porque os motivos das decisões políticas não são explicitados, apesar de os motivos verdadeiros serem claros. Alguns políticos, quando explicitam os motivos dizem: Em nome do socialismo, em nome do bem público ou em nome dos eleitores. Nunca dizem a verdade que é: Em nome do aumento do meu capital.

Na verdade, o relacionamento entre humanos é sempre regrado pelas relações de troca de coisas. O amor está em segundo plano. Entre dois homens, duas mulheres ou entre um homem e uma mulher sempre há dominante e dominado. A dominância é mais em função dos atributos ou coisas que se possui. Mesmo que o domínio seja alterado pela passagem do tempo, em cada momento há um animal dominante sobre outro ou sobre outros. Assim funcionam as regras da conquista de poder ou da política.

Cada qual usa suas propriedades, armas ou artifício para dominar. Simpatia, oratória, dinheiro, carisma, tradição, beleza, herança, classe social, sexo ou cargos burocráticos são os artifícios mais comuns. Todos são usados na época da eleição. No entanto, nenhum deles tem tanto poder quanto o dinheiro. Isso ocorre porque o dinheiro é a moeda de troca entre esses atributos.

Porém, nenhum capitalista sozinho tem dinheiro suficiente para comprar os votos necessários para exercer o poder. A solução é apropriar-se do dinheiro público. É com ele que se compra a maioria dos votos. Assim, quem tem mais possibilidades de dominar, de exercer o poder, é quem ocupará posição que manipula dinheiro público.

Nesse sentido, maldita foi a hora que mudaram a Constituição da República para instituir a reeleição. Maldito é o instituto da reeleição. Depois disso, quase todo poderoso de plantão usou dinheiro público para comprar votos necessários para se reeleger. A máquina do estado ficou mais corrompida. Concluindo, a política atual mais aparente é a de compra de votos com dinheiro do cidadão para perpetuar os poderosos de plantão.

No entanto, o poder exercido em nome do cidadão jamais deveria ser usado para corromper o cidadão comprando-lhe o voto ao troco de algo. Infelizmente, é assim que a política é. Só muita consciência política para acabar com a reeleição em todos os níveis e acabar com o uso privado do dinheiro público. Que não venham aqueles que se dizem socialistas dizerem que esse é um mal do capitalismo e defenderem o pior: A concentração eterna de todos os poderes do estado nas mãos de um só.

E daí, quem usou mais dinheiro público nessa eleição de 2010 ganhará a eleição? Você tem dúvida de que é o último passo da implantação de uma ditadura?

Tags: dinheiro público, compra de voto, reeleição, oratória, carisma, beleza, Esmael Morais, Josias de Souza, governo do PT, ditadura do PT, esquerdismo, socialismo, desesperança, manipulação de dinheiro público

Nenhum comentário: