terça-feira, 14 de setembro de 2010

A ESTRATÉGIA DOS DITADORES CUBANOS É PERMITIR O CAPITALISMO PARA MANTER O PODER. OU: CEDEM-SE OS ANÉIS, MAS SE RETÊM OS DEDOS.

Fidel Castro reconheceu que o socialismo não funciona em Cuba. Por que ele fez isso? Reconhecer o fracasso do modelo socialista depois de cinqüenta anos para quê? Ora, é para garantir o poder à dinastia Castro.

O fracasso é verdadeiro. O socialismo não funciona porque o animal homem nasceu e sempre será capitalista. O homem não trabalha se não for para enriquecer a si próprio. Por que trabalhar para enriquecer ao estado? É isso que explica o insucesso de todas as economias socialistas impostas ao homem.

Depois de reconhecer o fracasso, Fidel Castro passou à ação. Vai despedir meio milhão de funcionários públicos. Verificou que despedindo funcionários ele estará liberando seu povo para o trabalho autônomo. É claro que isso não funcionará se ele não garantir que o resultado do trabalho privado será apropriado pelo próprio dono do trabalho ou, melhor dizendo, pelo próprio capitalista.

Você deve perceber que o trabalhador também é capitalista e deseja liberdade para trabalhar no que quiser e que ficar com a propriedade das coisas produzidas é um desejo natural do homem sempre capitalista. Não adianta forçar pessoas a trabalhar de maneira socialista porque não há motivação, haja vista que a motivação é interna ao homem. Não é pelo socialismo ou por qualquer modelo igualitário que o homem trabalha. Ele só trabalha para si mesmo.

O estado cubano controla 95% da economia da ilha comunista. A população ativa (aqueles em idade de trabalhar) da ilha é de cinco milhões. Destes, aproximadamente cento e cinqüenta mil trabalham por conta própria como motoristas de táxi, cabeleireiros e garçons atendendo turistas. O ditador cubano pretende licenciar 120 novos tipos de negócio (sapateiros, engraxadores, cabeleireiros, mecânicos, jardineiros etc).

Embora o governo cubano tenha garantido que não abandonaria ninguém à própria sorte, muitos ficaram inquietos. Outros, já desconfiados da permanente pobreza da ilha, ficaram felizes de poderem trabalhar por conta própria e receberem salários ou lucros maiores que o ridículo salário estatal: 20 dólares ou menos de quarenta reais por mês. Esse é o salário resultante de cinqüenta anos de socialismo. É a miséria quase absoluta.

Para quem continua estranhando a guinada capitalista dos irmãos Castro devo reafirmar que é uma estratégia de poder semelhante à chinesa. Na China, o modelo socialista faliu cedo, mas o Deng Shiao Ping implantou o capitalismo competentíssimo para vender produtos baratos por conta do baixíssimo salário chinês. Em compensação, os ditadores chineses continuaram no poder. Percebam que insistir na economia socialista é perder poder. Ou seja: os ditadores ficam, mas se vão os anéis.

Tags: Cuba, socialismo, Fidel Castro, Raul Castro, China, Deng Shiao Ping, abertura cubana, funcionários públicos, emprego em Cuba, governo do PT, esquerdismo

Nenhum comentário: