sábado, 14 de agosto de 2010

CONSERVADOR X PROGRESSISTA: MAIS VALE UM PÁSSARO NA MÃO QUE DOIS VOANDO - O CONSERVADOR PREFERE UM PÁSSARO NA MÃO.



Foto 1 – Florianópolis – nível do mar - Dezembro/2009 – Temperatura da água: 22°
Foto 2 – Lago Titicaca – 3800m acima nível do mar - Bolívia/Peru Dezembro/2006 – Temperatura da água:

Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar escreveu um excelente artigo intitulado “O QUE PENSAM OS CONSERVADORES”. O artigo foi publicado no dia 01 de maio de 2010 no site: www.midiasemmascara.com.br. Ele resumiu o pensamento conservador da seguinte maneira:

“A natureza humana sofre irremediavelmente de certas falhas graves, bem conhecidas pelos conservadores. Sendo o homem imperfeito, nenhuma ordem social perfeita poderá jamais ser criada. Buscar a utopia é terminar num desastre, dizem os conservadores.”

Os parágrafos seguintes são resumos feitos conforme o texto de Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar. O único parágrafo somente do autor deste blog é o último.

No discurso político do Brasil atual, conservadores são àquelas pessoas que simplesmente desejam manter o status quo, qualquer que seja ele. Assim, "conservador" seria sinônimo de reacionário, tradicionalista, preconceituoso e avesso a riscos. Mas não é este o conceito correto de conservador.

Os adversários dos conservadores são os progressistas (liberais, esquerdistas e socialistas). Enquanto os liberais querem a maior liberdade possível, os esquerdistas pretendem alcançar a maior igualdade possível. Portanto, o que distingue um liberal de um esquerdista é o valor predominante - quando mais importante for a liberdade para ele, mais ele será um liberal; quanto mais importante for a igualdade para ele, mais ele será um esquerdista. Aqueles que tentam compatibilizar os dois valores em um termo médio são conhecidos como centristas. Mas todos são progressistas.

Para os progressistas, progredir e evoluir seriam, em si, algo benéfico para a sociedade. Superar a tradição é o objetivo tanto de liberais quanto de esquerdistas. Mais ainda: querem fazer uma sociedade melhor e até um ser humano melhor. A promessa é a mesma: se seus programas forem integralmente implementados (o que é, naturalmente, impossível), haverá uma espécie de "paraíso na terra". Diferem apenas quanto ao modo de fazer isso: com mais liberdade individual, para os liberais, ou com mais igualdade, para os esquerdistas.

Por isso, liberais e esquerdistas concordam em diversos aspectos. Primeiramente, há um repúdio, quase automático, a quaisquer posicionamentos ligados à tradição judaico-cristã ocidental. São encontrados exemplos nítidos na defesa, muitas vezes incondicional, do aborto e da legalização das drogas. Também há o desprezo por institutos como o casamento e a monogamia. Finalmente, também é bastante comum a defesa de um relativismo moral, considerando que as noções de certo e de errado podem, legitimamente, variar de indivíduo para indivíduo (liberais); e de sociedade para sociedade, e até em uma mesma sociedade, a depender do momento histórico (esquerdistas).

Como visto, o termo "conservador", atualmente, é utilizado muito mais como um insulto do que como seria sua conotação exata. Em tempos progressistas, em que ideologias não conservadoras querem encaminhar o mundo para "um lugar melhor", produto de mais liberdade, para os liberais, ou de mais igualdade, para os socialistas, pode-se questionar: o que propõem os conservadores? Em primeiro lugar, uma saudável dúvida a respeito do que deve ser mudado, em contraposição àquilo que precisa ser mantido.

Porém, a simples reserva contra o progressismo e o apreço pela tradição não são suficientes para definir o conservadorismo. É necessária a crença na existência de valores "fundacionais", ou seja, fundamentais para a sobrevivência de quaisquer comunidades políticas. Portanto, ser conservador é acreditar, em primeiro lugar, na existência da natureza humana, própria da espécie e, portanto, imutável. Esse é o ponto essencial a ser preservado. Isso leva, inevitavelmente, a um direito natural, ou seja, a um conjunto de normas que, independentemente das condições históricas e locais, devem ser obedecidas para que a natureza humana tenha as condições para ser realizada de forma plena. O cristianismo lida com a essência da natureza humana. Por isso, a imensa maioria dos conservadores é cristã.

A crença na natureza humana implica uma série de princípios morais a serem seguidos, mas, principalmente, repele qualquer alegação de relativismo moral, ou seja, de que as normas morais seriam completamente dependentes da época histórica e da sociedade e que seriam sempre "negociáveis". Mais ainda: reconhece a existência de critérios concretos para definir o que é certo e o que é errado. Da crença na existência da natureza humana, emerge uma característica marcante do conservador: o ceticismo das promessas de um ser humano melhor.

Concluindo, o progressista não acredita em Cristo, mas luta constantemente por um ser humano melhor. Logo, também acredita nas utopias, no socialismo, no comunismo e no paraíso na terra e, por fim, acredita que o ser humano pode evoluir a ponto de viver mil anos e de não precisar de sexo para se reproduzir. Por sua vez, o conservador acredita em Cristo, mas não acredita num ser humano melhor. Logo, também não acredita num paraíso na terra e nem que o homem evolua a ponto de viver mil anos ou de não precisar de sexo para se reproduzir. E você: É conservador ou progressista?

Tags: conservador, progressista, viver mil anos, utopia, cristianismo, natureza humana

Nenhum comentário: