quinta-feira, 20 de maio de 2010

NO ESTADO SOCIALISTA, O PREÇO É IGUAL AO CUSTO DIRETO DO TRABALHO SOMENTE


Segundo Marx, que propôs um estado socialista antes do comunista, o valor da mercadoria seria determinado exclusivamente pelo custo direto do trabalho nela inserido. Todos os demais custos seriam custos do governo produtor, os quais não teriam sentido em entrar no custo da mercadoria. O lucro, o prejuízo e todos os valores que excedessem ao custo direto do trabalho seriam apropriados ou assumidos pelo estado.

Os equipamentos, constantes das composições de custos usuais, seriam expropriações da mais valia do trabalhador acumuladas pelo dono do capital. Seria o trabalho humano extraído, explorado e transferido ao produto ou serviço sob a forma de máquinas e equipamentos. Os materiais ou matérias primas também seriam exclusivos do estado. Por isso, não entrariam no preço.

Porém, o governo socialista monopolista da produção passou a ser improdutivo e ineficiente. Faltava-lhe a iniciativa do empresário inovador. Mas, a princípio, não seria um estado injusto, pois não havia a exploração do trabalhador pelo capitalista. Também não havia empresários apropriando-se de dinheiro do estado por meio de BDI ou outros estratagemas.

No estado socialista não havia mercado estabelecendo preços. O preço era determinado pela soma dos custos diretos do trabalho. Não havia necessidade de se colocar outros custos, pois tudo era resumido ao custo do trabalho agregado à mercadoria. Não existia lucro, pois o único empresário era o governo socialista que deveria redistribuir a produção.

Os custos ambientais também ficariam fora do preço porque nenhum material extraído da natureza teria valor, haja vista que toda matéria do planeta seria do estado. Ou seja, tudo seria só dele ou do monstro estatal.

Esse sistema socialista inventado como o oposto do comportamento capitalista faliu, mas o governo interventor na economia, gastador e favorecedor de empresários ineficientes ainda existe. É o caso do pagamento de preço de monopólio (preço com BDI), costume ilegal nas licitações públicas brasileiras.

Tags: estado socialista, custo do trabalho, preço socialista, estado improdutivo, estado ineficiente, custo ambiental, matéria prima

Nenhum comentário: