sexta-feira, 21 de maio de 2010

NO ESTADO CAPITALISTA COM CONCORRÊNCIA, O PREÇO É IGUAL ÀQUILO QUE O CONSUMIDOR PAGA





Segundo Adam Smith, que descreveu a sociedade organizada pelo homem capitalista, o valor da mercadoria seria determinado pela lei da oferta e da procura. O custo não importaria porque não existe trabalho no valor do diamante, mas existe trabalho no fornecimento de um litro de água que não tem valor.

Os equipamentos, constantes das composições de custos usuais, seriam capitais acumulados pelo cidadão capitalista que seriam usados em substituição à mão de obra. Portanto, os equipamentos que substituem trabalho humano são remunerados pelas horas trabalhadas e pelos consumos de materiais ou combustíveis.

O empresário inovador todo dia inventa um novo produto ou fabrica o mesmo produto com menor custo. Faz tudo isso porque tem liberdade de trabalhar para quem quiser na hora que quiser.

Não há estado igualando pessoas desiguais. Há um estado garantindo liberdade. Também não existe ditadura obrigando àquele que trabalha a dar tudo que produz para o estado ou para quem não trabalha. Ou seja, tudo que é produzido é seu.

A propriedade dos meios de produção estimula o trabalho porque você pode trocar o produto do seu trabalho com outro produto que deseja. Tudo isso aumenta a produção capitalista e distribui maiores quantidades de riquezas à sociedade.

No estado capitalista quem estabelece o preço é a concorrência de mercado. A concorrência obriga a que o preço seja igual apenas à soma dos custos diretos do trabalho e dos materiais. Não há necessidade de se colocar outros custos, pois tudo seria resumido ao custo do trabalho e de novos materiais agregado à mercadoria.

Quase não há diferença entre o preço do estado capitalista e preço do estado socialista. Uma diferença é que no estado capitalista todos trabalham muito, mas são felizes porque todo produto é de quem trabalha. No estado socialista, não há vontade de trabalhar porque o produto do trabalho é do estado.

No estado capitalista há perseguição do lucro, mas o mesmo é eliminado pela concorrência. A grande vantagem é que não se precisa remunerar o estado castrador de individualidades e de talentos. A sociedade capitalista é produtiva, inovadora, redutora de custos, de preços e produtora de riquezas cada vez maiores que beneficiam a todos.

Outra diferença é que no estado capitalista é possível colocar valor nos materiais extraídos da natureza. Quanto maior o preço do material, menor o consumo e assim a natureza pode ser mais protegida pela imposição de um imposto sobre a extração dos materiais da natureza. No estado socialista não há propriedade da terra e, por isso, não é possível o imposto ambiental.

Tags: custo ambiental, concorrência de mercado, distribuição de riqueza, estímulo ao trabalho, consumismo,  capitalismo, casamento, festa, felicidade, direito de propriedade

Nenhum comentário: