sábado, 15 de maio de 2010

CUSTO DE SE MANTER A POSSE DO CAPITAL


Foto praia do Paraná. Janeiro de 2007.

Capital é o somatório de meios de produção que o capitalista tem para gerenciar o processo produtivo. Recursos financeiros, equipamentos, materiais, recursos humanos, idéias, ou seja: é tudo aquilo que serve para impulsionar, motivar ou puxar a produção de algo que a sociedade queira.

O capitalista é o dono do capital. O trabalhador é dono da sua própria força de trabalho. Quem produz é o trabalhador ou o capitalista? Responde-se que são os dois. Contudo, o empresário capitalista possui muitos capitais e o trabalhador (sempre capitalista) só possui o próprio corpo.

Qual é o custo de se manter a posse do capital? É o valor que por ele é pago ou é aquilo que se gasta para mantê-lo produtivo? Responde-se que o capitalista tem custos diretos e indiretos para manter capital produzindo, mas o consumidor só paga pelos custos diretos ou só paga o preço daquilo que lhe dá benefícios diretos.

Quem paga o preço do envelhecimento do único capital do trabalhador? É ele próprio. É evidente que o trabalhador assume esse custo sozinho. Corpo envelhecido deprecia e perde valor. O trabalhador, ao invés de receber, paga para continuar com seu corpo vivo e produzindo. Logo, assim como o trabalhador assume os custos da manutenção do próprio corpo, também o dono do capital deve assumir custos de manutenção da posse dos muitos capitais que tem.

Pelo exposto, numa conclusão preliminar, pode-se afirmar que a Administração não deve remunerar custos de manutenção, de mobilização, de seguros, de segurança ou das demais despesas e custos indiretos de manutenção da posse do capital. Também não deve pagar BDI, garantir lucro ou devolver imposto direto ao empresário.

No entanto, ao contrário dessa conclusão, a Administração paga o custo de manter a posse do capital e estimula a existência do empresário que carrega a empresa numa pastinha. Ele aparece na licitação só para negociar e receber pela desistência de proposta. Caso seja vencedor, não se preocupará, haja vista que a Administração pagará todas as despesas de mobilização e de custos do capital que poderá ser tomado de empréstimo dali por diante. Tudo que for necessário para montar e fazer uma empresa funcionar será pago. Logo, conclui-se que o pagamento das despesas de manutenção da posse do capital é um absurdo.

Tags: custo da posse do capital, corpo do trabalhador, capital, BDI, manutenção do capital, força de trabalho, processo produtivo, praia do Paraná

Nenhum comentário: