quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

PAPA FRANCISCO: O Papa que dividiu a Igreja Católica. Possível novo cisma na Igreja

Escrito por Luis Dufaur e publicado na ABIM
Na Venezuela, os bispos imploraram a intercessão do Papa Francisco junto ao ditador Nicolás Maduro [foto acima] — por quem nutre simpatias —, para fazer cessar a perseguição religiosa e a miséria no povo venezuelano, que procura alimento nas lixeiras, que não encontra remédios nas farmácias ou gasolina nos postos, que foge pelas fronteiras, sofre repressão assassina, e padece como vítima de um “genocídio” material e moral ([xxxii]).

A única resposta do Soberano Pontífice da Igreja foi uma nota, qualificada de o “pior papelão diplomático de seus mais de quatro anos de pontificado” ([xxxiii]). José Palmar, pároco em Maracaibo, invocou os católicos mortos e presos, e disse: “É lamentável o mutismo de Francisco sobre a realidade totalitária, ditatorial e violenta do regime. O que ele falou foi como se tivesse dito a Lázaro: Não vais ressuscitar, ficarás aí, podre na cova” ([xxxiv]). Ao fazer uma apologia do Pontífice, o presidente-ditador venezuelano declarou que havia uma “campanha internacional” urdida contra ele pelos “poderes do mundo” ([xxxv]).

O “Wall Street Journal” sintetizou: “Quando o Papa Francisco quer que sua mensagem chegue àqueles que ele desaprova, nunca lhe faltam palavras, sobretudo em se tratando dos EUA. Mas quando se trata da brutalidade do governo venezuelano contra o seu próprio povo, o Papa e o Vaticano preferiram silenciar o nome de Nicolás Maduro.”

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

6 – GENOCÍDIOS COMETIDOS POR ISLÂMICOS NO ORIENTE MÉDIO, NO NORTE DA ÁFRICA E NA TURQUIA. Ou: Genocídios acontecem, mas não há genocídio quando os alvos estão armados

     Os cristãos são presa fácil dos criminosos por que não se armam acreditando na boa-fé do próximo. Melhor seria ter fé em Cristo, mas ao mesmo tempo prevenir-se em face de aqueles que não têm Deus.Vigiai e orai por que ninguém sabe a hora.
     Nesse sentido, complementando o assunto genocídios mencionado anteriormente, praticamente ninguém fala do genocídio dos cristãos que ocorre até os dias de hoje. Estima-se que os islâmicos assassinam 100.000 cristãos por ano simplesmente por estes não negarem a fé em Cristo.
     O ano 632 d.C é considerado o início do islamismo ou do império socialista do Islão. Naquele ano, toda a população do Oriente Médio, Norte da África e Turquia era formada por cristãos. Hoje, quase 1.400 anos depois, as regiões e o país citado são totalmente islâmicos. 
    Sabe o que ocorreu com os cristãos que viviam naquelas regiões? Foram assassinados pelos soldados de Maomé ou de seus sucessores, os quais nunca lutavam por uma religião ou por um Deus, mas lutavam pela formação de um império.
     Considerando que os islâmicos assassinaram e assassinam cristãos até hoje, estima-se que duzentos e setenta milhões de cristãos foram assassinados por degolamento, fuzilamento e outras mortes naquelas regiões.
     Gary North* escreveu e publicou no site www.midiasemmascara.org um artigo intitulado DESARMAMENTO E GENOCÍDIOS. Dois aspectos são destacados: 1) Os armênios eram cristãos e, por isso, deveriam ser exterminados e 2)Os armênios foram previamente desarmados para não resistirem. Gary North conta, resumidamente, a história do genocídio assim:
     No dia 24 de abril deste ano (2013), o primeiro genocídio do século XX completará 98 anos: o governo turco dizimou mais de um milhão de armênios desarmados. A palavra-chave da frase é justamente esta última: "desarmados".
     Os turcos escaparam de uma condenação mundial porque utilizaram a desculpa de tudo ter sido uma 'medida de guerra'. Findada a Primeira Guerra Mundial, eles não sofrerem nenhuma represália por este ato de genocídio. É como se o governo turco não houvesse conduzido absolutamente nenhuma medida de homicídio em massa contra um povo pacífico.
     Outros governos perceberam que o ardil funcionara e rapidamente tomaram nota do fato. Era um precedente internacional conveniente demais para ser ignorado.
     O genocídio armênio de 1915 foi precedido por uma limpeza étnica parcial, a qual durou dois anos, 1895—97. Aproximadamente 200 mil armênios foram executados.
     Os armênios eram facilmente identificáveis. Alguns séculos antes, os invasores turcos otomanos (islâmicos) os haviam forçado a acrescentar o "ian/yan" aos seus sobrenomes. Como os armênios estavam dispersos por todo o império, eles não possuíam o mesmo tipo de concentração geográfica que outros cristãos possuíam na Grécia e nos Bálcãs. Eles nunca organizaram uma força armada para oferecer resistência. E foi isso o que os levou à destruição. Eles não tinham como lutar e resistir.
     Os armênios eram invejados porque eram ricos e mais cultos do que a sociedade dominante. Eles eram os empreendedores do Império Otomano. O mesmo ocorreu na Rússia. O mesmo ressentimento existia na Rússia, embora não com a intensidade do ressentimento que existia na Turquia.
     As estimativas não-turcas falam em algo entre 800 mil e 1,5 milhão de armênios mortos. Embora a maioria destes homicídios tenha ocorrido com o uso de baixa tecnologia, os métodos eram extremamente eficazes. O exército capturava centenas ou milhares de civis, levava-os até áreas desertas e inóspitas, e os deixava lá até que literalmente morressem de fome.
     O nome Arnold Toynbee é bem conhecido. Já na década de 1950 ele era um dos mais eminentes historiadores do planeta. Seu estudo, compilado em 12 volumes (1934—61), sobre 26 civilizações não possui precedentes em sua amplitude. Sua obra O Tratamento dos Armênios no Império Otomano foi sua primeira grande publicação.
     Por que algumas organizações armênias não dão ampla divulgação e notoriedade a este documento é algo que me escapa completamente. O livro está em domínio público. A seção a seguir, que está na Parte VI, "As Deportações de 1915: Procedimento", é iluminadora. Leia-a com atenção. Trata-se do aspecto crucial de todo o genocídio. O governo confiscou as armas dos cidadãos.
     Um decreto foi expedido ordenando que todos os armênios fossem desarmados. Os armênios que serviam no exército foram retirados das fileiras combatentes, reagrupados em batalhões especiais de trabalho, e colocados para construir fortificações e estradas. O desarmamento da população civil ficou a cargo das autoridades locais. Um reino de terror foi instaurado em todos os centros administrativos. As autoridades exigiram a produção de uma quantidade estipulada de armas. Aqueles que não conseguissem cumprir as metas eram torturados, frequentemente com requintes satânicos; aqueles que, em vez de produzir, adquirissem armas para repassá-las ao governo — comprando de seus vizinhos muçulmanos ou adquirindo por qualquer outro meio —, eram aprisionados por conspiração contra o governo.
    Poucos desses eram jovens, pois a maioria dos jovens havia sido recrutada para servir o estado. A maioria era de homens mais velhos, homens de posse e líderes da comunidade armênia, e tornou-se claro que a inquisição das armas estava sendo utilizada como um disfarce para privar a comunidade de seus líderes naturais. Medidas similares haviam precedido os massacres de 1895—96, e um mau presságio se espalhou por todo o povo armênio. "Em uma certa noite de inverno", escreveu uma testemunha estrangeira desses eventos, "o governo enviou soldados para invadir as casas de absolutamente todos os armênios, agredindo as famílias e exigindo que todas as armas fossem entregues. Essa ação foi como um dobre de finados para vários corações".
     Há uma razão por que os governos são tão empenhados em desarmar seus cidadãos: eles querem manter seu monopólio da violência a todo custo. A ideia de haver cidadãos armados é apavorante para a maioria dos políticos. Afinal, para que serve um monopólio se ele não pode ser exercido Cidadãos armados impõem um limite natural à tirania do estado. 
     Conclusão
     Genocídios acontecem.
     Mas não há genocídio quando os alvos estão armados.

*Gary North, ex-membro adjunto do Mises Institute, é o autor de vários livros sobre economia, ética e história. Visite seu website.

Publicado no site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

5 - SOBRE OS GENOCÍDIOS PROVOCADOS POR ESQUERDOS OU POR ISLÂMICOS NA RÚSSIA, NA ALEMANHA, NA CHINA, NO ORIENTE MÉDIO, NO NORTE DA ÁFRICA E NA TURQUIA.

Marx e Engels escreveram o Manifesto do Partido Comunista em 1848. Sessenta anos depois da Revolução Francesa. O texto esquerdo, que era carregado da essência do mal e cheio de mentiras começou dizendo: Um espectro ronda a Europa – o espectro do comunismo. 

A única verdade do texto era o que eles diziam que era mentira. O espectro do comunismo rondava, de verdade, a Europa. O comunismo ou o socialismo era e ainda é um espectro horrendo, perigoso e brutal que ronda a natureza humana, essencialmente capitalista em todos os tempos.

O espectro socialista predito por Marx instalou-se na Rússia em 1917 e na Alemanha em 1933. O resultado da instalação do socialismo nos dois países foi sessenta milhões de mortos só no tempo da 2ª guerra mundial.

O objetivo principal dos socialistas que iniciaram a Segunda Guerra Mundial era matar seres humanos de qualquer dos lados. Antes daquela guerra, o chefe dos esquerdos (Stalin) já havia assassinado vinte milhões de compatriotas russos e Hitler (o subchefe) já matava alemães. Não importava de que lado estava o morto. O importante para os psicopatas esquerdos é que morressem muitos filhos de Deus.

Marx e Engels, inspiradores dos assassinos socialistas citados no parágrafo anterior não foram derrotados ao término da Segunda Guerra em 1945, muito menos pela queda do Muro de Berlim em 1989, haja vista que continuam a impor mundo afora os mesmos pensamentos destruidores do ser humano.

Nos Estados Unidos, o esquerdo Barack Obama promoveu o aborto, casamento gay e tudo aquilo que importava em destruição da família e da religião cristã que são as bases da resistência ao socialismo. Na América Latina, o Foro de São Paulo patrocina ditaduras socialistas como as de Cuba, Venezuela, Bolívia, Equador, Nicarágua, Argentina e Brasil. Na Europa, a União Europeia persegue países que não seguem a cartilha socialista, como é o caso da Hungria. Na Rússia, Vladimir Putin representa a continuidade da ditadura socialista da KGB.

Na China, o partido comunista é o dono das vidas de todos os escravos que conseguiram nascer à revelia da política do filho único que provocou desequilíbrio na população chinesa. Hoje, a população chinesa é composta de 710 milhões de homens e de 590 milhões de mulheres.

Isso ocorre por que os chineses preferem assassinar (por aborto ou ao nascer) filhos do sexo feminino e essa preferência provocou 260 milhões de assassinatos de mulheres e 140 milhões de homens nos últimos 30 anos. O governo chinês é o mal agindo na sua principal essência, a eliminação da vida na face da terra (ver fonte aqui https://www.epochtimes.com.br/populacao-chinesa-sofre-de-grave-desproporcao-entre-os-sexos-2/).

Mas ainda há outro genocídio que ninguém fala: o genocídio dos cristãos que ocorre até os dias de hoje. Estima-se que os islâmicos assassinam 100.000 cristãos por ano simplesmente por que estes não negam a fé em Cristo. Isso não se fala e não se contabiliza porque quem faz isso mente e quer esconder a verdade para sempre.

O ano 632 d.C é considerado o início do islamismo ou do império socialista do Islão. Naquele ano, praticamente toda a população do Oriente Médio, Norte da África e Turquia era formada por cristãos. Hoje, quase 1.400 anos depois, as regiões e o país citado são de população islamizada. 

Sabe o que ocorreu com os cristãos que viviam naquelas regiões? Foram assassinados pelos soldados de Maomé ou de seus sucessores, os quais nunca lutavam por uma religião ou por um Deus, mas lutavam pela formação de um império.

Não há dados suficientes para estimar a população do Século VIII d.C na área citada, mas se pode estimar, comparando áreas e população de outros países na época, em vinte milhões de habitantes. Considerando que os islâmicos continuam assassinando cristãos até hoje, pode-se fazer outra estimativa: duzentos e setenta milhões de cristãos foram assassinados por degolamento, fuzilamento e outras mortes lá naquelas regiões. É  de se deduzir que lá houve o maior genocídio da história humana (ver fonte aqui http://blogdonavarro2010.blogspot.com.br/2015/02/islamismo-maior-maquina-assassina-da.html#more).

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

4 - A ECONOMIA DO HOMEM CAPITALISTA. Ou: Você considera que o progresso do homem vem da mão invisível do mercado ou vem da própria cultura cristã embutida no capitalismo?

Adam Smith é o pai da Economia por ser o mais importante teórico da economia capitalista. Ele publicou, em 1776, o livro “Uma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações”, no qual procurou demonstrar que a “riqueza das nações” resultava da atuação de indivíduos movidos pelo próprio interesse.

Ele afirmava: não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu autointeresse.

Defendia que o homem capitalista devia ser completamente livre para comprar e vender e que o estado não deveria intervir. A competição livre entre os diversos fornecedores levaria não só à queda do preço das mercadorias, mas também às constantes inovações tecnológicas por conta da ânsia de se baratear o custo de produção para vencer os competidores.

Outra frase de Adam Smith tornou-se famosa: Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse egoísta, é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade. Como resultado da atuação da mão invisível, o preço das mercadorias deveria descer e os salários deveriam subir.

Mas antes de publicar seu livro mais importante, Smith publicou, em 1759, a “Teoria dos Sentimentos Morais” em que avaliava a economia com mais ênfase na harmonia geral dos motivos e atividades humanas, enquanto que na teoria da mão invisível, Smith apontava causas de conflitos e de egoísmo estreito na motivação humana.

Adam Smith estabeleceu importantes conceitos regedores das sociedades capitalistas. Descreveu uma sociedade que não precisava do estado para produzir e para permanecer em equilíbrio. Segundo Smith, o preço da mercadoria seria determinado pelo mercado e todos trocariam seus produtos individualmente e segundo seus próprios interesses. 

Adam Smith não inventou um sistema e não lhe deu a alcunha de capitalista. Apenas descreveu o que era o homem que sempre buscava lucro e sempre defendia seus próprios interesses. Quem alcunhou de capitalista o modo de vida descrito por Smith foi Marx que inventou um sistema socialista oposto àquele descrito por Adam Smith. 

Enquanto Smith descreveu um homem capitalista cheio de defeitos, mas que a ganância provocava o progresso material (sempre capitalista), Marx inventou um sistema socialista que exige um ser humano perfeito que tende a eliminar o ser capitalista criado por Deus e, por isso mesmo, também tende a eliminar o progresso material naturalmente existente na criação divina.

sábado, 13 de janeiro de 2018

3 - OS DOIS LADOS DO MURO DAS RELAÇÕES HUMANAS. Ou: DIREITA E ESQUERDA NA POLÍTICA

Que todo homem é capitalista é uma premissa tão válida quanto: Todo homem é mortal. Ser socialista é apenas uma máscara. Na verdade, não existem homens socialistas porque, se existissem, abririam mão de suas próprias coisas em prol do estado e isso jamais ocorre com esse homem criado por Deus e que nunca será mudado.

Os comportamentos humanos são, em termos sociais, conservadores ou esquerdistas. Quanto mais desejo de igualdade material mais se tende ao esquerdismo e quanto mais liberdade mais se tende ao conservadorismo. Mas todos são capitalistas porque isso é da natureza humana.

Aristóteles ensinou que a sabedoria estaria no meio termo. Sendo assim, sábio seria ficar em cima de um muro imaginário. Porém, não se gosta daquele que se posiciona dubiamente porque, na hora da decisão, corre para um dos lados comportando-se como adesista.

Conservadores querem manter as liberdades e os direitos já reconhecidos como naturais e os progressistas jogam tudo no lixo em nome da construção de um novo homem. Sempre existem aqueles que não tomam posição, mas são levados pela corrente vencedora do momento.

Os comportamentos do homem sempre capitalista são, em termos econômicos, liberalistas ou socialistas. Liberalistas querem o estado mínimo e socialistas querem o estado máximo. Em termos econômicos, o conservador é um liberalista e o esquerdista é um intervencionista.

O leitor deve saber que conservadores, capitalistas e liberalistas estão do mesmo lado direito do muro e não há muitas diferenças entre eles. Do outro lado do muro estariam os esquerdistas, socialistas e intervencionistas também sem muitas diferenças entre si. A principal diferença entre os dois lados é o fato de que as economias dos países com instituições conservadoras progridem muito mais que as esquerdistas.

Outra coisa muito importante, mas muito importante mesmo, é saber que fascismo, nazismo, comunismo, darwinismo, evolucionismo, ambientalismo, socialismo e islamismo estão do mesmo lado esquerdo do muro imaginário. Fascismo, nazismo e stalinismo são a verdadeira face dos esquerdos. 

Os “esquerdos” escondem que só lutam por posições de poder. Eles sabem que o socialismo é uma mentira. O islâmico mente aos outros e a si mesmo dizendo que o islamismo é uma religião divina, mas a verdade é que islamismo não passa  de um método de conquista do poder de outras nações para formar um grande império islâmico.

Esses indivíduos não conservadores mentem continuamente almejando posições de poder junto aos governos ou de uma facção de poder ao lado dos ditadores de Cuba, Coréia, Venezuela ou dos estados islâmicos. Os serem humanos devem observar e perceber isto: O "deus islâmico" jamais apareceu para fazer um milagre sequer. 

Porém, a mentira não prevalece por muito tempo. Por isso, os “esquerdos” logo provocam a desinformação e a guerra visando permanecer no poder como se viu na Alemanha e hoje se vê em Cuba, Coréia, Venezuela e em todos os estados islâmicos.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

2 – TODO SER HUMANO É CAPITALISTA.

O homem nasceu e cresceu capitalista. Não foi a sociedade que o tornou capitalista, mas ao contrário: a sociedade é capitalista porque assim é o cidadão que a compõe. Os defeitos e as virtudes do homem sempre capitalista vieram no nascimento. Aquela criança de início inocente e indefesa cresceu e se revelou pronta para o ataque e a defesa.

Os homens bons são aqueles que não se acham perfeitos. Os maus são aqueles que querem transformar você de capitalista para socialista, de ganancioso para virtuoso e de falso para verdadeiro. O homem não é ruim, mas é defeituoso. Não é bom, mas tem virtudes. Obrigá-lo a evoluir para ficar sem defeitos significa matá-lo. Você morrerá se for socializado.

O animal homem luta pela vida o tempo todo. Mata para se salvar. Prende pensando que pode corrigir algum ladrão malvado. Criou o estado para viver em harmonia, mas sem se modificar. Preferiu compatibilizar diferenças. A não ser na natureza, homem não é igual nunca, mas deve ser tratado como se fosse. Todos, absolutamente todos, querem possuir propriedades porque as coisas materiais garantem o pão de cada dia.

A escassez da natureza obriga o homem a trabalhar. Trabalhando ele constrói riquezas. Estudando cria tecnologias e diminui trabalho. Mas sendo ocioso regride. Os socialistas defendem o ócio. Dizem que não há necessidade de trabalhar porque o estado forneceria tudo. É uma mentira. É o mesmo que prometer o céu para garantir o inferno.

O homem que se diz socialista é falso como o diabo. Quer propriedades sem trabalhar. Quer capitalizar as coisas dos outros cidadãos e socializar o trabalho em prol do estado e não de você. O socialista quer ser o dirigente do estado que explora o homem sempre capitalista. Eles são prejudiciais ao progresso material e social de qualquer tipo de sociedade. Na verdade, o socialista é o capitalista mais defeituoso possível e, por isso, não se pode deixá-lo governar.

O problema é que todos os capitalistas são tentados a possuir sem contribuir com trabalho. E o político socialista usa esse defeito do ócio para convencer você de que o socialismo é bom. Da mesma maneira que a serpente enganou Eva, o ideal socialista ilude o homem capitalista. É necessário vigiar para não cair nas garras do socialista destruidor do homem como ele é.

O homem capitalista é cheio de defeitos, mas cheio de vida porque trabalha para construir. O homem capitalista é o verdadeiro garantidor de direitos naturais porque luta por si mesmo. O homem que não nega ser capitalista também não renega Deus, mas o que se diz socialista acha-se perfeito a ponto de matar por um paraíso na terra e, consequentemente, deve saber que seu destino é o inferno.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

O TESOURO DAS INDULGÊNCIAS - Ou: A origem da revolta (equivocada) de Lutero

O tesouro das indulgências
Escrito por Sergio Bertoli* e publicado na ABIM em 11 de Janeiro de 2018.
Meia hora de visita ao Santíssimo Sacramento

Para um católico seriamente praticante, que conhece pelo menos os pontos básicos do Catecismo, a Santa Igreja é de uma beleza incomparável. Seus tesouros espirituais, descobertos a cada dia, são sempre motivo de encantamento, alegria e admiração.

Para os não católicos ou os indiferentes à Igreja, mas principalmente para aqueles que lhe têm um ódio profundo, qualquer pequena calúnia levantada contra Ela ou o mau procedimento de algum de seus filhos é pretexto para arroubos de indignação e deblateração.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

1 - SOBRE A NATUREZA HUMANA IGUALITÁRIA

A vida é uma doação divina que é especial no ser humano. O homem é um ser único e, por isso, com diferenças físicas e comportamentais infinitas. No entanto, todos, nós somos iguais por que é da nossa natureza possuir os sete pecados e as sete virtudes da natureza humana. 

É apenas em sua natureza que os homens são iguais desde o nascimento até a morte. Porém, à medida que os dias passam, os indivíduos humanos são influenciados pelos mais variados ambientes e se tornam diferentes a ponto de um considerar-se melhor que outro. 

A mudança é percebida a partir do primeiro dia de vida de cada um. Você muda sua personalidade a cada vez que conhece uma ideia, um objeto, uma pessoa ou que você invente algo novo. No entanto, você não retira de si algum dos sete pecados ou ganha uma das sete virtudes.

Por isso, o indivíduo que mudou de favelado a milionário não pode querer que o filho nasça com as características que foram adquiridas pelo pai ao longo da vida. Da mesma maneira, aquele que matava passarinhos na infância e adolescência, mas que aos cinquenta anos tem horror aos caçadores de animais pode ter filhos que vão ser matadores de animais da mesma maneira que o pai o foi.

A igualdade entre seres humanos nunca foi material, mas derivada do fato de que todo homem nasce com sete pecados e sete virtudes opostas. Defeitos e virtudes que mudam aquele ser que, ao nascer, tinha instintos básicos resumidos como sendo capitalistas. 

O erro dos evolucionistas, progressistas, socialistas, ambientalistas e outros é pretender que a mutabilidade individual e humana torne-se evolução coletiva. Esses indivíduos não conservadores pensam que o estado pode criar um novo homem que viveria mil anos, não precisaria de sexo para se reproduzir e que nunca mais haveria humanos portadores dos pecados originais do recém-nascido.

Discorda-se dessa visão evolucionista, pois é preferível acreditar que o homem foi criado por Deus a acreditar que o homem veio do macaco. O que se deseja é que o estado não interfira na evolução individual, no progresso material ou na fluência da vida e da riqueza.

O ser humano tem livre arbítrio de escolher o caminho de vida a ser trilhado, mas sua natureza não é livre dos pecados que só podem ser perdoados por Deus e nunca pelo estado que é uma máquina que não perdoa, mas assassina àquele que cobiçou a coisa do próximo.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

POR QUE SER CONSERVADOR?

Tudo que existe no tempo passa. Estamos fadados a desaparecer. Muda o valor das coisas, muda a moda, os costumes, tudo muda. Enfim as coisas passam, pois a natureza leva tudo consigo. Viemos do pó e a ele tornaremos. Não somos nada além de pó e vida dada por Deus.

O conservador é um amante de Deus que fez a natureza racional, harmônica e justa. Ele foi tão justo que às vezes enxergamos uma natureza impiedosa, bem diferente da lógica ecologista que a trata como nossa mãe.

A natureza fornece o material e o homem fornece o trabalho e disso provém o progresso material da humanidade. O homem conservador ama a natureza, mas sabe que dela se alimentará só depois de muita fadiga.

Por seguir esta lei divina, o homem conservador se esforça para manter dos costumes aquilo que condiz com ela. Desse esforço dos conservadores dá-se o nome de tradição que é o ato de se preservar os bons costumes com ética e com verdade.

Sem a pretensão de mudar a natureza do próximo, o conservador respeita as liberdades individuais e resiste às tentativas de mudança externa. Contudo o conservador crê que o homem pode mudar desde que essa mudança seja sempre uma experiência individual.

O espírito dos tempos traz consigo as mais variadas novidades e mudanças, o progresso material traz novas realidades, outros costumes e novos modos de interação humana. Com isso, cabe ao conservador analisar, discernir e orientar os melhores caminhos diante do novo ao mesmo tempo em que preserva a tradição sem perder o princípio básico de respeitar a lei natural. Portanto, ser conservador é preservar e conservar tudo aquilo que é bom.

Então? Por que ser conservador?

Para que possamos manter o que é bom, respeitando a natureza humana como ela é. Para fazermos bom uso do progresso material e para que acima de tudo entendamos que estamos aqui para viver em função do próximo, lembrando sempre que um dia nosso corpo tornará ao pó e nossa vida será julgada por Deus que se lembrará daquilo que conservamos em prol da humanidade.

Chegou o momento da nova geração de conservadores salvar mais uma vez as próximas gerações. As coisas não nos são mais difíceis que foram para nossos antecessores. Elas sempre foram difíceis, pois tudo que se conserva está sempre sendo ameaçado. Esta é a luta do conservador! Venham para o Partido Conservador - PaCo!

sábado, 6 de janeiro de 2018

FUNDO PARTIDÁRIO - OPINIÃO DO PARTIDO CONSERVADOR - PaCo

O fundo partidário foi criado em 1965, no início do governo militar, visando a subordinar os dois únicos partidos permitidos à época: ARENA e MDB. 

Esses dois partidos subdividiram-se no PFL, DEM, PMDB, PDT, PSB, PSDB, PT, bem como outros foram criados. No entanto, nenhum deles abriu mão dos institutos fascistas do fundo partidário e do imposto sindical. Quem mais se beneficiou do fascismo foi o PT que nasceu e cresceu por intermédio do imposto sindical e do fundo partidário.

Está claro que o Brasil mantem um sistema eleitoral autoritário, haja vista que o governo que distribui o dinheiro do fundo partidário subordina os políticos recebedores do dinheiro público e, por intermédio das negociações sobre quem receberá, controla os partidos e impõe a pauta fascista.

O governo de plantão beneficia velhas estruturas partidárias distribuindo recursos por meio do compadrio político muito bem aceito pelos líderes partidários que todo ano aumentam a verba pública para o fundo de maneira a sustentar viagens, despesas de gabinete, mordomias de seus funcionários, mesmo já recebendo altos rendimentos da função parlamentar.

A existência do fundo partidário facilita a perpetração no poder de políticos que nunca pensam no povo, mas sim em seus currais eleitorais e isso estimula a corrupção. Onde há democracia não há necessidade de os partidos receberem dinheiro do governo central.

Portanto, o Partido Conservador – PaCo – tudo fará para que o fundo partidário seja extinto porque isso contribuirá para a formação de uma sociedade mais livre, mais justa, mais rica e com políticos não subservientes ao governo de plantão, mas mais voltados a servir a comunidade.

Gostou da nossa opinião? Então acesse o site www.paco.org.br, imprima a ficha de apoio e nos ajude na coleta das 487.000 assinaturas de apoio necessárias ao registro definitivo do PaCo.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

SOBRE OS MOVIMENTOS SEPARATISTAS

Os movimentos separatistas, na verdade, têm como principal objetivo livrarem uma parte do território do estado centralizado e opressor (de Brasília, de Washington ou de Pequim). No entanto, alegam que querem a separação por motivos geográficos, econômicos ou, em alguns casos, derivados da história das etnias que formam o estado opressor.

O Movimento “O Sul é o Meu País”, confirmando a regra descrita no parágrafo acima, quer separar os estados do Sul brasileiro do inimigo central em Brasília. Se conseguirem a separação, pretendem adotar um modelo batizado de “Confederação Municipalista”. Os governantes municipais ficariam com 70% da arrecadação e o governo da confederação de municípios ficaria com os 30% restantes.

Porém, o artigo 1º da Constituição Federal diz: “A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal”, torna muito difícil o sucesso do movimento. Além disso, os estatistas, os socialistas e todos aqueles que querem um estado grande e ineficiente rotulam desonestamente os separatistas de racistas e de outras imputações injustas.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

SOBRE SEPARAÇÃO, DIVÓRCIO, CELIBATO, PERDÃO E PECADOS COMETIDOS DEPOIS DO CASAMENTO CATÓLICO

Católicos, castidade e perdão
Escrito por Olavo de Carvalho, 30 de maio de 2017, no Mídia Sem Máscara
Levanto uma pergunta sobre o celibato forçado das pessoas leigas e, em resposta, surge uma discussão sobre o celibato clerical. Por favor: Muito ajuda quem não atrapalha. Em nenhum momento perguntei se o celibato forçado dos cônjuges separados é certo ou errado. Se a Igreja diz que está certo, está. O que está cem por cento errado — e nisto não adiantaria nem um Papa me contradizer — é colocá-las nessa situação e depois não se interessar nem um pouquinho em saber como isso afetou sua vida real, o que aconteceu com elas, quantas elas são, quantas por isso abandonaram a Igreja, quantas arranjaram amantes, etc. etc. O desinteresse por esse assunto é um escândalo, sobretudo se comparado à curiosidade insana e ânsia de opinar sobre o celibato clerical. Procurei, procurei, e não encontrei um único livro ou tese universitária a respeito. Comparem com a pletora de livros, teses, artigos, debates, filmes, programas de TV sobre o celibato clerical, e respondam: Por que tanto interesse pelos que escolheram o seu destino e nenhum por aqueles a quem ele foi imposto contra a sua vontade? A única resposta boa seria:
— Tem razão, professor. Vou estudar esse assunto e escrever um livro a respeito.

No Brasil tudo pode acontecer. Juro que isso é verdade. Quando morávamos em Petrópolis, havia ali uma igreja evangélica na qual um pastorzinho, no auge do fervor insano, orava assim:
Porra, Deus! Abençoa nóis, caraio!
Acredito cem por cento que não havia sombra de malícia nessa loucura.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Feliz 2018 com muita evolução individual e progresso material


A figura é a representação dos Sete Pecados Capitais por Bosch
Fonte: Wikipedia

Os homens nascem iguais entre si. Daí, a cada dia que passa, são influenciados pelos mais variados ambientes e se tornam diferentes a ponto de um considerar-se melhor que outro e assim começam os conflitos que podem ser controlados pelo estado, mas não com imposições de perda de liberdade ou de mudança da natureza humana. 

A mudança, percebida a partir do primeiro dia de vida, ocorre em cada um. Isto é, você pode mudar sua personalidade a cada vez que conhece uma idéia, um objeto, uma pessoa ou que você mesmo invente algo novo. No entanto, você não muda sua natureza humana. Por isso, o indivíduo que mudou de favelado a milionário não pode querer que seu filho nasça com as características que foram adquiridas pelo pai ao longo da vida. Vale a quase regra: Pai rico, filho nobre e neto pobre. 

Depois do nascimento, a evolução individual passa pelas situações de amor e ódio misturados com os pecados da avareza, luxúria, preguiça, ira, soberba, gula, inveja, ganância e outros defeitos ou virtudes que mudam aquele ser que, ao nascer, tinha todos os instintos básicos do ser humano, mas era inocente e despreparado para viver e para se reconhecer como filho de Deus. 

O erro (mais provável que seja má fé pelo poder) dos evolucionistas, progressistas, socialistas, ambientalistas e outros é pretender que a evolução individual torne-se evolução coletiva. Esses indivíduos não conservadores pensam que o estado pode criar um novo homem que viveria mil anos, não precisaria de sexo para se reproduzir e que nunca mais haveria humanos portadores dos pecados originais do recém-nascido. 

Discordo dessa visão evolucionista, pois prefiro acreditar que o homem foi criado por Deus a acreditar que o homem veio do macaco. O que desejo aos que me leem é evolução individual, progresso material coletivo, riqueza e felicidade advinda de reconhecer que não estamos livres dos pecados originais e que devemos pedir perdão a Jesus Cristo e não ao estado, haja vista que este elabora leis para nos tirar a liberdade e a vida. 

Portanto, nesse ano que inicia e nos próximos, desejo que você reconheça sua natureza imutável criada por Deus. Uma natureza que pode evoluir individualmente, mas que precisa, antes do final da vida, reconhecer a filiação divina. Isso significa que você deve lutar por mudanças em você mesmo, mas não nos outros. A mudança imposta aos outros pelo estado nunca ocorre por que este não é doador de nossa vida e nem de nossa liberdade. 

Vida e liberdade são atributos que ganhamos e conquistamos seguindo os dez mandamentos da vida, da liberdade, da riqueza e da felicidade escritos por Deus nas tábuas de Moisés.

Feliz 2018!

sábado, 30 de dezembro de 2017

UMA TÍPICA MENTIRA ABORTISTA

Uma típica mentira abortista
Escrito por Hélio Angotti Neto e publicado no Mídia Sem Máscara, 30 de dezembro de 2017.
Se proibir, aumenta? Enquadrando a discussão.

Nas conversas entre aquelas pessoas a favor da vida humana e aquelas a favor do direito de decidir ou, em termos mais diretos, nas brigas entre os que são contra e os que são a favor do aborto, respectivamente, alguém do último grupo sempre costuma apelar para um dado curioso. Segundo a sabedoria abortista, proibir o aborto aumenta o número de casos. Se o aborto fosse legalizado, segundo eles, os casos de aborto tendem a diminuir.

Para muitos isso pode parecer contraditório. E, na maioria dos casos, é pura contradição mesmo!

Essa é mais uma das muitas mentiras a respeito do aborto que são veiculadas por iluminadas cabeças pensantes em meio à sociedade. Se continuarem pensando com essa qualidade, há de se questionar onde chegarão, senão na aniquilação da inteligência e da capacidade de apreender a realidade.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

LEMBRETE DE NATAL 2017

Lembrete de Natal 2017
Escrito por Olavo de Carvalho, 26 de dezembro de 2017, no Mídia Sem Máscara.
De cem a cento e cinquenta mil cristãos continuam sendo assassinados anualmente em países islâmicos e comunistas, e número aproximadamente igual sofre toda sorte de humilhações, boicotes e constrangimentos nas democracias ocidentais. Aí a retórica anticristã da mídia, das universidades e dos organismos internacionais torna-se cada vez mais ostensiva e desinibida, denotando uma intenção clara de passar, em breve, do genocídio moral e cultural ao assassinato em massa.

Ser cristão tornou-se tão perigoso que já não concebo outra saudação de Natal para enviar aos meus amigos e leitores senão a boa e velha advertência de que não nascemos para este mundo, mas para a vida eterna. Foi não apenas para trazer, mas para cumprir esse aviso que Nosso Senhor veio ao mundo e morreu por nós. Seu Nascimento não faria sentido nenhum sem a Sua Morte, e Sua Morte sem a Ressurreição. Também a Ressurreição não faria sentido se não tivesse deixado outro sinal na Terra senão a lembrança na mente de umas poucas testemunhas, dois milênios atrás. Mas as marcas da presença de Jesus no mundo são tantas e tão constantes que a única maneira de ignorá-las é desviar os olhares e tapar os ouvidos. Sempre vejo algum humorismo involuntário quando me falam na “fé em milagres”. Um milagre, por definição, acontece no mundo físico e é percebido com os cinco sentidos, sem nenhum apelo ao auxílio sobrenatural da fé. Afinal, o paralítico andou ou apenas acreditou que andou? O cego enxergou ou apenas pensou, com muita fé, que enxergava? Lázaro ressuscitou ou apenas, no fundo do túmulo, acreditava erroneamente estar vivo?

Também me parece que, se em vez de fazer o Sol dançar diante dos olhos de todos, Nossa Senhora tivesse, num estalar de dedos, instantaneamente, feito apenas oitenta mil pessoas acreditarem nisso sem ver nada, teria sido um milagre mais extraordinário ainda.

Só há um meio de negar os milagres: é negar-se a olhar os fatos, é trocá-los por pensamentos. É trocar, como diria o Bruno Tolentino, o “mundo como rapto” pelo “mundo como ideia”. Infelizmente, noventa por cento dos filósofos não fazem outra coisa.

Tanto quanto os milagres, o mal e horror do mundo nos falam, e o que dizem é a mesma coisa: não somos daqui, somos da eternidade.

Que nenhum de vocês se esqueça disso são os meus mais sinceros votos de Feliz Natal neste ano de 2017.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Cidades vazias, desertos populacionais, desperdício de vidas humanas, acúmulo de infelicidades, prisões de inocentes, assassinatos de fetos ou de bebês é o resultado da aplicação do socialismo na China. A organização PT quer conduzir o Brasil para o mesmo desastre.

Babeis vazias na China

Escrito por Luís Dufaur*, 14/10/2014, e publicado no blog Pesadelo Chinês
Kangbashi: não e filme fiction mas é mais uma cidade fantasma da China
Kangbashi: não e filme fiction mas é mais uma cidade fantasma da China
É uma cidade fantasma, mas não é um cenário de novela. Está despovoada, mas não é uma cidade como as da Antiguidade. 

Kangbashi, na Mongólia Interior, norte da China, pode dar moradia a um milhão de habitantes, más nela só há 50.000 pessoas, noticiou“La Nación” de Buenos Aires. 

É um cidade brilhante pela sua modernidade. Milagre da planificação socialista, ela possui largas avenidas, enormes prédios, parques impecáveis e gigantescos shoppings, além de um museu e uma pista de corrida de carros ‘novinha em folha’. 

Só que não tem gente.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Os fundamentos gerais do Partido Conservador – PaCo – são os dez mandamentos de Deus.

No capítulo 20 do Livro Êxodo do Pentateuco da Bíblia, Deus pronunciou todas estas palavras:

1.“Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão.

2.Não terás outros deuses diante de minha face. Não farás para ti escultura, nem figura alguma do que está em cima, nos céus, ou embaixo, sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra. Não te prostrarás diante delas e não lhes prestarás culto. Eu sou o Senhor, teu Deus, um Deus zeloso que vingo a iniqüidade dos pais nos filhos, nos netos e nos bisnetos daqueles que me odeiam, mas uso de misericórdia até a milésima geração com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.


3.“Não usará o nome do Senhor, teu Deus, em prova de falsidade, porque o Senhor não deixa impune aquele que pronuncia o seu nome em favor do erro.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

"MINHA MULHER NÃO TRABALHA"

“Minha mulher não trabalha”
Escrito por Plinio Maria Solimeo e publicado na ABIM em 20 de dezembro de 2017
Quanto trabalha uma dona de casa hoje em dia? É preciso considerar que as atuais leis trabalhistas transformaram a maioria das empregadas domésticas em reivindicadoras sindicalizadas que só pensam em seus direitos e muito pouco em seus deveres. Contratá-las atualmente é expor-se ao risco de muitos problemas trabalhistas. Já foi o tempo em que uma boa empregada doméstica acabava sendo quase que uma extensão da família, em que o trato entre patroa e empregada era pautado pelo entendimento, pela cordialidade e, em muitos casos, também pelo afeto mútuo.

Mas, voltando ao caso, para muitos o trabalho de uma dona de casa é leve, cheio de remansos, dando-lhe tempo livre para leituras, repouso etc. Mas a coisa não é assim.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Identidade dos conservadores do PaCo - Partido Conservador - O conservador capitalista é o verdadeiro trabalhador que progride materialmente e continuamente, mas o esquerdista socialista é o verdadeiro explorador que regride materialmente e espiritualmente.

Resultado de imagem para imagens do diabo e do santoOs conservadores identificam-se com liberdade, democracia, economia de mercado e com conservação dos bons valores. Na verdade, os conservadores conservam os bons costumes e liberam o progresso na economia e os liberais querem o governo para impor novos costumes e intervir na economia em nome da mentira do progresso e da igualdade material entre pessoas. 

Nada mais contraditório no mundo de hoje, mas quem acompanha com inteligência o xadrez político sabe da verdade da liberalidade econômica dos conservadores e do intervencionismo na economia efetivado pelos liberais americanos ou pelos esquerdistas no Brasil.

A maioria dos conservadores é cristã e prefere ser considerada filha de Deus ao invés de ser considerada cria de macaco (ou darwinista) e sabe que a evolução individual existe tanto materialmente quanto espiritualmente, mas sabe que a evolução espiritual coletiva não existe. Conservador, à medida que o tempo passa, mais tem certeza que a natureza humana criada por Deus é imutável.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Considerações sobre a ignorância ou: A Igreja Católica e Apostólica é o único caminho instituído por Deus para que os homens sejam salvos.

Considerações sobre a ignorância
Escrito por Jorge Ferraz e publicado no site Deus lo Vult
A Igreja Católica e Apostólica é o único caminho instituído por Deus para que os homens sejam salvos. A salvação de cada homem, assim, só é possível no grêmio da Igreja de Cristo, «fora da qual não há salvação» (extra ecclesiam nulla salus). O dogma é pouco conhecido e pior compreendido, muitas vezes mesmo por aqueles que têm alguma compreensão do que significa ignorância invencível.
O engraçado é que não tem como ser diferente. Dado que existe uma única natureza humana da qual todos os homens participam, dado que esta natureza humana encontra-se ferida após a Queda dos nossos primeiros pais, dado que nenhum homem finito é capaz de, por conta própria, reparar as ofensas causadas à Majestade infinita de Deus, dado que Nosso Senhor Jesus Cristo, sendo simultaneamente Homem e Deus, é o único que pode oferecer à divindade a propiciação de que a humanidade necessita, dado que Ele instituiu pessoalmente uma Igreja para continuar na História a Sua obra salvífica, enfim, levadas em consideração todas essas coisas, a conclusão não pode ser outra: para que a pessoa alcance o Céu ela precisa receber a salvação deste canal de graças que é a Igreja.

sábado, 16 de dezembro de 2017

O TOLO E SEU INIMIGO: Esse é o título do livro de Jeffrey Nyquist, um dos melhores analistas de política dos Estados Unidos. É uma boa leitura do panorama sócio-político mundial

Jeffrey Nyquist em português
Artigo escrito por Olavo de Carvalho, 11 de dezembro de 2017, e publicado no Mídia Sem Máscara
Por fim, o Jeff Nyquist em português. Ele é um dos melhores analistas politicos dos EUA, se não o melhor.

Sinopse:
O Tolo e Seu Inimigo


Análise acurada e vigorosamente conduzida do atual panorama sócio-político mundial e de suas conseqüências inescapáveis.

O autor parte da tensão tipicamente contemporânea entre a necessidade de defender a civilização contra seus inimigos e a desagregação da própria sociedade ocidental que recusa não só a condição de indefesa como a existência mesma de seus inimigos. O resultado, como não poderia deixar de ser, é o suicídio da sociedade e o colapso de toda a civilização.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

POR QUE A GRANDE MÍDIA TRANSFORMOU JAIR BOLSONARO NO JUDAS DA POLÍTICA BRASILEIRA? ENTENDA O QUE ESTÁ POR TRÁS DESSA JOGADA.

O pré-candidato presidencial deputado Jair Bolsonaro esteve nesta quinta-feira em Manaus, onde participou de diversos atos incluindo a solenidade de formatura do Colégio da Polícia Militar, proferiu palestra e discursou uns 15 minutos para uma multidão que o aguardava no Aeroporto de Manaus.

O vídeo acima dá uma ideia da recepção de seus apoiadores. Repetiu-se em Manaus o que tem ocorrido em todas as cidades onde Bolsonaro aparece. Há sempre uma multidão animada cercando o presidenciável, ainda que continue a ser alvo de ataques e fake news produzidas pela grande mídia.

Por isso Jair Bolsonaro dialoga com seus eleitores diretamente pelas redes sociais. Só em sua página oficial no Facebook, Bolsonaro deverá registrar nos próximos dias 5 milhões de seguidores.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Antevisão: Lula condenado, inelegível, solto e a fazer campanha em favor de um ungido. E isso nem é o pior!!!

Escrito por Reinaldo Azevedo no Blog do Reinaldo na Rede TV
Sim, leitores, isso aí acima é uma jararaca…

O PT já tem um ativo eleitoral gigantesco nas mãos: a condenação de Lula em tempo recorde. E que se note: a esta altura, é de uma irrelevância danada denunciar que o partido foi financiado pelo capiroto… Os brasileiros já estão algo anestesiados e abestados pelo denuncismo doidivanas. Até Tiririca vira referência intelectual de certo colunismo hoje em dia. Santo Deus…

A vanguarda do atraso, como se nota, dá frutos. Ora, se ninguém presta, isso inclui Lula e o PT. Se inclui Lula e o PT e se ninguém presta, por que, então, dizer “não” a Lula e ao PT? Nesse caso, conclui o povão, faz mais sentido hostilizar aqueles que antes combatiam os petistas e que foram alvejados pelo MPF. Entenderam?

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

SOBRE A PROPOSTA DISTRIBUTIVISTA DE CHESTERTON CONSTANTE DO LIVRO “UM ESBOÇO DA SANIDADE”

        Gilbert Keith Chesterton foi um escritor inglês nascido em Londres em 29 de Maio de 1874 e que faleceu em 1936. Ele se declarava cristão, protestante e ortodoxo, até que em 1922 converteu-se ao catolicismo romano.

         Ele adotou a profissão de escritor em 1895 quando iniciou trabalho na editora londrina Redway e nunca mais parou de escrever livros, peças teatrais, criticar, conferenciar e ser comentarista de emissora de rádio. “O homem que foi quinta feira” e a “série de contos sobre o padre detetive” são os trabalhos que se destacam dentre a centena de livros que escreveu.

         Chesterton publicou o livro “The Outline of Sanity” (Um esboço da sanidade) em 1926.

domingo, 10 de dezembro de 2017

O poder estatal é formado por bandidos que conquistaram o direito de confiscarem a riqueza dos cidadãos do poder social de determinado território. Ou: SOBRE MURRAY ROTHBARD E SEU PEQUENO LIVRO “A ANATOMIA DO ESTADO”

Murray Newton Rothbard nasceu em Nova Iorque em 2 de março de 1926. Aderiu à Escola Austríaca de pensamento econômico e filosófico. Definiu-se como um libertário e, como tal, ajudou a definir o que seria libertarianismo.

De 1963 a 1985, Rothbard lecionou no Instituto Politécnico da Universidade de Nova Iorque e de 1986 até sua morte foi professor da Universidade de Nevada. Em 1995, quando faleceu, o obituário do New York Times o chamou de "um economista e filósofo social ferozmente defensor da liberdade individual" e absolutamente contra a intervenção do governo." Dentre seus trabalhos escritos destacam-se o livro Man, Economy and State, publicado em 1962, bem como o opúsculo "A anatomia do estado", publicado em 1968, do qual faço resumo nos parágrafos seguintes.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Você gostaria de passar a vida inteira na pobreza sendo sofredor ou não ter existido?

Assista ao vídeo a seguir e veja a opinião de Edir Macedo sobre o aborto e do Padre Paulo Ricardo sobre o que é a conservação da vida.

Papa Francisco é ditador? Parece que sim. Veja o conflito dele com três cardeais que dele discordam

Os Cardeais Burke-Brandmüller-Müller e “O Papa ditador”
Escrito por Roberto de Mattei (*) na ABIM

Nas últimas semanas houve três entrevistas de alguns eminentes cardeais. A primeira foi concedida em 28 de outubro de 2017 pelo cardeal Walter Brandmüller a Christian Geyer e Hannes Hintermeier, do Frankfurter Allgemeine Zeitung; a segunda foi dada em 14 de novembro pelo cardeal Raymond Leo Burke a Edward Pentin, do National Catholic Register; e a terceira, do cardeal Gerhard Müller ao jornalista Massimo Franco, apareceu em 26 de novembro nas colunas do Corriere della Sera.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

O título de mulher do ano de 2017 deve ser dado à Professora Heley de Abreu Silva Batista

Quem é a mulher do ano?
Eu sei que os títulos de mulher do ano costumam ser concedidos para celebridades do meio artístico, dos palcos, das câmeras e das passarelas. Isso tem muito a ver com a superficialidade das relações sociais, vulgarmente incapazes de avançar um milímetro sequer sobre as aparências. Ao afirmá-lo, não estou emitindo juízo de valor sobre quem quer que seja.

Já quando olhamos ao nosso redor, provavelmente todos temos a quem outorgar esse destaque. Num círculo mais estreito de relações, onde conhecimentos e sentimentos são mais profundos, quase sempre há alguém que é, a um só tempo, rainha, deusa, leoa, obreira infatigável de incontáveis tarefas, pessoa de vontades contidas e interesses postergados, primeira e espontânea oferta no altar dos sacrifícios. Meu louvor, meu apaixonado louvor à essa multidão anônima de mulheres do ano!

Ao pesquisar no Google sobre a mulher do ano de 2017, vejo tantas referências à cantora Anitta, que não posso deixar de dizer: tal escolha constrange a nação. É sintoma de que o torneado do corpo se impõe ao torneado da alma, e que as formas obscurecem a beleza e a nobreza das virtudes.

Neste ano de 2017, ninguém se ergueu acima de Heley de Abreu Silva Batista! Foi ela que entrou em luta corporal com um louco incendiário. Foi ela que retirou 25 crianças de uma creche em chamas, salvando-as de morrerem no trágico acontecimento do dia 5 de outubro em Janaúba MG. Horas depois, não resistindo às queimaduras, Heley morreu.

Em João 15:13, numa alusão ao que viria a acontecer consigo mesmo, Jesus diz: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos”. Amor supremo, cuja imposição vem do coração e chega à superação dos mais naturais instintos humanos. Quando enunciou o mandamento do amor, Jesus disse que devemos amar o próximo “como” (tanto quanto) a nós mesmos. Ele não nos exige o que Ele fez. Ele não pediu a Heley o que Heley realizou. Ela agiu voluntariamente. Amor ao próximo além do amor próprio é altruísmo, virtude das almas mais nobres, dos santos, dos heróis, dos que se erguem à reverência de todos nos altares, nos monumentos e nas páginas da História.

Por isso, quando a agenda de 2017 começa a buscar na prateleira seu lugar ao lado das precedentes, eu me uno aos que escolhem Heley de Abreu Silva Batista e digo: Professora, este ano não tem para mais ninguém! Dê um abraço em Jesus por mim.

SOBRE CHESTERTON E SEU LIVRO “O QUE HÁ DE ERRADO COM O MUNDO”

Resultado de imagem para imagens do livro: o que há de errado com o mundo
Gilbert Keith Chesterton foi um escritor inglês nascido em Londres em 29 de Maio de 1874 e que faleceu em 1936. Ele se declarava cristão, protestante e ortodoxo, até que em 1922 converteu-se ao catolicismo romano.

Ele adotou a profissão de escritor em 1895 quando iniciou trabalho na editora londrina Redway e nunca mais parou de escrever livros, peças teatrais, criticar, conferenciar e ser comentarista de emissora de rádio. “O homem que foi quinta feira” e a “série de contos sobre o padre detetive” são os trabalhos que se destacam dentre a centena de livros que escreveu.

Chesterton casou-se com Frances Blogg em 1901 e assim permaneceu durante toda a vida dele. No livro “O que há de errado com o mundo”, escrito em 1910, aparece a sua linguagem realista (conservadora) sobre o papel dos sexos, bem como aparecem críticas fortes contra o socialismo e contra o capitalismo. 

Depois da primeira grande guerra, Chesterton se tornou líder do movimento distributivista defendendo a ideia da divisão da propriedade privada em unidades menores que deveriam ser distribuídas por toda a sociedade. Essa proposta era uma tentativa de evitar a instalação do socialismo na Inglaterra, mas ninguém a adotou por ser impraticável sem existência de um estado totalitário que era exatamente contra aquilo que ele lutava.

O livro intitulado “O que há de errado com o mundo” foi publicado pela Editora Ecclesiae, São Paulo, 2013. Tal livro está dividido em cinco partes:

Parte I)O desabrigo do homem. Resumo: O homem vive fora de casa e a mulher dentro.

Parte II)O imperialismo ou o erro acerca do homem. Resumo: o homem erra quando elege um imperador para resolver problemas simples do mundo externo a sua casa.

Parte III)O feminismo ou o erro em relação à mulher. Resumo: A mulher erra quando quer resolver problemas de fora de casa.

Parte IV)A educação ou o erro em relação à criança. Resumo: A educação não existe. Não é a educação que muda as pessoas. O professor apenas transmite seus dogmas. A verdade na escola será sempre a do professor e se ele não souber transmitir o que é a verdade dele então não será um educador. A educação fora de casa não existe e não é solução para as mazelas humanas.

Parte V)O lar do homem. Resumo: Há duas instituições que sempre foram fundamentais para a humanidade: a família e o estado. O lar do homem seria o estado. A mulher prefere o lar da casa privada e o homem prefere a casa pública, o barzinho e o parlamento. Os socialistas gostam mais do estado que da família. Por isso, são perigosos, pois preferem uma sociedade de insetos facilmente comandados que uma sociedade de humanos rebeldes agrupados em famílias que se protegem contra o estado. E, para se evitar a instalação do estado socialista, seria necessário, rapidamente, dividir a propriedade e distribuí-la para o maior número de famílias.

Sobre o que há de ERRADO no mundo, Chesterton dizia que: